ANUON 9999

Tempo estimado de leitura: 7 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 36

    O treinamento continua

    Violência

    E lá vamos para mais um dia de treinamento.

    Dois dias depois.

    Maeti havia usado seus poderes em Ethan, ajudando-o a se recuperar rapidamente. O jovem já estava bem melhor e pronto para treinar com Kitsune. Os poderes do jovem raposa realmente eram soberbos, curando os ferimentos de Ethan de turma alígera. Os outros, depois da recuperação do rapaz, perdoaram Kitsune e opinaram sobre como treiná-lo. Havia se perdido muito tempo e a raposa sacerdotisa teria que agilizar todo o combinado. Diante isso, em uma tarde agradável, Ethan foi a encontro de Kitsune, que queria conversar com ele.

    — Ethan, que bom que chegou.

    — Bem, o que queria falar comigo?

    — Decidi treiná-lo de forma diferente. Mas não se preocupe, pois é seguro desta vez.

    — Kitsune, até faço com todo o prazer mas tenho algo a pedir.

    — Diga, então.

    — Desde que vim para cá, o que mais acontece aqui são momentos tristes, onde todos choraram e sofreram. Gostaria que isso não acontecesse mais.

    — Mas como assim, Ethan?

    — Sei que todos nós aqui temos em nosso passado algo que fizemos ou sofremos. Acho que seria melhor deixar estas coisas aonde estão: no passado. Se remoer com estas coisas só nos trará aborrecimentos e mais lágrimas.

    — Entendo o que quer dizer.

    — Devemos nos importar um com os outros, mas precisamos saber separar as coisas. 

    — Concordo com você.

    Após a amistosa conversa, caminharam juntos até o tatame. Quando enfim chegam até o lugar, todos já estavam lá, exceto Kaede. Anuon, olhando para Ethan, diz:

    — Ethan, tem certeza que está bem?

    — Anuon, está se preocupando comigo? Que fofinho da sua parte, hehehe.

    — É.. bem... Humano, tome cuidado desta vez... - Disse a felina, envergonhada.

    — Tu toma cuidado mesmo! A gata tá certa!

    — Desta vez minha mãe será mais prudente. Mas não pense que irá facilitar para você.

    — Pode deixar, pessoal! Estou até mais forte agora.

    E o jovem se dirige então ao centro do tatame, onde Kitsune o esperava.

    — Bem... podemos começar, Kitsune.

    — Espere.

    — O que foi?

    — Seu adversário está alí - Disse a raposa, apontando para sua esquerda.

    Era kaede, já vestida com seu kimono. E evidências com o encanto de todos, a jovem estava linda. Havia amarrado os cabelos com uma presilha antiga e camihava lentamente para o centro do tatame. Já perto de Ethan, diz:

    — Bem, vamos começar, tia.

    — Estou vendo que prendeu os cabelos com a presilha de Tikai. Ficou bem em você.

    — Obrigada.

    — Ela ficou ainda mais bonita assim, não é Ethan?

    — Kaede... você... É... Kitsune... está sim - Disse Ethan, um pouco envergonhado.

    — Que foi, Ethan? Porque stá corado? - Perguntou Kaede.

    E não era somente Ethan a se impressionar com o carisma da jovem. Maeti, falando a Ryoga, diz:

    — Esta senhorita é realmente bonita. Não havia visto até hoje tamanha beleza.

    — É e tem gente que não aproveita a chance que tem em pedir ela em namoro... Vou te contar...

    — Namoro? Quer dizer, cortejá-la?

    — É, senhor "formal"... pode ser...

    — O que quer dizer com isso, humano? - Disse Anuon, confusa.

    — Deixa... Esquece...

    E voltando ao tatame, o assunto era entre Ethan e Kaede. O rapaz ainda estava se recuperando.

    — É... bem... sabe como é... Você vestida assim... como uma samurai... nem sei dizer...

    — Você está ficando mais corado. Está sentindo algo?

    — DEVE ESTAR SENTINDO ALGUM CALOR! NÃO É, ETHAN? - Gritou Ryoga.

    — CALA A BOCA, RYOGA! - Exclamou Ethan, ainda vermelho.

    — Porque grita com ele? Você está mesmo sentindo calor? - Kaede não estava entendendo a reação de Ethan.

    — Ah... caramba... estou sim... Tipo...

    — Calma, Ethan. Sei que está nervoso com o treinamento, mas tenha calma...

    — Tu-tudo bem.

    — Bem, comecemos com o treino.

    E finalmente o treinamento parecia que iria de fato começar. E Ethan e Kaede colocam-se em base de luta, olham-se um nos olhos dos outros, mas Ethan se mostra distante. Parecia estar pensando.

    — *Puxa, Kaede está muito bonita vestida assim... Isso está até mexendo comigo. Ela continua olhando nos meus olhos e fica difícil me concentrar. Mas porque está acontecendo isso? Porque estou pensando nisso?*

    E como estava desconcentrado, Kaede corre em sua direção, disposta a acertá-lo. O jovem nem se deu conta que a luta já havia começado, com Kitsune gritando:

    — ETHAN, ACORDE! NÃO VÊ QUE KAEDE IRÁ LHE ACERTAR?

    Mas quando volta a si, já era tarde. Kaede o olha nos olhos novamente e aproximou-se, lhe aplica um golpe em seu dorso mas, para sorte de Ethan, ela o faz com força reduzida. Ethan então colocou uma das mãos sobre o local atingido e olha para Kaede, que diz:

    — Você está louco? Porque me deixou me aproximar desta forma? Seu inimigo não facilitaria como fiz agora.

    — De-desculpe, Kaede. Não sei o que deu em mim...

    — Bem... concentre-se, ora! Não é a toa que... *Kitsune havia indicado a Kaede que ficasse calada sobre o que aconteceu anteriormente. Quase que eu faltei com o Ethan. Ele está se esforçando e eu não quero quebrar sua confiança...* - Continuou a jovem, colocando sua boken a frente - Ethan, vamos voltar ao treinamento.

    — Tudo bem! Pode vir!

    Ethan deveria ter mesmo cuidado no que havia exigido, pois Kaede aplica-lhe sucessivos ataques. O jovem, por incrível que pareça, até conseguiu se esquivar e evitar os golpes, mas Kaede usou de estratégia e lhe aplicou uma rasteira. Caído, ela aponta-se sua espada e diz:

    — Concentre-se, Ethan! Já pensou o que seus inimigos fariam se vacilasse desta forma?

    — Eu sei... Vou me esforçar.

    — Faça aquilo que Kitsune falou. E não use aquela desculpa de que não sabe lutar.

    — Mas Kaede... Sou limitado e sabe disso.

    — Ethan, me ataque com todas as forças. 

    — Tudo bem!

    Ethan correu em direção a jovem, levantado sua espada e a ataca. Sua única falha foi ser muito previsível, fazendo com que Kaede o desarmasse facilmente. Sua espada vai ao chão e Kaede lhe dá um pequeno golpe na cabeça.

    — Ethan, você está me irritando. Não seja tão previsível. Faça o que for preciso para me atingir.

    — Não quero lhe machucar.

    — Me machucar? Acha mesmo que irei deixar?

    — Não precisa falar assim, ora!

    — Hahaha... Você foi muito ingênuo em pensar que poderia me atingir. Falei daquela forma para ter alguma motivação. Mas viva na realidade.

    — Veremos, então. Irei lhe atingir, você verá!

    — Hahaha, veremos...

    A provocando de Kaede teve um resultado esperado. Ele agora estava com outro brilho nos olhos. Já não mostrava o mesmo anseio que imperava suas ações. Ethan havia reencontrado aquela sua motivação que tivera antes de vir ao templo. Estava com um sorrisso estampado em seu rosto e, apesar dos golpes sofridos, não desanimava e continuava a atacar Kaede.

    O treinamento seguia tranquilamente. Kitsune passava lições e dicas para aprimorar a técnica. Aos poucos, incrivelmente, os movimentos de Ethan passaram a ficar mais suaves e via-se que estava mais à vontade no manuseio de sua boken e consigo mesmo. Como um passe de mágica, Ethan já estav até dando trabalho a Kaede que, com o aumento da intensidade dos golpes de Ethan, começou a usar outras técnicas para se defender. Mas apesar de todo o empenho de Ethan, ele não havia sequer encostado em Kaede, que já o havia acertado inúmeras vezes. Exausto, respirando fundo, diz:

    — Como é difícil chegar perto de você...

    — Eu lhe disse que nunca iria me acertar.

    — E é muito convencida. Mas irei conseguir. Cedo ou tarde.

    — Você, com o que tem, jamais irá fazê-lo.

    — Não duvide! Um rapaz desesperado como eu pode fazer qualquer coisa.

    — Hahaha... Não se iluda, Ethan. Há uma enorme diferença entre nós.

    — Então veja! - Esbravejou o jovem, correndo em direção a Kaede.

    Ethan havia aplicado um violento golpe, que fez kaede recuar. Sua defesa havia ficado aberta e Ethan correu para proveitar esta chance de ouro. Infelizmente para Ethan, Kaede sabia o que fazer e conseguiu tomar conta da situação. Etthan mais uma vez foi acertado por ela e cai de joelhos diante sua oponente e amiga.

    — Eu lhe disse que com seu atual nível nunca iria me acertar.

    — Porque todas as mestras do maratsu-Kyoken são assim tão convencidas? Era Kitsune, agora você...

    — Do que está falando? Não sou convencida porque nunca perco. Eu tenho confiança em vencer sempre.

    — Nem eu fui sim com você - Disse Kitsune, olhando para Ethan.

    — Ora, vcs duas aí... Que graça tem em me humilhar deste jeito? caramba, estou fazendo o melhor que faço e vocês só souberam me castigar com suas palavras. Kitsune, por favor, me dê uma ajuda.

    — Em que posso lhe ajudar? Em uma luta seu inimigo não o deixará pedir ajuda desta forma.

    — Mas eu estou em uma aula. E você é a professora. E se você não me dizer o que fazer em certas situações, como irei aprender?

    — Bem, você está até certo em me cobrar, mas eu já lhe disse o que fazer.

    — QUANDO?

    — Lembra quando Kaede lhe aplicou um golpe quando você se esquivou?

    — Sim, mas o que tem?

    — Era para fazer o inverso do que havia feito. A atacou lateralmente, quando era para ser horizontalmente. Se o fizesse, conseguiria atingí-la.

    —Espere... deixa eu ver se entendi direito... Então eu poderia atingí-la se fizesse isso? Seria capaz mesmo?

    — Claro! Kaede é muito rápida e se você usar golpes lentos e previsíveis, ela com certeza irá lhe atingir. Concentre-se e faça o que disse.

    — Aprendeu, Ethan? Quer tentar de novo e apanhar? - Disse Kaede, com um tom de deboche.

    — Kaede, você está começando a me irritar, sabia?

    — Então consegui estressar você? Puxa, não pensava que tinha tamanho poder...

    — Sua arrogância já foi longe demais!

    E Ethan, de uma forma inédita a todos, parte para cima de Kaede, que se assusta com os movimentos dele. Seu último movimento estava ludibriando Kaede, balançando sua espada como se fosse golpeá-la. Ela então ficava tentando se esquivar e não sabia quando Ethan a atacaria. Observando a luta, Maeti diz a Anuon:

    — Ethan aprendeu o significado desta aula.

    — Como assim?

    — Veja... agora já não está mais atacando demasiadamente. Está pensando antes de fazê-lo.

    — Eu sei mas... isso é o suficiente para atingir Kaede?

    — Eu não sei mas Ethan já não é mais um simples iniciante. Seu nível aumentou significantemente.

    Kaede já não sabia o que fazer. Ficava somente olhando a Ethan se mexer em sua volta, tentando enganá-la a todo instante.

    — O que houve, Kaede? Pensei que iria fazer algo.

    — Ethan, você agora que está sendo arrogante.

    — Estranho... Cadê aquela garota valente?

    — Hehehe... vai se arrepender por ter dito isso...

    Embora estivesse na vantagem, por estar se movimentando de uma forma que Kaede não previa, era um risco frente atacar sem antes planejar. A jovem era muito mais habilidosa e forte que Ethan, que tratou em pensar:

    — *Sinto quese minha estratégia não der certo ela vai me esfolar vivo. Mas vai doer muito mesmo... Eu preciso...*

    E Kaede, diante da indecisão do jovem, ataca Ethan, que joga sua espada um pouco acima do raio de ação do golpe da garota, fazendo uma manobra espetacular. A espada dela passa por baixo da espada de Ethan, que a pega novamente e, como Kaede ainda estava continuando com seu movimento, deixa sua defesa aberta, tempo suficiente para acertá-la levemente na barriga. Todos ficam impressionados com o movimento de Ethan. Até mesmo Kitsune se surpreende, dizendo:

    — Ethan... Você é mesmo maravilhoso! Estou vendo agora que este treino foi produtivo. Parabéns!

    — Hehehe... Obrigado! Mas agora...

    Ethan havia conseguido o improvável: atingiu Kaede. Ele, mostrando alegria em seu rosto, se aproximou da jovem, que estava mostrando certa indignação ao ocorrido.

    — Mas como pude cair num truque tão infantil?

    — Kaede, isso que fiz não quer dizer nada. Se fosse uma luta de verdade, já estaria todo destroçado por vc. Mas eu te atingi e isso vive não pode negar, hehehe. E larga a mão de ser valentona!

    Mas Kaede não parece ter gostado da brincadeira. E quando Ethan tentou pegar em sua mão para ajudá-la a se levantar, a jovem foi arrojada, e traiçoeira, ao arremessar Ethan ao chão com um golpe de judô. Agora caído, Ethan tenta se levantar mas é impedido por Kaede, que o derruba novamente e, sobre seu corpo, o prendeu ao chão, segurando suas mãos.

    — Escuta aqui, seu convencido... Na próxima vez que disser que sou uma dessas garotas metidas a valentonas, eu juro a você que VOU ACABAR CONTIGO! VOU QUEBRAR ESTA BOKEN NA SUA CABEÇA, ENTENDEU? - Disse a garota, falando perto do rosto de Ethan.

    — E-Está bem... Está bem... Está bem... Não me bate não, Kaede. Eu retiro o que disse! Tudo bem? Sem recentimentos?

    — Que não se repita mais!

    — Depois dessa... Nunca mais!

    — Kaede, você também esteve bem. Tikai deve estar orgulhosa agora - Disse Kitsune, mostrando satisfação em seu olhar.

    — Obrigada. Eu mesma, quando minha tia dizia estas coisas, não sabia nem o que dizer Inclusive...

    Mas a jovem, ao receber os elogios da bela raposa sacerdotisa, não se deu conta onde ainda estava sentada. E deixemos Ethan ter a palavra:

    — Kaede... Está confortável sentada em cima de mim? - Disse o jovem, olhando para Kaede, ainda envergonhado

    — Ops... Mas... Que vergonha... Desculpe-me, Ethan... - Disse, olhando para o jovem, ainda mais envergonhada.

    — Iria dizer uma coisa, mas nem vou falar. Vou deixar seu estado de espírito melhorar...

    Ryoga não perdeu tempo,  achando graça da situação. Enquanto ria, Maeti diz:

    — Do que está rindo?

    — Hehehe... Esses dois aí... Sei não...

    — Não entendi. O que quer dizer?

    — Esqueça, Maeti...

    — Ah... Humanos... Vocês e seus enigmas...

    Kitsune chama então Ethan para lhe dizer algo. Com todos sentados ao tatame, a raposa diz:

    — Ethan, você passou no teste de improvisação em combate. Você, sem saber plenamente lutar com uma espada, conseguiu golpear Kaede. Claro, depois de várias tentativas, mas o fez...

    — Naõ precisa jogar na cara deste jeito.

    — Me desculpe. Bem, passemos ao próximo treino...

    — E qual será?

    — Venha comigo.

    E caminham para fora do Do-joh. Pelo visto esse treinamento irá mudar de estágio.

    Continua.


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!