Amores de Verão - Dramione

Tempo estimado de leitura: 27 minutos

    12
    Capítulos:

    Capítulo 2

    Capítulo 2 - Um Passeio pela Praia

    Heterossexualidade, Sexo

    Nota da Autora: Oi! Tenho de agradecer os comentários e os favoritos no capítulo anterior. Aqui está mais um capítulo. Espero que possam lê-lo e deixar vossas opiniões. Bjs emoticon

    Hermione pegou em sua nova bolsa da praia, especialmente comprada para aquela ocasião, onde guardou seu celular, uma caixa de cigaros e um isqueiro, tal como um livro de sua autora preferida. Era de tons amarelados, com flores alaranjadas, as cores daquela época. Também arrumou uma toalha com desenhos de estrelas do mar, filtro solar e uma pequena garrafa de água. Precisava de se bronzear, estava muito pálida.

    Precisava de deixar de fumar, mas a nicotina a fazia se sentir mais relaxada naqueles momentos de estresse no trabalho.

    Trancou a porta de casa, saindo para o sol abrasador, cujo calor era atenuado com uma brisa fresca, que trazia consigo um delicado odor marinho. Era um de seus aromas preferidos, uma maresia salgada que se misturava com seus cabelos. Com os cabelos esvoaçando em seu redor, avançou até à praia, onde se encontravam algumas pessoas tomando banhos de sol, um grupo de jovens jogando às cartas, um pai acompanhado pelo filho e jogando com raquetes, e alguns surfistas.

    Desceu as escadas de madeira, tirou os chinelos e enterrou seus pés na fofa e quente areia. Olhou em volta, reparando como um bar se impunha logo à vista: com um design muito moderno, pintado de branco e com cadeiras e mesas da mesma cor. Por baixo, uma loja repleta de conteúdos para passar um bom dia na praia. Tudo parecia tirado de uma revista de viagens.

    Ficou espantada com o que via, com o belo aspeto do lugar. Avançou até à loja, olhando em seu redor. Havia de tudo um pouco: conjuntos de biquínis e sungas, filtros e bronzeadores solares. Piscinas insufláveis para os mais pequenos, caixas térmicas para refrescar bebidas, guarda-sois, boias e colchões insufláveis. Decidiu alugar uma cadeira para descansar depois daquela longa viagem que fizera de carro.

    Ao se aproximar da pequena loja, reparou em um jovem atendente, alto e sorridente, muito moreno pelo sol. O jovem se aproximou e se cumprimentaram. Ela explicou o que queria e ele lhe mostrou um conjunto de cadeiras das mais variadas cores. Tinha a opção de comprar, mas também de alugar, o que decidiu fazer. Se a comprasse, teria de a levar no carro. E, em sua casa, ficaria esquecida no sótão.

    Apontou para uma longa cadeira rosa, pagou o preço estipulado e o jovem ajudou-a a levar a cadeira para perto do mar. Sorriu novamente ao imaginar a reação ultrajada de seu ex., que estaria reclamando do lugar, enumerando uma quantidade absurda de defeitos.

    “Que bom que ele não está aqui.” - Pensou, enquanto estendia a toalha por cima da cadeira, e se deitava. Procurou pelo filtro solar, e distribuiu uma quantidade generosa por seu pálido corpo, não queria apanhar nenhum escaldão.

    Olhou para o mar, reparando em um surfista preparando uma prancha. Era alto e musculado, e parecia não ter mais de trinta anos. Observou as pernas fortes, os braços firmes mas, sobretudo, nos olhos de um verde tão brilhante, que parecia que usava lentes de contato. Nunca tinha visto uns olhos daquela cor. Ele se movia com rapidez, e o cabelo negro, muito bagunçado, caindo sob seu rosto másculo. Contra o sol, ela teve a sensação que ele lhe sorria. Mas devia ser imaginação sua.

    De um salto, ele pegou na prancha e mergulhou dentro de água. Hermione seguiu os passos dele, sobretudo as pernas longas e musculadas em movimento a correr, os pés longos e perfeitos abrindo sulcos na areia. Era lindíssimo, parecia um deus grego. Deixou de o ver por uns momentos, antes de ele aparecer no fundo do oceano, perto do horizonte. Bebeu um gole de sua garrafa, consultou seu celular e pegou no livro. Era um de sua coleção de Agatha Christie, sua escritora criminal preferida. Hercule Poirot, com sua extravagância, era seu personagem predileto. A forma como ele resolvia os crimes era soberba.

    Se esquecendo do surfista, ficou absorta na história, não vendo o tempo passando. Até que – não sabia quanto tempo tinha passado: horas, minutos -, uma voz interrompeu sua leitura:

    - Tem um isqueiro? - Ergueu os olhos, reconhecendo-o de imediato. Os olhos eram ainda mais claros do que ela tinha alguma vez visto. A pele morena estava banhada pelo sol, os dentes eram perfeitos, atrás dos lábios grossos.

    - Sim. - Respondeu, procurando na bolsa até encontrar – Aqui tem.

    Estendeu o isqueiro, e os dedos longos e frios pelo mar tocaram nos dela, lhe dando arrepios. Havia algo de puro, mas muito sensual nos gestos dele. Hermione viu um brilho especial tocar em seus olhos – ou seria apenas imaginação.

    Ficaram parados, diante um do outro, ele de cigarro aceso. Ela, para quebrar aquele constrangedor silêncio, retirou um cigarro da caixa e o acendeu. Inspirou, se sentindo mais tranquila, antes de expulsar o fumo em baforadas. Sorriram e ele agradeceu, antes de iniciar uma conversa.

    - Costuma vir a essa praia? - A curiosidade era evidente em sua voz – É a primeira vez que a vejo por aqui.

    Hermione gostou que ele tivesse sido direto, mas percebeu que ele tinha falado demais.

    “Ele reparou em mim” - Pensou, satisfeita consigo mesma por ainda conseguir atrair olhares masculinos.

    -Sim. - Respondeu – Mas repara assim tanto em quem vem a essa praia?

    Um ligeiro rubor preencheu as bochechas dele, ao responder:

    -Ah, me desculpe. Não, é que venho aqui quase todos os dias durante o verão e acabo por conhecer os rostos das pessoas. E já faço surf nessa praia há muito tempo. Foi só por isso que perguntei.

    -Compreendo... - Comentou Hermione, depois de mais um trago – E faz surf há quanto tempo?

    - Há cerca de seus anos. - Respondeu ele, orgulhoso – Faço competição e tudo o mais...

    - Sério? - Perguntou, admirada – Pensava que era só por hobbie. E, já venceu algum prêmio? Não estou muito atualizada acerca dos esportes...

    - Sim. - Respondeu ele – Fui, até, campeão nacional no ano passado.

    - Que bom! - Exclamou Hermione, se sentindo contente por ele – Parabéns!

    - Obrigado. - Agradeceu ele, encabulado, mas orgulhoso - Mas é a primeira vez que vem aqui, não?

    - É verdade, - Admitiu – é que estava precisando de uns dias sozinha, para espairecer a mente.

    - E faz muito bem. - Hermione pensou que ele sorria de uma forma especial, e a conversa entre eles avançava como se conhecessem há muito tempo – Não há nada melhor que a praia para descansar. E, o que faz da vida, se não for indiscrição?

    - Sou corretora. - Respondeu, como era feliz em seu emprego. Amava o que fazia. – Trabalho a vender ações na Bolsa de Londres.

    - Sério? - Perguntou ele, surpreso – Tem de estar constantemente atenta às ações, às quedas e subidas da Bolsa. É um trabalho muito importante.

    Estendeu a mão e se apresentou:

    - Muito prazer, sou Harry Potter.

    - Hermione Granger, o prazer é meu. - Se afastaram e ele se despediu:

    - Espero vê-la em breve.

    - Eu também. - Harry se afastou, levando a prancha a seu lado. Hermione não conseguia tirar os olhos das longas pernas torneadas. Com um suspiro, voltou a sentar-se, e regressou à leitura do livro. De vez em quando, parava para beber água ou para mexer no celular. Sentia seu corpo cada vez mais quente pelo sol.

    Escutava as risadas das crianças, uma cacofonia de sons caraterísticos que a faziam se sentir bem. Se ajeitou confortavelmente na cadeira, esperando terminar mais um livro de sua coleção naquele lugar maravilhoso e cheio de vida.

    Continua....


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!