Prontas para Amar - Jily.Franlice

Tempo estimado de leitura: 1 hora

    12
    Capítulos:

    Capítulo 5

    Capítulo 5

    Heterossexualidade

    Nota da Autora: Oi! Espero que tenham gostado do capítulo anterior. Aqui está mais um. Obrigada a ~Luna13Lovegood pelo comentário, e pelos favoritos. Espero que gostem desse. Bjs emoticon

    Ela o convidou a se sentar no sofá e se sentou a seu lado, começando a explicar como seriam as aulas, o pagamento e outras informações. No entanto, James, somente a observava. Sentia o perfume delicado que ela emanava, enquanto observava o movimento de seus cabelos, a forma de suas pernas. Soube de imediato que era ela que queria desenhar. Ela se levantou e perguntou:

    – Que acha das condições?

    – Muito boas. - Respondeu ele, mesmo não estando atento – E o preço me pareceu razoável.

    – Muito bem. - Falou ela, apontou para um segundo cavalete que tinha colocado de propósito para ele e disse:

    – Sente-se ali, por favor. - James lhe obedeceu e ela começou – Bom, hoje vamos começar por desenhar coisas simples e que se usam todos os dias. É um exercício de que gosto muito e que se chama " preparar o olhar". Você vai escolher um objeto que traga consigo todos os dias e o procure desenhar.

    – Hum… – Falou James, em voz alta, não sabendo o que escolher. – Não tenho a mínima ideia.

    – Não tem nada que traga todos os dias? – Perguntou Lily, tentando ajudá-lo.

    – Tenho. – Respondeu ele, olhando atentamente para os movimentos da mulher

    à sua frente.

    – Qual é, então? – Insistiu ela, querendo saber.

    – O coração, por exemplo.

    – Sim, muito engraçado. – Comentou ela, ironicamente – Mas o coração não é um objeto.

    James a olhou nos olhos e respondeu, solenemente:

    – Pode ser um objeto, sim. Quando não é usado, ou quando é maltratado. – Lily engoliu em seco, perturbada com aquele comentário. Afastou os cabelos da frente do rosto e falou:

    – Muito bem, pode ser. Mas a gente não está discutindo filosofia ou literatura. Estamos falando de pintura. Por isso é que quero que escolha um objeto de fato.

    – Mas é um objeto de fato. – Ripostou James e Lily sentiu que estava perdendo a paciência. – Eu gostava de desenhar um coração, tentar perceber como funciona. E de que cor o deveria pintar. Não me disse que deveria pintar um objeto que tenho comigo todos os dias? Para depois o conhecer melhor? Pois é precisamente isso que quero fazer com meu coração.

    Lily respirou fundo. Ele estava conseguindo tirá-la do sério, algo que era raro para ela, pois ser pintora requeria muita paciência.

    – Sr. Potter, por favor… – Começou, um pouco alterada, mas James pediu, com um sorriso:

    – Me trate por James.

    Aquele sorriso, entre criança e adulto, inocente e esperto, a estava perturbando e Lily não sabia se ficava furiosa com a impertinência dele. Parecia que estava fazendo de propósito para a aborrecer. James a observava com um olhar inocente e ela disse, um pouco rude:

    – James, desenhe da cor que quiser. Mas, lembre-se que está em uma aula. Quando for um pintor profissional, pode pintar o coração da cor que quiser. Agora aqui, na minha aula, tem de ter algumas preocupações de objetividade, entende?

    – Sim, senhora. – Respondeu ele, continuando a sorrir e, a partir daquele momento, ela não conseguiu manter um comportamento único: ou procurava ser muito rigorosa, autoritária, para tentar que a aula chegasse a algum lado, ou não conseguia se fixar em nada. James tinha arregaçado as mangas da camisa e pintava na tela, diferentes tons de vermelho se formando, o pincel deslizando suavemente por entre seus dedos, enquanto tentava desenhar um coração. Ela não conseguia tirar os olhos de seus braços firmes e só desejava despi-lo, em um momento de prazer e amor. Não soube de onde veio tanta ânsia, tanto desejo por aquele homem desconhecido, que tinha trocado poucas palavras. Talvez fosse a falta de um companheiro, alguém para amar. Havia uma certa tensão no ar. Duas pessoas sozinhas em um único cômodo, olhando apenas uma para a outra, se formavam uma proximidade e intimidade quase grandes. Mas ela não podia permitir. Seus relacionamentos sempre davam errado, porque esse seria diferente?

    OoOoO

    Ela tinha vontade de o pintar, mas sabia que não podia. Se o pintasse, ele faria parte do outro mundo dela, passaria a ser um quadro, como todos seus amantes perdidos e passados, que ela tinha colocado em suas telas. Abanou a cabeça, tentando afastar esses pensamentos. Só se tinham conhecido há algumas horas, mas ela sentia que ele era especial.

    – James, - Falou, interrompendo o trabalho dele. Ele a observou com aquele sorriso deslumbrante e ela se sentiu quente. – Você tem fome? Sede? Eu posso preparar um lanche para a gente.

    – Sim, por favor. Eu agradeço. – Pediu ele e ela se dirigiu em passos largos, em direção à cozinha. Sentia que precisava de se afastar dele. Estavam juntos há quatro horas, na mesma habitação. James conversava com ela casualmente e, quando ela tentava fazer com que ele se calasse e voltasse ao trabalho, ele fazia perguntas filosóficas sobre o amor, que a desarmavam. Abriu a geladeira e viu seu interior.

    – Só tenho água e coca cola para beber. – Informou, se xingando mentalmente por não ter uma garrafa de cerveja.

    – Coca cola, está bom. – A voz de James ecoou muito perto de si e ela se virou, dando de caras com ele. Ela ruborizou e ele perguntou, prestativo:

    – Precisa de ajuda?

    – Não, obrigada. – Respondeu ela, se virando e retirando a garrafa com o suco para fora. Colocou em cima da mesa e retirou dos armários pratos e copos. Olhou para ele e perguntou:

    – Que quer comer?

    – Não precisa de ter trabalho. Não tenho fome. – Falou James, indicando a cadeira – Posso me sentar?

    – Claro. – Respondeu Lily, que continuou – De certeza que tenho biscoitos no armário.

    Estava caminhando pelo tapete, quando escorregou. De desequilibrou e estava quase caindo, quando as mãos fortes de James a seguraram. Seus rostos se aproximaram perigosamente, suas respirações entrecortadas e ficaram se observando. Lily ruborizou ao observar os olhos castanho-esverdeados, que brilhava em sua direção com luxúria e James não sabia o que fazer ao ter aquela beleza rara em seus braços. Ela era tão pequena, tão delicada. Seus rostos se aproximaram, quando Lily se apercebeu do que estavam fazendo. Se levantou de um salto, quebrando o momento, e se equilibrou à cadeira. Percebendo o olhar dele sobre suas pernas, ruborizou e ajeitou o vestido, enquanto agradecia:

    – Obrigada, eu poderia ter me machucado seriamente.

    – De nada. – Ele se sentou, enquanto Lily ia buscar um pacote de biscoitos de chocolate. Colocou em cima da mesa e abriu o pacote, sentindo o olhar dele sobre si. Tentando ignorar o olhar dele, se sentou e se serviram. Seus corações batiam descompassadamente pelo que tinha acontecido. James a observava de relance e desejou tocá-la mais uma vez, sentir os lábios carnudos e vermelhos sobre os seus. Lily se sentia inquieta, sabia que ele a observava. Se sentia nua com os olhares dele sobre seu corpo mas, em vez de se envergonhar, desejava ser tocada por ele mais uma vez. Ainda conseguia sentir os braços dele sobre seu corpo. Tinha sido uma sensação indescritível, nunca tinha sentido nada daquilo com seus ex-namorados, muito menos com seu ex-marido.

    Acabaram de comer e James perguntou:

    – Onde é o banheiro?

    – Suba as escadas. – Informou Lily – E é a primeira porta à esquerda.

    – Obrigado. – Agradeceu ele, e saiu da cozinha. Ela pegou na loiça suja e colocou na pia. Guardou novamente o pacote e se dirigiu para sala. Observou a tela com atenção. James tinha realmente muito talento. As linhas suaves, transmitiam uma delicadeza, uma profunda concentração, uma reverência ao próprio trabalho.

    – E então? – Escutou a voz dele perguntar, empolgado como uma criança. Ela olhou para trás e, ao ver sua animação, não pode deixar de sorrir para ele e comentou:

    – Está bom. Você até tem talento.

    – Obrigado. – Agradeceu ele e retirou a carteira de dentro do bolso. Entregou uma nota de vinte libras e perguntou, enquanto se dirigia para a porta:

    – Amanhã à mesma hora?

    – Com certeza. – Respondeu ela, o acompanhando – Estarei esperando você.

    James sorriu e abriu a porta. Lily fechou suavemente a porta e suspirou, pensando como conseguiria aguentar mais uma aula com ele, com todo aquele desejo crescendo em seu interior. Olhou para a sala vazia, sentindo um imenso vazio. Quando estava sozinha naquela casa, sentia essa ausência dentro de si. Pegou no quadro dele e o observou. Um grande e delicado coração estava desenhado a vermelho, no centro, e o resto do quadro tinha sido pintado de um verde pálido, uma mistura interessante de cores. Encostou o quadro dele à parede e pegou em uma tela vazia. Se sentou na cadeira dele, que ainda tinha o calor do corpo dele e pegou no pincel. Traçou variadas linhas de várias cores e, não pode deixar de chegar ao prazer pensando nele.

    Continua….


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!