ANUON 9999

Tempo estimado de leitura: 7 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 43

    O plano de Anuon

    Violência

    E quem será?

    Depois da entrada inesperada de um boleto felino, eis que era mesmo Fhor. Ethan e Anuon ficaram surpresos com sua presença, com o jovem dizendo:

    — Fhor? O que faz aqui? Como nos encontrou?

    — Humano, isso é mais fácil do que pensa. Posso rastreá-los com impulsos eletromagnéticos. Tood ser emite um, diferente um dos outros.

    — Mas porque veio até nós? - Disse Anuon, caminhando até ele.

    — Antes de dizer, preciso fazer algo.

    — O que?

    — Prepare-se!

    — Hã? Mas o que...

    E Fhor correu em direção a Anuon, disposto a golpeá-la. Tenta-lhe acertar suas garras, facilmente evitada por Anuon, que ficou ainda mais confusa, com Fhor continuando seu ataque. Ele então começou a invocar seus poderes elétricos, fazendo com que Ethan e Kitsune se protegessem, com a felina se preparando.

    Ele então solta pequenas flechas elétricas em direção a Anuon, que consegue esquivar-se. Imediatamente, Fhor, agora envolvido por eletricidade, ataca Anuon novamente, sendo impedido pelo golpe de garras rubras da felina, com ele recuando e a dicipar seus poderes. Agora olhando-a fixamente, diz:

    — Muito bom, Anuon! Estou vendo que melhorou.

    — POR QUE TUDO ISSO? - Disse Anuon, bastante irritada.

    — Não sabe que a treinei junto a Piece 1? Então, a estou testando.

    — Mas precisava fazer tanta loucura? Sabia que poderia ter machucado os outros?

    — Hm... até parece que se preocupa com o humano...

    O comentário de Fhor causou um constrangimento a Anuon que, envergonhada, diz:

    — Não... não me preocupo dessa forma que pensa. Só acho que... que... não deveria atacar assim e machucar quem nada tem a ver com nós dois!

    — Conversa, Anuon... Eu sei muito bem que...

    Kitsune, interrompendo a conversa, toma a palavra:

    — Fhor, o que faz aqui?

    — Espere... Kitsune? É você? Como mudou! O que aconteceu?

    — Eu que pergunto. O que faz em meu templo?

    Ethan entrou na conversa, a dizer:

    — Fhor, você está bem? Sumiu desde nosso último encontro...

    — Humano, nada tenho a falar com vc sobre aquele incidente. Meu débito contigo já foi pago.

    — Sim mas... Queria lhe agradecer por tudo.

    — Hm... mudemos de assunto... - Fhor então mudou o foco - Estou aqui para lhes avisar que coisas acontecem na sua cidade.

    — Como assim? O que aconteceu?

    — Piece1 agilizou seus planos!

    — Hã? Mas de que forma?

    — Bem... Da última vez ele o humilhou, humano... E esse era o interesse dele desde então...

    — Então ele quer algo mais agora, não é? - Disse Anuon, próxima a Ethan.

    — Sim. E receio que seja algo muito mais drástico do que já vimos até hoje.

    A raposa sacerdotisa, caminhando até próximo a uma das fontes do templo, diz:

    — Ele já fez muitas atrocidades. Fica até difícl saber até onde poderá ir... Nós devemos esperar qualquer coisa dele... 

    — É prudente pensar assim. Consegui vê Spin perambular pela cidade como uma humana. Pois então, ela estava procurando por algo..

    — O que seria?

    — Eu não sei, mas tenho certeza que é algo grave. 

    Kitsune, que estava preocupada, colocando as mãos em seu queixo, pergunta a Fhor:

    — O que de tão terrível imagina?

    — Percebi presenças de Anis pela cidade toda. E a meu ver não se comparam aos que vimos até então.

    — Estou começando a me preocupar também... - Disse Ethan, tenso.

    — E agora mais problemas... Eu Falei a você, Ethan - Disse Anuon.

    — De nada adianta preocuparmos sem antes pensarmos em alguma coisa a ser feita - Disse Kitsune, caminhando até a porta do templo - Venha, Fhor. Talvez precise de um pouco de descanso.

    — Obrigado pela hospitalidade, Kitsune - Disse o felino, a seguindo.

    Já dentro do templo, todos conversavam sobre o fato. E de fato o felino tinha muito a dizer.

    Enquanto isso...

    Ryoga ainda estava cuidando da pantera, se assustado com o barulho ouvido por ele e Gothic. Ele, ainda assustado, diz:

    — O que deve ter sido isso?

    — Son... talvez... - Disse Gothic, ainda bem fraca.

    — Fica na sua aí. Fala droga não e não esquenta, tudo bem?

    — Onde encontrou tanta coragem em falar comigo assim, humano insolente?

    — Coragem? Confundiu isso com vontade... êta gatinha burra.

    — O QUE DISSE? VAI SER O PRIMEIRO A MORRER, VERME!

    — Shih... ca-la-da! Senão não vai sarar!

    E colocando cuidadosamente em sua cabeça curativos, ele diz:

    — Olha, desculpa pelo mal jeito, Gothic. É seu nome, não é? Eu sou assim mesmo. Leva a sério não.

    — Hã? Desculpar você? Ficou louco, humano? Ao menor das chances, irei matá-lo!

    Ryoga então, terminado de colocar os curativos sobre a cabeça de Gothic, se levantou e seguiu para a saída. Mas, de costas para a pantera, diz:

    — Sabe, ficaria triste se fizesse isso... Mas se acontecer, não poderei impedí-la...

    — Humano... ainda bem que reconhece...

    — Mas eu tenho que te pedir uma coisa - Disse, já com lágrimas aos olhos, causando comoção em Gothic - Se o fizer, não se arrependa depois...

    E Ryoga seguiu para a porta da sala, saindo em seguida. A pantera sentiu mesmo algo com as palavras do jovem, despertando uma curiosidade em Gothic, que pensou:

    — *O que está acontecendo aqui? Esse humano... Ele... Porque ele me trata bem e... Porque ele não me teme? Minas ameaças não o intimidam e... Ele nem se acanha em tocar em mim... Eu o poderia tê-lo ferido, mesmo com o meu estado vergonhoso, mas... O que eu estou pensando? Porque eu não o ataquei? Porque?*

    Voltando ao salão principal do templo...

    Fhor dava mesmo sinais que estava cansado. Deitado sobre uma almofada desansando enquanto Kitsune esquentava o chá da tarde. Todos estavam reunidos sentados na sala principal, inclusive Ryoga, que diz:

    — Mais um gato aqui? Deve ser o namorado da Anuon. Putz, tá todo mundo se arranjando aqui neste templo...

    — Ryoga, cale a boca! A coisa aqui é séria... - Disse Ethan, criticando seu amigo.

    —Tá, desculpa... E esse também fala, não?

    — Ryoga, ele fala sim.

    — Sabia! Agora tudo que é animal fala...

    Mas Ryoga não contava com Anuon, que estavae estressada e envergonhada ao extremo. Ela então diz:

    — Eu ainda mato este humano! Eu juro que eu mato!

    — Calma, Anuon! Ele não fez por mal - Ethan tentou acalmá-la.

    Depois de ficar um pouco mais calma, Anuon voltou suas atenções a Fhor, que diz:

    — Prestem atenção. Acho que devemos desenvolver uma estratégia para conter os avanços de Piece 1.

    — Concordo. Piece 1 sempre está um passo nossa frente e devemos raciocinar tal qual o próprio - Disse Kitsune, servindo chá aos humanos.

    — Bem, acho que, em primeiro lugar, bolemos o que fazer no momento. Piece 1 estaria agora onde? - Disse Maeti, se servindo.

    — Pode estar fazendo coisas em nossa cidade. Saímos de lá depois dele ter atacado Ethan - Disse Kaede.

    — Será mesmo? Se for o caso, acho que devemos voltar hoje mesmo - Disse Ryoga, tomando chá.

    — Ryoga tem razão. Apesar de ser importante terminar o treinamento, a prioridade aqui é parar Piece 1 a todo custo - Disse Ethan, preocupado.

    Mas Kitsune tinha mesmo uma inteligência a frente, já imaginando além. Ela então diz:

    — Mas já pensaram que isso pode ser mais um plano de Piece 1 para que não complete com o treinamento?

    — Mas Kitsune... - Indagou Ethan.

    — Ethan, Gothic sabia onde estávamos a mando de Piece 1. Embora a própria pantera tenha dito que nem mesmo ele sabia de seus planos, será mesmo que ela não estava simplesmente blefando?

    — Tem razão... Mas o que fazer agora?

    Kaede então se levantou e, pegando sua bokken, diz:

    — Acho melhor você treinar, Ethan. esse Piece 1 já mostrou que não está para brincadeiras. Ou vai recorrer a sorte?

    Mas logo Ryoga se manifesta, trazendo um pouco mais de seriedade em suas palavras:

    — Sorte? Tu tá brincando, não é? Dá não, Kaede. E tu também, Ethan. Já viu o que aconteceu nesses últimos meses? Quero ser chato não, mas se depender da sorte, daqui a algum tempo estaremos debaixo da terra. E a gente não vai ser funcionário do metrô não, se me entendem... Isso se não formos devorados pelos animais... Sem ofensa aos presentes, ok? Tô falando dos outros...

    — Não gostei deste humano desde o princípio, mas ele está certo em afirmar isso. Não podemos depender da sorte - Disse Fhor, concordando com Ryoga.

    Anuon, se levantando e indo até a porta, diz:

    — Eu irei com Fhor para a cidade novamente.

    — O que? Anuon, mas... - Ethan só era preocupação.

    — Sim... Minha presença aqui não é necessária. Mas na cidade... Serei mais útil por lá.

    — Mas Anuon, nós precisamos ficar unidos. Não tem necessidade de você sair e...

    — Humano, e seus genitores?

    — Hã? Papai e mamãe? Nossa... É verdade...

    — Eles são alvos muitos fáceis pra qualquer Anis. Eu estando por lá seria uma proteção a eles.

    — Você está certa, Anuon.

    — Bem, se está decidido isso, devemos irmos o mais depressa possível - Disse Fhor, já se levantando.

    Com os dois felinos se preparando para retornar a cidade de Ethan, o jovem, um pouco triste, diz:

    — Mas Anuon... eu... sentirei sua falta...

    — Não se preocupe, Ethan. Logo estaremos juntos novamente...

    — Eu sei mas...

    Ela, entendendo que seu amigo humano estava um pouco cabisbaixo, logo tratou de dizer:

    — E, além do mais, você tem a Heaven para abraçar, lembra?

    — Hehehe... é mesmo... Tudo bem. Até logo, então!

    Todos se despedem de Anuon e Fhor, que correm a toda velocidade pela mata densa da floresta do templo Rayka. E os vendo sumir, Ethan diz:

    — Que consigam ajudar as pesoas da cidade. Nossa, meus pais...

    — Esquenta não, cara!l. A gatinha nervosinha sabe se defender - Disse Ryoga, colocando uma das mais no ombro de seu amigo.

    — Ryoga, é assim que a respeita?

    — Ah, cara! Sabe como eu sou. Fica tranquilex.

    — Ethan, não se preocupe. Sei que Anuon e Fhor ficarão bem... - Disse Kaede, confortando Ethan.

    — O-obrigado, Kaede.

    Enquanto isso, Kitsune e Maeti haviam se distanciado dos outros, entrando em um salão paralelo ao principal. A raposa então diz:

    — Maeti, já preparou o hall?

    — Sim, mãe. Está tudo pronto, mas acha mesmo que Ethan vai suportar?

    — So depende dele, Maeti. So depende dele...

    — Mas a senhora sabe dos perigos...

    — Maeti, Ethan corre perigo do em estar aqui. Ele sabe dos riscos e tem noção plena do que representa.

    — Mãe...

    — Sei que é duro mas ele terá que conseguir se quiser fazer algo contra Piece 1.

    — Eu compreendo.

    — Bem, chame-o. Chegou a hora.

    O jovem raposa, caminhando pelos corredores do tempo segurando sua bokken, já dava uma ideia do que estava pois vir, principalmente depois que Ethan percebeu sua aproximação, pois o jovem raposa o estava olhando nos olhos...

    Continua...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!