Freedom Planet: Faith & Shock

Tempo estimado de leitura: 17 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 15

    O torneio T.O.R.M.E.N.T.A - primeira fase

    Spoiler, Violência

    E é chegado o dia. Muitas lutas e reviravoltas aguardam o Team Lilac.

    O tempo parecia andar mais rápido. O dia finalmente chegou.

    Shang Mu havia mesmo se preparado para receber um grande fluxo de pessoas nas ruas. Não é pra menos: o alcance da propaganda que Mayor Zao fez foi tanta que toda Avalice estava na espectativa pelo evento e, com isso, vários visitantes surgiram na cidade, deixando ainda mais fervente a megalópole.

    Uma verdadeira multidão estava fazendo uma procissão, se dirigindo todos juntos para a Shang Mu Arena, que já estava com enormes filas pista atentarem o lugar. Em seu interior, era visível que Mayor Zao tinha mesmo pensado em tudo: lojas de souvenires estavam lotadas, com artigos temáticos do torneio e do reino de Shang Mu. Haviam também restaurantes e lanchonetes, e até mesmo haviam lugares para que pudessem tirar fotos com o próprio Mayor Zao... claro, via um holograma. As praias estavam mesmo se divertindo e isso tudo antes do torneio.

    Aos poucos a arena enchia mais e mais, até que todos os lugares estavam preenchidos. O lugar estava praticamente lotado, atendendo a espectativa dos organizadores. E depois de alguns minutos, eis que veio o anúncio do sistema de áudio da arena:

    — Boa tarde a todos. Iremos começar agora a cerimônia de abertura. Divirtam-se.

    Music: “Killer Instinct Theme Xbox One”

    Opening ceremony of the T.O.R.M.E.N.T.A Tournament

    START

    A arena escureceu. Sim, o lugar tinha um teto retrátil, que se fechava conforme a conveniência. Logo aquela música pesada e opressora dava o tom do momento. Suas batidas fortes eram ilustradas com projeções ao solo do octógono ao centro, mostrando lutadores em ação. E logo o logotipo do torneio aparece, com um dragão chinês como símbolo. Chamas então começam a queimar em tochas ao longo de toda a arena, que ainda estava escura. A música tornou-se então mais calma, com o locutor ícone do torneio dizendo:

    — No passado, nossos ancestrais lutavam entre si para saber quem era o mais forte... Isso era a forma de testarem seus habilidades... E HOJE VAMOS VER ISSO AQUI, AO VIVO!

    DEZESSEIS TIMES...

    COM CINCO INTEGRANTES CADA...

    OITENTA GUERREIROS PRONTOS PARA A LUTA DE SUAS VIDAS!

    O TORNEIO ORIGINAL REAL DO MAIOR ELEMENTO NOBRE DE TODA AVALICE...

    T.O.R.M.E.N.T.A!

    E agora... OS LUTADORES!

    A música voltou a sua grande força, com batidas de tambores orientais, ao mesmo tempo que os portões da arena se abrem, mostrado uma movimentação de seu interior. Eram todos os participantes entrando no lugar, com muito entusiasmo e alegria. Logo todos das arquibancadas se levantam e começam a aplaudí-los, em sinal de respeito e reconhecimento.

    E justamente entre vários lutadores estavam Lilac, Carol, Milla, Viktor e Noah, que pareciam estarem surpresos com tudo aquilo que estava aconteceu, e todos eles faziam parte nesse exato momento.

    — Ah eu tô maluca! Olha só quanta gente, Lilac! Tamo fazendo parte de tudo isso! – Disse Carol, reluzente.

    — Carol, se segura. Estamos aqui pra vencer o torneio pra pegarmos o resquício.

    — Mas é por isso mesmo, boba. Vamo vencer esse torneio.

    — Nossa, tem tanta gente aqui... Nós vamos mesmo lutar contra essa gente toda? Disse Milla, surpresa com tudo que estava acontecendo.

    — Não necessariamente, Milla. Mas de acordo com o que foi programando, vamos lutar contra pelo menos uns quatro times – Disse Viktor, explicando a Milla.

    — Eu não imaginava que o torneio terá tia essa proporção... E isso é perfeito! *Assim tudo mais chances de desenvolver a técnica suprema do Kaipasu* – Disse Noah, olhando ao redor.

    Passado alguns minutos, o fim da cerimônia chega ao fim, com todos perfilados, olhando para a tribuna de honra. E eis que, de forma triunfal, aparece sentado em uma poltrona luxuosa o próprio Mayor Zao, dizendo:

    — Obrigado! Muito obrigado a todos que vieram assistir ao Torneio Original do Maior Elemento Nobre de Toda Avalice! Me dá muita satisfação vê-los se divertido *e comprando muito* aqui na Shang Mu Arena. Aproveitem ao máximo o nosso grande torneio com valorosos guerreiros que estarão lutando para o prêmio máximo de toda Avalice: o gigante e fantástico super demais resquício da pedra do reino!

    A platéia quase fez a arena oiê abaixo depois das palavras de Zao, que estava mesmo adorando ver tudo aquilo. Logo um dos organizadores do torneio tomou a palavra, dizendo:

    — E agora iremos começar a primeira fase do torneio. Nessa etapa nossos participantes encontra-se-á com outros grupos. As regras são:

    É uma luta de submissão. Ou seja, é necessário jogar seu adversário para fora do octógono. Caso um participante queita desistir, está livre para tal;

    O espírito esportivo deve ser respeitado. Nenhum oponente poderá fazer provocações desrespeitosas, embora conversas sejam permitidas;

    Se algum participante se ferir gravemente, um grupamento médico estará de prontidão. A luta será paralisada até que haha um laudo de que o lutador para continuar ou não;

    Nessa primeira fase, será uma luta no estilo “melhor de três”: o time que vencer três lutas estará classificado a seguir no torneio;

    O integrante vencedor da luta deverá ficar no octógono até que seja vencido, sendo substituído por outro;

    A escolha de integrantes é livre nessa fase. Porém a única forma de um integrante ser substituído será: ou perder a luta ou desistir da luta, o que também ocasiona uma derrota para seu time.

    Carol, que estava inquieta, logo diz:

    — Putz, vai ser no estilo “KOF”, Lilac! Caraca, tô muito nervosa.

    — Lá vem você com essas loucuras...

    E o organizador continua:

    — Queremos uma boa luta e uma luta limpa. Respeitem sem adversário e a si mesmo. E a partir de agora danos início ao T.O.R.M.E.N.T.A!

    Vários fogos de artifícios começam a estourar no belo céu azul de Shang Mu, anunciando assim o início do torneio. A multidão que se encontrava em toda a arena foi ao delírio, ilustrando bem como estava o astral do evento. Já estava sendo um sucesso, pelo menos na empolgação isso era evidente. Zao só era alegria, pulando e acenando para seu povo.

    Mas durante os festejos iniciais, Lilac percebeu algo. Ela, olhando para o fundo da arena, viu que haviam pessoas que ela reconhecia, porém isso era uma má notícia, porque...

    — Eles estão aqui!

    — Hã? Eles quem? – Disse Noah, enquanto andava junto aos outros.

    — Eu vi... Já membros da The Red Scarves nesse torneio.

    — O que? Tem certeza, Lilac? – Disse Viktor, surpreso.

    — Sim, Viktor. Quero dizer, quase isso. Posso estar enganada, mas seus rostos eram bem familiares...

    — Ih boba... Relaxa. Mesmo se esses fantoches de Naruto estiverem aqui, é só a gente varrer o chão com eles. Tô dizendo, Lilac... Nós vamo destruir tudo aqui – Disse Carol, serrando seus punhos.

    — Carol, leve a sério isso! Não estamos aqui pra...

    — Ah não vem com esse papo de novo. Eu tô aqui pra lutar pra me divertir.

    — CAROL! Temos uma missão a cumprir!

    — Tá, tá... Mas tá tudo no mesmo embalo. Pacote completo. Tu vai ter o que quer e eu também, nyah!

    Logo, ao fim dos festejos iniciais do torneio, todos os lutadores seguiram então para o interior do prédio da aaren. E enquanto retornaram para até às dependências do lugar, as primeiras conversas entre todos os envolvidos começaram. O salão era enorme, então abrigou a todos sem maiores problemas. Bem, problemas em si vieram em seguida pois reconheceram um certo alguém que havia disputado um torneio a pouco tempo e...

    — Ah então você é o Viktor. Ou melhor dizendo: Red Mask – Disse um felino, usando como vestimenta uma roupa de monge, com uma calça preta, com um manto que estampava uma cruz e tinha um desenho no meio. Sua pelugem era marrom, com cabelos vermelhos e olhos verdes.

    — Hã? Mas... Eu conheço você? Já nos vimos antes? – Disse Viktor, com os outros também olhando.

    — Não. Mas eu o conheço. Eu vi sua luta no torneio de Shang Tu.

    — Ora, por essa eu não esperava.

    — Até o piá tá ficando famosin, né? – Disse Carol, com um sorriso no rosto.

    — Eu vi sim e até me surpreende vê-lo aqui. Você é uma pessoa de coragem, estrangeiro.

    — E porque diz isso? – Disse Lilac, curiosa.

    — Antes, deixem me apresentar. Me chamo Sheng Zian. Sou um monge das montanhas de Shang Mu. E respondendo sua pergunta... Viktor, você não deveria participar desse torneio.

    As palavras do jovem Sheng tiveram um efeito imediato, como uma provocação. Imediatamente após isso, Viktor logo disse:

    — E porque não deveria?

    — Você é fraco.

    Até mesmo Noah não gostou do que estava ouvindo, e disse:

    — Acho melhor você ir para junto de seu time e calar a boca.

    — Ah mas eu farei isso. Só estou dizendo para o bem dele – Disse Shang, olhando para Viktor.

    — Para o bem dele? Mas isso o que está dizendo...

    — Logo se percebe que você não viu... acho que você bem tinha conhecimento desse torneio de Shang Tu, não?

    — Sendo sincero, eu realmente não sabia.

    — Pois bem, Viktor foi praticamente dominado por Neera Li desde o início. Ele não teve a minina chance de se defender de golpes simples dela.

    — O que? Mas...

    — Por isso mesmo. Entendam: eu não estou falando isso pra provocá-los tampouco menosprezar Viktor. Só estou preocupado pois ele não está no nosso nível.

    — Do que está dizendo? – Noah estava mesmo confuso.

    — Viktorius não tem poder algum, Noah. É isso – Disse Milla, abraçada a Viktor.

    — O que? Mas...

    — Bem, se me dão licença... Estou indo. Precisamos nos preparar. Boa sorte para seu time.

    Parecia uma provocação, mas depois de pensar bem, Noah entendeu que Milla estava mesmo falando a verdade. O jovem albino, um pouco irritado, diz:

    — Viktor, o que você está fazendo aqui?

    — Hã? Ora, o mesmo que você e todos nós. Para lutar.

    — Não, Viktor... Se o que o Sheng disse for verdade...

    — O que quer dizer com isso?

    — Eu pensei que você assim como eu estávamos no mesmo nível. Tudo bem que Neera Li é bastante forte, mas para...

    — Ei! Melhor parar. Não estou gostando do jeito que está me tratando, Noah.

    — Parar? Eu tenho meus interesses em estar aqui, mas não quero ter de carregar alguém nas costas porque não tem poderes.

    — Eu não preciso da sua ajuda. Eu sei me cuidar muito bem. Preocupe-se com você. 

    — Acredite: você precisa e muito de mim agora, assim como todos nós!

    Os nervos estavam mesmo a flor da pele. Noah e Viktor estavam quase se agredindo, já com Carol e Milla intervindo para não acontecer algo inapropriado. Lilac logo íntegro.

    — Vocês dois, parem já com isso!

    — Mas Lilac, ele... – Tentou dizer Noah, sendo seguro por Carol.

    — Noah, você não conhece o Viktor como nós conhecemos.

    — Mas...

    — Viktor é um mestre de karatê. Ele chegou até a final do jeito dele. Acha mesmo que eu não tenho confiança nele? Não... Você não deveria fazer caso dele.

    — Lilac...

    — E Viktor, eu quero empenho todo seu, mas não faça nada além do que você possa suportar, está bem? Eu confio em você e todos nós te respeitamos. Mas por favor, não faça nada precipitado.

    — Tudo bem, Lilac. Eu farei o meu melhor... – Disse Viktor, já um pouco mais calmo.

    —Muito bem... Agora gostaria que apertassem suas mãos. Nós somos um time e precisamos estar Unidos para o sucesso dessa missão.

    Os dois jovens lutadores então se aproximaram, mostrando ainda em seus rostos um pouco de descontentamento, mas assim que apertaram suas mãos houve um entendimento por parte de ambos que o time era maior que desavenças.

    — Me desculpe, Viktor. Eu sei que vai fazer o seu melhor.

    — Tudo bem, Noah. Eu vou mesmo me esforçar por mim e por todos vocês.

    Com o time de volta aos eixos, se dirigiram então a um dos cantos do salão, para se concentrarem. E logo os organizadoras começam a anunciar as primeiras lutas. Como uma das regras, nenhum dos participantes poderia ver lutas dos outros times, ficando no aguardo até que fossem chamados.

    Passado um tempo depois...

    A quarta luta enfim chega. Era a vez de Lilac e seu time entrar no octógono para a sua primeira luta. E logo o locutor diz:

    — Próxima luta: Gianz Team vs Lilac Team

    O time adversário subiu a arena pelo outro lado. Era formado por:

    Huar Z, um urso lutador, que usava uma vestimenta chinesa;

    Khan, também urso, que usava uma calça preta;

    Law Lei, um abultre que usava uma vestimenta chinesa de cor preta;

    Gill Son, um porco lutador;

    Jun, uma garça, que usava como vestimenta uma calça de cor azul.

    Logo é definido pelo juiz a luta:

    — Escolham agora quem irá começar a luta. O vencedor continua no ringue.

    A ordem do time Gianz ficou da seguinte forma: Huar Z, Khan e Gill Son.

    Já no time Lilac, houve uma pequena conversa. E já sabemos quem tomou a palavra.

    — DEIXA EU IR DE PRIMEIRONA, LILAC! Deixa comigo!

    — Não. Eu vou primeiro.

    — Tá de saca, né? Pô, deixa eu ir de prima. Tô com muita vontade de lutar!

    — Não, Carol. Tudo no seu tempo. Devemos ir com cautela. Não quero correr riscos. Você é muito impulsiva.

    — Ah... Tá, mas deixa eu de segunda então.

    — Tudo bem. E Noah, você é o terceiro.

    — Tudo bem, Lilac – Disse Noah, fechando os olhos em seguida.

    A escolha do jovem não falou Viktor muito satisfeito, embora o rapaz tenha ficado calado e quieto. Mas Lilac, antes de ir até o centro do octógono, se aproximou de Victor e diz:

    — Viktor, torça por mim. Preciso de todos vocês comigo – Disse, mostrando um sorriso.

    — Tudo bem. Conte comigo! – Disse Viktor, apertando a mão de Lilac.

    Com tudo definido, a bela dragão púrpura enfim sobe até o octógono, indo até o seu centro. Lá já estava Huar Z, com seus dois punhos serrados. O urso lutador parecia mesmo concentrado para disputar uma luta épica contra a maior heroína de Avalice. Tudo estava pronto e, com o juiz, o início:

    — Lilac contra Huar Z. LUTEM!

    Como um raio, Lilac atingiu o urso lutador em cheio. A força de seu golpe foi tão forte que fez com que Huar Z disse arremessado para fora do octógono. O juiz então anuncia:

    — Huar Z foi jogado para fora da arena. A vitória é de Lilac!

    A multidão foi a loucura. Foram exatos 3.4 segundos de luta. Por ter sido um movimento extremamente rápido, o telão da arena precisou fazer repetições em câmera lenta para mostrar bem o que houve. Lilac havia utilizado sei Dragon Boost assim que o juiz anunciou o início da luta, pegando Huar Z desprevenido.

    Lilac então caminhou até onde Huar Z havia caído, enquanto ele mesmo dizia:

    — Não é possível! Eu não fiz absolutamente nada... NADA! – Disse, esmurrando o chão.

    — Ei... Você está bem? – Disse a dragão, Dev forma gentil.

    — Não... Eu não estou bem...

    — Olha, desculpe. Eu não queria... Espere. Você nem machucado está. Então o que...

    — Existem feridas que não podem ser vistas com os olhos. Parabéns pela vitória, Lilac... Prepare-se para a próxima luta...

    A dragão não recebeu muito bem as palavras de Huar Z. Tão logo, ela imaginou:

    — *O orgulho dele... eu o feri. Mas eu não posso fazer nada quanto a isso. É a nossa missão em jogo... Me per-perdoe, Huar Z...*

    No restante de sua equipe, a reação foi espontânea.

    — Nossa. Ela levou mesmo a sério! – Disse Noah, surpreso.

    — Ela não deu chances ao lutador – Disse Viktor, totalmente sem ação.

    — Essa é a Lilac que eu conheço! Direta ao ponto. Isso aí, garota! Bota pra fora tudo! Nyah! – Disse Carol, a mais animada.

    — A Lilac é mesmo forte, não é? – Disse Milla, encantada.

    Lilac estava voltando para o centro e, embora tenha vencido, não estava mostrando alegria alguma. Pelo contrário: ela estava mesmo desconfortável com o que havia ouvido de Huar Z. Até porque não foi a primeira vez que havia escutado tais palavras. 

    — *Durante a luta contra o Noah eu havia ouvido isso... Mas porque estou tendo esse sentimento? Eu preciso cumprir com a missão.*

    De volta ao centro, o juiz então anuncia a próxima luta.

    — Lilac contra Khan. LUTEM!

    O outro urso lutador então corre em direção a Lilac, desferindo diversos chutes conta a dragão, que se esquivava facilmente. Lilac sequer precisava sair do lugar: ela simplesmente se movia rápido o suficiente para não ser atingida. Khan então concentrou uma imensa bola de energia em sua mão direita, com o intuito de arremessar contra a dragão. Mas tudo isso foi em vão: Lilac, ao perceber isso, diz:

    — Não... Você não vai.

    Como um raio ela apareceu a gente do urso e, com um violento soco, anulou a bola de energia por completo. Khan, surpreso, tenta então lhe aplicar um chute, onde Lilac o bloqueia usando uma de suas mãos. E, com a outra, um de seus mais fortes golpes:

    — DRAGON SLASH!

    Um poderosíssimo gancho usando toda a extensão de seu braço é desferido no queixo de Khan, que voou para quase fora do octógono. E assim que aterrissou, por alí mesmo ficou, imóvel. O juiz foi até lá inclusive, assim como Lilac.

    — Nossa... Ele apagou... – Disse o juiz, olhando para Lilac.

    — Sério? Caramba... Eu exagerei...

    — Porque diz isso? Vocês estão lutando!  

    — Sim, mas... E agora?

    — E agora?! Ora, você precisa terminar com isso!

    — Terminar?! Mas ele está desmaiado. Eu não posso atacar alguém assim.

    — Jogue ele para fora do octógono. É uma luta de submissão.

    — O que? Jogar?! Não, isso é muito errado.

    — Então o que vai fazer? A luta não pode prosseguir até você jogar alguém para fora do octógono.

    Lilac então se aproximou de Khan, o colocando apoiado em seu ombro. Gentilmente ela deixa o octógono, indo em direção ao time adversário. Chegando lá, ela diz:

    — Olha, desculpem mesmo por isso. Eu estou mesmo lutando a sério...

    — Lilac, porque está fazendo isso? – Disse Huar Z, irritado.

    — Ora, ele desmaiou e...

    — Porque simplesmente não o jogou para fora da arena?

    — Porque isso é errado. Não estou aqui para humilhar ninguém.

    — É mesmo? E se eu te dissesse que ele, quando acordar, ficar sabendo que foi levado por você até fora do octógono? Isso sim é humilhante...

    — Mas...

    — Mas nada! Estamos aqui para lutar! Estou com meu orgulho ferido, mas faz parte. Agora esse seu gesto... NÃO ESTAMOS EM UM TREINO!

    — Mas... Mas...

    Havia algo de errado. O clima por parte de Lilac não parecia natural. Ela estava mesmo incomodada com a situação. Ainda com o mesmo sentimento, retornou ao centro do octógono, para o anúncio da próxima luta.

    — Lilac contra Gill Son. LUTEM!

    Mas aí menor do movimento do porco, Lilac diz:

    — Eu desisto da luta.

    Todos foram pegos de surpresa, inclusive o juiz, que diz:

    — Você desistir da luta? É isso?

    — Sim. Eu não quero mais lutar.

    Mas isso não caiu bem para Gill Son, que fiz:

    — O que está querendo fazer com isso, Lilac?

    — Eu não estou me sentindo bem. Não quero mais lutar.

    — O que? MAS QUE FALTA DE RESPEITO É ESSA!?

    — Hã? Mas do que...

    — EU FIQUEI ESSE TEMPO TODO ALÍ BOLANDO UM JEITO DE TE DERROTAR E VOCÊ SIMPLESMENTE DESISTE DA LUTA?

    — Nossa, mil perdões. Mas eu...

    — O que você pensa da gente? Acha que somos pobres coitados? Cadê o respeito?

    — Olha, eu não queria fazer nada pra prejudicar ninguém. Será que você não entende que eu não quero mais lutar? Não tem nada a ver com vocês!

    — Você está estragando tudo!

    — Hã? Mas...

    Sem entender, Lilac deixou o octógono, para espanto total de seu time. Carol, preocupada, diz:

    — Caraca, menina... O que tu tá fazendo? Porque deu quit rage?

    — Carol, depois conversamos. Vai lá e lute.

    — Ih tô vendo que tem coisa nessa joça aí...

    Lilian então se sentou, apoiando sua cabeça sobre suas pernas. Viktor, preocupado também, se sentiu ao seu lado, dizendo:

    — Lilac... O que aconteceu?

    — Eu não quero conversar sobre isso agora, Viktor.

    — Mas Lilac, isso que você fez... bem...

    — Eu não quero conversar sobre isso agora! – Disse, olhando nos olhos de Viktor.

    E esse olhar era diferente. Lilac estava com um semblante sério e seus olhos estavam brilhando. Milla, entendendo bem o sentimento de sua amiga, pensou:

    — *Lilac lutou usando tudo que tem. Eu sei disso porque ela está com sua técnica mais poderosa ativada: Dragon Focus*

    Dragon Focus é o poder passivo de Lilac. A dragão púrpura nesse estado tem praticamente todas as suas percepções multiplicadas por dez. Suas análises de combate são exponencialmente aumentadas, lhe dando informações precisas de cada centímetro num raio de quinhentos metros. Essa sua característica foi expandida ao máximo para compensar sua baixa audição. Sim, Lilac tem deficiência auditiva e utiliza equipamentos presos em seus chifres para lhe ajudar a ouvir.

    Como combinado antes, Carol era a próxima a entrar. E eis que o juiz anuncia:

    — Carol contra Gill Son. LUTEM!

    Carol então se colocou em base de luta, olhando para o porco. Mas logo tratou de dizer:

    — Galerinha amada *que pouco comenta* que tá lendo essa fic: tão por dentro que eu sou bem “mil grau”, né? Mas tipo, tenho um limite. Então eu não vou fazer nenhuma piadinha babaca sobre porco, tá?

    — Do que é que você está falando, gatinha? Sua amiga pode ter fugido mas eu não vou ter pena de você.

    — Ah é, maguari? Que bom então... Vem pro pau, mané!

    Gill Son não perdeu tempo e seguiu em direção a Carol, tentando golpeá-la com um soco. Mas a felina tinha mesmo habilidades Impressionantes tanto quanto Lilac. Mas o porco não parecia ser um mero falador: de fato seus golpes eram poderosos suficiente para quebrar uma rocha. Enquanto desferia socos tentando acertar Carol, ela diz:

    — E aí, curió? Vai ficar cantando no galho ou já posso fazer a festa?

    — Cale-se! Eu vou acabar com você!

    — Vai não. Sabe porque?

    E Carol quebrou a sequência de golpes de Gill Son com um poderoso soco em sua barriga, com a felina verde dizendo:

    — C-C-Combo Breaker!

    O porco foi jogado para longe com a intensidade do golpe, com Carol andando em sua direção. Ele então se levantou rapidamente, voltando a atacar Carol com um soco. Mas a gata selvagem não estava mesmo disposta a pegar leve: evento um violento chute em seu rosto, fazendo-o voar novamente para longe. Carol, um pouco irritada, diz:

    — Pô, cara... Tu só dá soco? Tem três botões de chute também na manete, sabia? Ou tu incorporou o Balrog?

    — Sua miserável... Eu vou...

    — Vai acabar comigo? Tá, tu já disse isso. Só falta fazer!

    Mas dessa vez Gill Son estava mesmo disposto a mudar o panorama da luta. O porco então começou a concentrar um imenso poder em sua mão, com uma aura branca envolvendo seu corpo. Logo ele diz:

    — LIBERTE-SE!

    — Ih, tava errada... Tu incorporou uma Card Captor. Como era a música mesmo? Ah sim...  Eu só quero... e espero...

    Entretanto, durante sua fala, Carol foi surpreendida por Gill Son, pois o porco lutador se moveu tão rápido quanto Lilac por um curto espaço de tempo, conseguindo acertar a felina em sua barriga e, dessa vez, ela quem foi arremessada para longe com a intensidade do golpe. Porém, como esperado, Carol se recuperae evita a queda, mas o soco foi mesmo sentido pé ela, que fiz:

    — Caraca... Essa doeu... Incorporou Card Captor droga nenhuma. Tá mais para o Ralf mesmo com esse socão incrivel... Putz...

    Com um sorriso no rosto, Gill Son caminhava para próximo de Carol, dizendo:

    — E então... Como você está depois de ter recebido meu golpe?

    — Quer saber de verdade? Tá doendo de verdade.

    — Haha! Se quiser pode sair gentilmente como Lilac fez. Se continuar eu vou bater mais forte.

    — Tipo, tu deve tá se achando o rei da cocada, né?

    — Como é?

    — Tu me acertou, o golpe foi bom... Parabéns. Mas tu tá falando como se já tivesse liquidado com o derby... Não, champs. Tu tá ferrado na minha mão agora!

    — Ferrado? Hahahaha! Não me faça rir! Eu analisei a luta de Lilac e descobri como derrotá-la. Eu sou Gill Son, o gigante da estratégia! Hahahaha!

    — Hã? Como é que é?

    — A única forma de vencer sua amiga é ser tão rápida como ela.

    — Nossa, tua inteligência é igual a essa gente que joga tudo no Google, né? Masters of The Obviours...

    — Está enganada! Não sou só tão rápido quanto ela como forte também! Eu sei todos os movimentos dela agora!

    — Ah tah... Entendi... Eu entendi muito bem o que você quis dizer. Faz uma coisa agora: me ataca pra eu fazer meu discurso também. Vai lá.

    — Com muito prazer!

    Gill Son novamente concentra sua poderes e parte com tudo posts cima de Carol quase tão rápido quanto Lilac. Em segundos ele estava prestes a atingir Carol, que sequer teve tempo de se colocar em base de luta. O porco, confiante, pensou:

    — *Hahaha! Eu sabia. Eu estava certo. Essa estratégia seria mais efetiva com a Lilac, mas com a Carol está sendo bem melhor. Estamos com muita sorte. Vamos virar esse resultado e...*

    E no momento que iria acertar o repouso de Carol, ela se esquiva no último segundo, surpreendendo o porco. E num super contra ataque, Carol executou sei for mais forte:

    — WILD KICK!

    Incontáveis chutes são desferidos contra Gill Son, que recebia todos os golpes sem chance alguma de defesa. Carol não estava mesmo poupando suas forças mas, embora poderosos, era visível que a felina verde não usou de toda sua força. Com tantos golpes recebidos, o porco perdeu praticamente todas as suas formas, indo ao chão, bastante fraco. Ele, tentando se manter acordado, diz:

    — Mas como... Eu... Eu estava tão rápido quanto... Lilac...

    Carol então se aproximou de Gill Son, dizendo:

    — Aí, cara... Tu lutou bem... Mas tem um lance que tu não levou em consideração.

    — O que?

    — Eu treino com a Lilac todo dia. E tipo, a gente não pega leve com a outra não. É tudo trocação a vera, saca? Então... Eu consigo acompanhar os movimentos dela de boíssima.

    — Não pode ser...

    — E outra: ela suporta golpes muito mais fortes que esse que te atingi. Então fica sussa aí e não fica triste, tá? Tu é fenomenal também.

    Gill Son havia sido derrotado, ele tinha ciência disso. Como não haveria como voltar para a luta, tomou uma atitude:

    — Você é mesmo mais forte que eu... Desisto.

    E o juiz logo informa:

    — Gill Son desistiu o combate! Resultado 3 a 1. Time Lilac é o vencedor!

    A torcida estava mesmo inflada, aplaudindo e vibrando com a vitória de Carol. A felina era só alegria, pulando e sinalizando para a platéia. Mas sobrou humildade, com ela ajudando Gill Son a se levantar. O porco agradeceu a gentileza, mas tratou de dizer:

    — Carol, você realmente entendeu o espírito de participar desse torneio...

    — Hã? Porque tu tá dizendo isso, champs?

    — Lilac não tem esse seu sentimento.

    — Ah... Bem... Tipo, eu vou trocar umas ideia com ela pra ver isso.

    — Tudo bem... E boa sorte pra vocês...

    A vitória na primeira luta havia acontecido, mas não do jeito esperado.

    Minutos depois...

    Já com todos terem retornado para dentro das dependências da arena, Carol foi a atenção. Viktor a cumprimentou, com Milla e Noah fazendo o mesmo. Mas Lilac estava afastada, com uma toalha na cabeça. A felina, percebendo isso, diz:

    — Lilac...

    — O que, Carol?

    — Garota, o que aconteceu com você? Porque tu agiu daquela forma? Pô, o Geinz Team só tem gente boa...

    — Carol, será que você não consegue perceber a seriedade da situação?

    — Como assim?

    — Temos mesmo que vencer esse torneio, mas não me agrada nem um pouco machucar gente inocente.

    — Gente inocente? Bonita, essa gente veio aqui pra ver sangue e ossos quebrados!

    — Não! Você veio pra isso! Eles não tem nada a ver com isso!

    — Hã? Lilac, do que tu tá falando?

    — Eu estou lutando mesmo a sério, a nível de missão. Só que eu tenho que ter o cuidado de não machucar ninguém seriamente. Mas você só está aqui pela diversão.

    — Caraca, Lilac... É um torneio de luta! O que tu quer? Que eu comece a distribuir flores e beijos?

    — Carol!

    Logo o locutor anuncia a segunda rodada da primeira fase, informando aos times restantes que em breve lutaram. Não demora muito e o número de tintas diminuía, restando a última luta da segunda rodada ao time Lilac.

    Momentos depois...

    Já com todos a arena, o locutor diz:

    — Próxima luta da segunda rodada da primeira fase: Team Lilac versus Team Kriz

    O time era composto unicamente pela raça escamosa dos lagartos desérticos, uma região bastante afastada dos grandes centros. Seus membros eram:

    Kriz Zard, um lagarto azul que usava um turbante e uma calça, a exemplo dos demais;

    Kzas Zard, um largado azul marinho;

    Krays Zard, uma lagarto de cor púrpura;

    Krouzer Zard, um enorme lagarto de cor preta;

    Krizar Zard, um jovem lagarto cinza.

    Lilac então chamou a todos para uma breve conversa. Logo ela diz:

    — Carol, dessa vez você começa.

    — Aí sim! Beleza, mommy! Deixa comigo!

    — Noah, você será o segundo.

    — Tudo bem, Lilac – Disse Noah, sendo olhado de longe por Viktor.

    — Que bom. Eu fico como a terceira. E Carol...

    — Sim? – Disse a gata, subindo ao octógono.

    — Termine logo com a luta. Essa gente não tem nada...

    — Ah começou você com esse papo chato... Ah Lilac, deixa a gente curtir o momento...

    — Carol!

    — Tá bem... Que saco...

    Carol então seguiu até o centro. E, enquanto isso, Viktor dou até Lilac, dizendo:

    — Lilac...

    — Sim, Viktor.

    — Algo me diz que você não está se divertindo.

    — Viktor, temos uma missão. Eu estou fazendo um esforço tremendo para tentar informá-los disso.

    — Eu entendo que você queira a vitória sempre, mas...

    — Mas o que?

    — Desde o dia que te conheci eu não tinha visto esse seu lado.

    — O que quer dizer com isso?

    — Você está levando isso muito a sério.

    — É claro, Viktor! Pessoas podem correr perigo com o que a The Red Scarves podem fazer a Analice. Por isso minha preocupação. E esses lutadores não tem nada a ver com isso...

    — Me desculpe, mas você está errada em pensar assim.

    — O que?

    — Estamos em um torneio de artes marciais. Quem está aqui espera ou bater ou apanhar. Por isso o Geinz Team ficou chateado com você.

    — Viktor, por favor... Temos mesmo que cumprir com a missão.

    — E iremos. Eu só não entendo porque você leva a vida tão a sério assim.

    Lilac entendeu bem o que o jovem quis dizer, ficando um tempo calada. Engolindo seco em seguida, a bela dragão púrpura se virou para Viktor e, surpreendendo o rapaz, o abraçou, dizendo:

    — Muito obrigada, Viktor...

    — Hã? Mas...

    — Eu entendi... E entenda: eu não sou essa pessoa que você imagina. Eu sou a Lilac que você conheceu naquela floresta, tudo bem? Hehe...

    — Nossa, era exatamente o que eu queria ouvir...

    — Escute, eu estou mesmo sendo uma chata insistindo para que vocês levem a sério, mas quero que fique claro que eu vou tentar me divertir dessa vez... E o que me deixa muito feliz é saber que você se preocupou comigo.

    — Isso! Era Exatamente isso que eu queria ouvir! Obrigado Lilac!

    Se por um instante todos pensavam que Lilac tinha abandonado sua personalidade gentil, era só um pequeno engano. A dragão continuava a mesma, porém seu dever estava fazendo-a esquecer que existia um festejo por trás da missão. E manter seus aliados motivados era o papel de um lugar que só ela poderia ser. Resolvido isso, todos deram atenção a Carol, que estava no centro. Logo o juiz anuncia:

    — Disputa de melhor de três. Carol contra Kriz Zard. LUTEM!

    Kriz Zard era o mais poderoso entre os guerreiros das terras tensas do deserto ao norte de Avalice. Por viverem em um lugar bastante quente, tinham por natureza resistência a raios ultravioleta e a extremo calor. E eram excelente no combate corpo a corpo, que também era especialidade de Carol. Com ela já em sua base de luta, Kriz Zard diz:

    — Vocêsss deveriam ter bassstante cuidado em quererem boa desafiar...

    — Sério? Cara, tô boba...

    — Vai lamentar por seu atrevimento, peluda...

    — Ih.. ó o cara! Beleza, sanduíche-iche! Bring on!

    Kriz Zard se moveu em direção a Carol de uma forma bem diferente. Ao invés de correr em linha reta, começou a serpentinar, causando estranheza em Carol, que pensou:

    — *Esse cara aí é ligeiro, rápido... virado na desgraça. Tá muito estranho... Essa gente do deserto é tudo sinistra...*

    E do nada, surpreendendo Carol, Kriz Zard sumiu a sua frente. Ela, incrédula, diz:

    — Caraca... O lagartão aí tomou chá de sumiço!

    Muita apreensão por parte de Carol, que pena para todos os lados e não encontrava sei adversário. Até mesmo o árbitro achou estranho, olhando para os fiscais que estavam no lado de fora da arena. Entretanto, a voz de Kriz Zard é ouvida.

    — Supreme blow of the desert people: HAMMER OF THE SUN!

    Carol é atingida totalmente por um estrondoso soco, onde Kriz Zard apareceu a sua frente com seu punho brilhando como o sol, chegando a ofuscar quem estava por alí. O golpe foi poderosíssimo, fazendo com que a gata selvagem fosse jogada para quase fora da arena. Mas mesmo o golpe tendo sido bem forte, Carol se levantou logo em seguida, porém não conseguiu ver Kriz Zard. Noah, que acompanhava a luta, diz:

    — O povo do deserto... Eles tem a arte da camuflagem.

    — Hã? Camuflagem? – Disse Milla, olhando postura Noah

    — Sim. Eles conseguem se esconder bem diante de seus olhos. É uma coisa natural deles.

    — Mas se ele se escondeu eu conseguiria sentir o seu cheiro. Como é que eu não consigo?

    — Eles conseguem camuflar até o cheiro.

    — O que? Mas... Como é que pode isso? Existem lagartos que usam suas escamas para fugirem, mas... – Disse Viktor, surpreso.

    — Você se engana, Viktor. O povo do deserto de Avalice conseguem deixar sem rastros qualquer presença deles em qualquer lugar. Carol deve estar confusa pois não consegue ver nada, bem ouvir, tampouco sentir.

    — Não... Não pode ser... *Nossa, realmente estou em um lugar que todos os seres tem algo especial. Tenho mesmo que ficar preocupado, pois eu conheço pouco daqui. Eu estou em enorme desvantagem...*

    Voltando ao octógono, Carol tentava encontrar Kriz Zard, pensando:

    — *Esse mané covarde tá usando essa técnica pra me pegar desprevenida... O que eu faço, caraca?*

    E como demorou muito para decidir, Carol foi novamente castigada com um fortíssimo golpe, o que fez com que quase tivesse caído do octógono. Por sorte conseguiu uma manobra arrojada, usando de seus dotes felinos para cair de pé. Embora estivesse salva, os golpes do lagarto azul lhe causaram danos.

    — *Cara, cadê o mané? Não é possível que ele tenha sumido assim do nada... Calma, Carol. Pensa... Pensa bem... Se tu tem um escamoso que fica invisível o que tu deve fazer? Resposta: deixar ele visível... Grande gênio. E agora como fazer isso? Espera... Já sei!*

    E Carol logo foi para o meio do lugar, ficando parada com a guarda baixa. Ela, meio que provocando, diz:

    — Nossa, esses seus golpes são tão fracos. Tô de boa aqui, de braço cruzado na esquina... Será que vou ser atingida outra vez pelo homem invisível do Chapolin?

    E mais uma vez a gata selvagem é batingida em cheio, com um golpe ainda mais forte. O dano com certeza foi maior dessa vez, mas Carol parecia diferente. Num lance de extrema rapidez, Carol retirou seu lenço do pescoço e o enrolou no braço que Kriz Zard executou sei golpe, e também enrolou no seu braço esquerdo. Embora o lagarto azul estivesse ainda invisível, Carol estava ligado a ele dessa vez. Ela, ainda sentindo o golpe e com um sorriso no rosto, diz:

    — Hora de te esmurrar até abrir um buraco no meio!

    Carol, sem pena, começou a desferir inúmeros socos em todo o corpo invisível de Kriz Zard, que não conseguia se defender. No fim, Carol executou novamente seu golpe mais poderoso:

    — Agora segura, Fátima! WILD KICK!

    Sucessivos chutes fizeram em segundos o corpo invisível de Kriz Zard ficar visível. A fúria de Carol foi tanta que ela até esqueceu que era um torneio de submissão e que não adiantaria continuar agredindo Kriz, que já havia desacordado.

    — Ih rapaz... Caraca... Ei, Kriz?! Cara, tu tá bem?

    O lagarto, tonto de tanto apanhar, diz:

    — Hã? Eu... O que... Masss... O... Bem...

    — Tá bom. Chega. Já perdeu a graça.

    Carol então o jogou para fora da arena, trazendo assim a primeira vitória da segunda rodada. O juiz logo informa:

    — Kriz Zard foi jogado para fora da arena. A vitória é de Carol!

    — Haha! Paz e amor, Kriz! Tu lutou bem, mas minha sagacidade é firmeza! Nyah! :3

    As arquibancadas lotadas da Shang Mu Arena quase vieram ao chão. Uma vitória incrível, com uma reviravolta inesperada. Carol conseguiu uma vitória depois de uma luta bem difícil. Seus aliados comemoraram junto a ela por fora do octógono, mostrando que de fato o teve estava unido.

    Bem, resumindo bem a segunda rodada, Kriz Zard era o oponente mais poderoso. Sabendo disso, Carol não teve problemas em derrotar Krays Zard, onde a jovem lagarto púrpura sequer encostou na gata selvagem indomável. E na terceira luta, krouzer Zard era só tamanho: Carol o derrotou o arremessando para fora da arena depois de golpes em sua cabeça. Ou seja, o brutamontes tinha queixo de vidro. E era fato que Carol e Lilac destoavam dos demais oponentes enfrentados até agora. Só assim podemos entender bem o porquê da bela dragão púrpura não estar tão contente em participar do torneio usando força máxima: os presentes ali eram anônimos que estavam participando do torneio por amor as artes marciais. Mas eles não se importavam em terem sido derrotados: estavam de fato se divertindo. Lilac só percebeu isso depois das palavras sinceras de Viktor, mas manteve a mesma seriedade de cumprir com a missão.

    Minutos depois...

    Novamente mas dependências da arena, restavam agora quatro equipes. De oitenta lutadores, agora tínhamos vinte. Lilac logo tratou de reunir o time para conversar:

    — Muito bem, pessoal... Até agora pode ter sido fácil, mas...

    — Fácil? Bonita, o Kriz Zard deu trabalho, tá? O cara luta bem e gente fina a beça!

    — Tudo bem, Carol. Mas mesmo assim, vive venceu os três.

    — Sim, mas...

    — Lilac, vocês são mesmo muito fortes. Só vocês duas lutaram e já foi o suficiente – Disse Noah, um pouco tenso.

    — Sim, Noah. Mas a próxima fase será mais difícil.

    — E porque diz isso, Lilac? – Perguntou Viktor.

    — Dessa vez a disputa será um contra um.

    — Como assim, Lilac? – Disse Milla, confusa.

    — Continua no sistema de melhor de três, mas cada um terra de lutar contra um oponente.

    — Isso quer dizer que um do nosso grupo vai lutar contra um do outro grupo, é isso? – Perguntou Noah.

    — Exatamente. Ou seja, além de mim e Carol, vocês também terão que lutar caso uma de nós perca a luta. Precisamos de três vitórias do mesmo jeito, então eu já vou definir qual a ordem.

    E Lilac pegou um papel e começou a escrever:

    Primeiro lutador: Lilac

    Segundo lutador: Carol

    Terceiro lutador: Milla

    Quarto lutador: Noah

    Quinto lutador: Viktor

    Depois da bela dragão definir a ordem, não demorou para que Viktor novamente se manifestasse.

    — Lilac, porque eu sou o último?

    — Viktor, nos precisamos que você feche a série. Nós iremos tentar garantir as primeiras duas pra aí sim um de vocês garantirem boa classificação. Quando menos nós tivermos fôlego, mais perto do nosso objetivo estaremos.

    — E porque eu não sou pelo menos o terceiro? Lilac, eu quero lutar!

    Mas Noah não perdeu tempo também, entendo na conversa:

    — Sério, Viktor? Uma notícia: eu também quero.

    — Isso não tem nada a ver com você, Noah. Só estou dizendo que...

    — Cara, pela segunda vez você vem chorar pedindo pra lutar. Lilac só quer te proteger e...

    — Hã? Me proteger?

    — Noah, não... Não diga isso, por favor... – Disse Lilac, tentando retirar o jovem albino de perto de Viktor.

    — Cara, será que você não vê isso? Estamos tentando preservar você – Insistiu Noah.

    — Espera, deixa ver se eu entendi bem: vocês estão meio que evitando que eu lute? É isso?

    — Viktor, eu... Bem, eu não quero que você se machuque – Disse Lilac, um pouco sem jeito.

    — Lilac... Nossa... Isso doeu...

    — Espere, não é o que você está pensando...

    — Eu faço parte do time, Lilac. Eu sei lutar...

    — Eu sei disso, mas..

    — Mas o que? Eu sou um estorvo aqui? Só estou cumprindo tabela? – Disse Viktor, um pouco triste.

    — Não. Nunca diria isso. Mas eu não quero que você se envolva tanto assim nos nossos assuntos. Tudo que você tem feito pela gente até hoje foi de muito agrado. Então, por favor, não pense mal de mim, Viktor. Só quero o seu bem. E me desculpe se te magoei.

    Mas Viktor sentiu o golpe. Ser colocado como quinto membro causou um pouco de desânimo, fazendo com que o jovem ficar e mais distante, se sentando afastado dos demais. Lilac percebeu isso, a exemplo dos demais. Milla, que também se sentiu mal com o ocorrido, foi então até o jovem humano, dizendo:

    — Viktorius, porque está longe da gente? 

    — Milla, só quero ficar sozinho.

    — Não... Você não tem que ficar sozinho.

    — Eu preciso, Milla. Eu...

    — NÃO! – Gritou Milla.

    — Milla...

    — E daí que você é o quinto integrante? Você não fica de ser do nosso time. Você é importante pra todos nós! Eu gosto da sua presença e as garotas também! Então não fica triste com isso! Somos o Team Lilac e juntos vamos vencer!

    — Milla, você...

    — Eu te vi lutando. Você é forte, Viktorius. A Lilac só está fazendo o papel de líder dela. Não tem nada a ver com você... Então venha... Fica perto da gente... – Disse Milla, estendendo sua mão para o jovem.

    E de fato isso foi uma atitude inesperada. A pequena canina tinha mesmo renovado a confiança de Viktor, o colocando de vez integrado a equipe. Novamente juntos, Lilac esboçou um sorriso tão contagiante ao ver Viktor retornando e voltou a abraçá-lo, feliz por ter aceitado. O jovem retribuiu o carinho, a abraçando de volta. Novamente o time estava unido.

    Porém tudo iria mudar a partir de agora.

    Salão principal da Shang Mu Arena, sala de publicidade.

    Os times semifinalistas do torneio estavam todos reunidos para fazerem pôsteres para venda. Mayor Zao havia pensado em tudo: o público logo lotou as lojas de suvenires para comprar os novos artigos para venda. E a maioria só tinha olhos para os pôsteres de Carol, pois a felina fez mesmo sucesso com sua última luta.

    Sabendo disso, uma turma de fotógrafos foram até onde o Team Lilac estava reunido e um deles, um canino, diz:

    — Olá. Gostaríamos de tirarmos fotos de vocês duas.

    — Hã? De euzinha e da Lilac? Demorou! – Disse Carol, puxando sua amiga.

    — Carol, a próxima luta já vai começar. Temos que ir para junto dos..

    — Senhorita, é só um ato parte a posteridade. Não iremos demorar. E ainda teremos um coquetel de frutas e sucos só pra vocês – Disse o fotógrafo.

    — Tudo bem, mas porque só de nós duas? Nosso time é formado por cinco integrantes.

    — Porque nós só podemos tirar fotos de quem lutou. E do seu time só vocês duas fizeram isso.

    — Faz sentido. Tudo bem, mas não podemos demorar.

    — Claro! Vamos, temos uma sala especial do próprio monarca.

    — Lilac, isso vai ser demais! Vamo estar em todos os lugares de Avalice depois de hoje!

    Dito e feito, Carol e Lilac seguem junto com os fotógrafos até o interior da arena.

    Enquanto isso...

    Arena do torneio, minutos antes da semifinal.

    Já estava quase na hora. Noah havia entregue ao fiscal a relação da ordem de lutadores. Logo é divulgada a ordem completa de lutadores. E para surpresa de Viktor, um dos participantes do outro time se aproxima dele: era o jovem Sheng Zian, que diz:

    — Então é assim. Nosso destino era boa encontrarmos na semifinal.

    — Sheng?! Você faz parte do...

    — Sim, sou um dos integrantes do Omna Team.

    — Nossa, por essa eu não esperava...

    — Te levaram mesmo nas costas bem longe, não? Só assim mesmo...

    — Cara, você está me irritando falando assim.

    — Haha! Calma. Só estou te provocando. Faz parte do jogo, mas não quero seu mal.

    — Tudo bem, mas acho melhor parar. Isso já está ficando chato.

    — Desculpe. Bem, logo isso anunciar o início. Boa sorte.

    E a relação de lutadores é anunciava pelo locutor:

    — E vamos para a segunda fase do torneio. E com vocês o locutor oficial, Brian O'Bryan!

    Brian O’Bryan era o urso pardo mal encarado que fez a abertura do torneio. E ele, a partir de agora, será o locutor das lutas consecutivas. E sem delongas, ele toma a palavra.

    — E AÍ GALERA DO TORMENTA! EU QUERO OUVIR TODOS VOCÊS!

    A multidão quase colocou abaixo o lugar tamanha era a empolgação de ouvir a voz de Brian, que continuou:

    — AOS COMBATENTES QUE AGORA ESTÃO ASSISTINDO AO TORNEIO... MUITO OBRIGADO POR TEM LUTADO COM GARRA! MAS EU SÓ QUE VOCÊS NÃO VÃO EMBORA...

    NÃO! VOCÊS NÃO VÃO!

    VOCÊS QUEREM VER SANGUE E OSSOS QUEBRADOS QUE EU SEI!

    ENTÃO É COM MUITA HONRA QUE EU TRAGO A VOCÊS AS SEMIFINAIS DO TORMENTA!

    E AGORA VAMOS PARA A PRIMEIRA LUTA DESSA SEMIFINAL!

    Ele, depois de tomar fôlego, começa a dizer a ordem das lutas.

    — Muito bem... Team Lilac e Team Omna, agora é com vocês. A ordem será:

    Primeira luta: Lilac vs Joshy

    Segunda luta: Carol vs Tats

    Terceira luta: Milla vs Pawa

    Quarta luta: Noah vs Ingris

    Quinta luta: Viktor vs Sheng

    Essa luta está em melhor de três, um contra um. O time que vencer três vezes será um dos finalistas. Preparem-se!

    Com o anúncio, logo todos começam a ser preparar para a luta. Porém Viktor se coloca em uma dúvida:

    — Cadê a Lilac? E Carol?

    — Eu não sei. Elas já estavam vindo... – Disse Noah, preocupado.

    — Será que aconteceu alguma coisa? – Disse Milla, olhando para Viktor.

    — Está estranho. Carol numa que iria perder de ver esse cara locutor aí super animado. Acho melhor eu ir preocupar... – Disse Viktor, sendo impedido por Noah.

    — Não! Fique aqui. Vai que elas voltam e...

    — É, tem isso... Vamos confiar.

    Enquanto isso...

    Carol e Lilac estavam se esbaldando mas poses estilosas que ambas faziam para os fotógrafos. Várias fotos das duas foram tiradas, de uma forma bem espontânea e bela. Lilian estava mesmo se divertindo. Como gostava mesmo de tirar fotos, a bela dragão era vaidosa, até dando sugestões de quarta fotos ficaram mesmo boas. Carol adorou o momento também, posando como a badgirl que sempre foi.

    — Ufa... Caraca, foi muito massa isso! Já é!

    — Sim, foi ótimo. Adorei cada momento. Vocês são ótimos fotógrafos.

    — Obrigado, senhoritas. Temos agora que tirarmos mais... – Disse umdis fotógrafos.

    — Sinto muito, mas vai ter que ficar pra depois. Nós temos uma luta a fazer e... – Disse Lilac, se despedindo.

    — Hã? Mas dá tempo. É por uma boa causa.

    — Desculpe, mas meu time deve estar preocupado. Sentimos muito, mas se quiserem, depois podemos voltar e...

    — Que pena. Mas só uma foto mais... Ah, não se esqueça de beber seu suco.

    — Ora, é verdade. Estou com sede mesmo. E você, Carol?

    — Não, tô de boa. Não gosto de beber antes de lutar...

    Lilac então pegou um refrescante copo de suco de maçã. E parecia estar mesmo uma delícia, tanto que a dragão bebeu dois. Assim que terminou, Lilac diz:

    — Bem, foi um prazer mas precisamos ir...

    E assim que Lilac ousou ir em direção a porta, eis que vários trincos se ativam, fechando a porta totalmente. E, a exemplo da porta, todas as janelas são vedadas por placas de ferro. A dragão, junto com dia amiga felina logo botam que ajudo estava errado.

    — Muito bem... Abrem essa porta.

    — Sinto dizer, mas não poderemos.

    — Hã? Mas o que...

    Logo todos os fotógrafos retirar duas roupas. Eram na verdade membros da The Red Scarves. Além deles, que eram cinco no tudo, mais uma densa dentes aparecem, fortemente armários com kunais, espadas, e correntes. Carol sabia que estavam pressas e que teriam de lutar.

    — Lilac, esses caras sujos tão querendo prender a gente aqui. Mas são tudo um bando de pé sujo que não tem o minino de chance com... LILAC?! – Disse, olhando para sua amiga.

    O terror nos olhos de Carol era compreensível: Luan havia desmaiado, virando presa fácil para os ninjas. Carol logo seguir até sua amiga, para saber o que aconteceu.

    — Lilac!? Lilac?! ACORDA!

    Enquanto isso...

    Já se passaram quase vinte minutos de atraso. Nenhum sinal de Lilac e Carol. Os fiscais logo se aproximam do juiz, para dar um parecer. Logo a decisão é dita:

    — Como Lilac e Carol não apareceram e o time está desfalcado nas lutas iniciais, chegamos a uma decisão.

    Viktor, desesperado, foi até o juiz, dizendo:

    — Calma! Antes que tomem uma decisão dessas, esperem mais uma minutos. Eu sei que elas irão aparecer!

    — Saia da arena, Viktor. Boa já chegamos a uma decisão. Lilac e Carol já estão desclassificadas para essa semifinal.

    — O QUE? NÃO... VOCÊS NÃO PODEM ESTAR FALANDO SÉRIO...

    — Isso é um absurdo! Tem algo errado! Vocês precisam apurar isso! – Disse Noah, também bastante nervoso.

    — Essa não... O que vai acontecer agora?

    E o juiz completou:

    — O Team Omna, por desclassificação de Lilac e Carol, ganhou duas vitórias. O placar é Team Omna 2 e 0 Team Lilac. Os participantes restantes podem lutar.

    — Minha nossa... Noah... – Disse Viktor, olhando para o jovem albino.

    — Não tem pra onde fugir... – Disse Noah, bastante preocupado.

    — Agora... é com a gente – Disse Milla, atônita.

    E esse era o fato. O time de Lilac foi vítima de uma armadilha. A única forma de prosseguirem para a final era vencendo todas as lutas. Só que sem Lilac e Carol...

    Agora é vencer ou vencer.

    Continua


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!