MAKTUB

Tempo estimado de leitura: 9 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 39

    Linha da vida

    Adultério, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

    Muitas coisas passam desapercebidas em nossas vidas

    Ela nem se quer se atentou ao fato que a voltas no estômago, as náuseas e sensações de mal-estar não eram devido ao ato leviano entre seu marido e sua amiga.

    Era por aquilo que levava em seu ventre.

    Aquilo que mais desejou, que mais almejou e passou batido quando o mundo caiu sobre sua cabeça.

    Estava tão absorta naquilo que vivia, em sair e fugir para o mais longe de tudo que mal se atentou para os sintomas.

    Foi ela, sua mestra quem chamou sua atenção.

    O chakra oscilando, a ruptura do mesmo enquanto estava curando alguém pelo caminho, o cansaço...

    Ela mesma acreditava ser devido ao trauma, jamais uniria os elos, pois ele já não fazia mais parte dela

    Ela já não queria mais nada dele

    E depois de tantos negativos, de tantas vezes seu corpo recusando conceber uma semente de Sasuke...

    —Você está grávida!

    Tsunade foi clara e direta.

    Ficou muda, estática.

    Diante da falta de atitude da discípula foi a Senju quem a tomou

    —Vamos voltar

    —Não!

    Os olhos castanhos da mestra foram inquisitivos sobre os da rosada

    —Eu não vou voltar

    —Sakura, você não pode sair viajando por aí nesse estado, é perigoso, temos que voltar para vila, temos que contar ao Sasuke que ele terá um filho...

    Mas a cerejeira não permitiu que a mestra continuasse

    —Sasuke não tem direito algum sobre essa criança Shishou! Ele já tem o filho dele com a Ino, esse filho é meu!

    Levou as mãos sobre os cabelos e suspirou fechando os orbes verdes

    —Eu não vou voltar pra lá Tsunade...

    As lágrimas começaram a verter

    —Não me peça pra vivenciar aquilo

    Soltou em um murmúrio

    Abriu os olhos novamente quando sentiu os braços da Senju a envolverem

    —Tudo bem, está tudo bem, nós daremos um jeito.

    —Tsunade.

    Sakura a mirou com o olhar certeiro e brilhando devido as lágrimas

    —Ninguém deve saber

    Ela mal dava sinais da gestação, estando ao lado da mestra, os sintomas eram aplacados com mais veemência, Tsunade zelou e cuidou dela nos primeiros meses, até que percebeu que Sakura não iria parar

    Ela iria realmente para longe

    Muito longe

    E foi numa dessas andanças que o encontraram.

    Estava prestando serviços a uma pequena vila remota no País do Chá

    Elas estavam indo, já ele...

    Estava voltando

    Sai percebeu ter encontrado alguma coisa nesse tempo que passou longe

    E nesse momento pareceu arrancar pouco a pouco isso dele, a medida que ia lhe narrando o desenrolar dos fatos.

    Ali Sakura percebeu que se Sai havia abandonado Ino antes por não conseguir sentir nada, isso já não era mais verdade, havia descoberto algo, havia despertado... e estava voltando para a Folha.

    Assim que terminou sentiu todo o peso de suas palavras no rosto do ex companheiro e aquilo lhe doeu.

    —Que motivo eu tenho agora?

     Sai a questionou

    —Eu...sinto, eu quero e, e...

    O moreno não encontrava as palavras

    Então ali no meio de uma estrada no meio do nada prometeu a ele que ambos se ajudariam a superar, que quando seu destino se abrisse para ela traria o amigo para junto de si.

    E assim ela o fez, assim que Kakashi se foi ela os trouxe para próximo, todos eles, Tsunade, seus pais e ele, Sai.

    Ele veio como uma força a mais para a proteção de Dohã, mas não qualquer proteção, a do Emir.

    Então ela lhe deu um motivo

    —Protegeria o que me é mais precioso?

    Questionou ao amigo.

    Sai nunca mais pisou em Konoha

    Sai trabalharia para as forças do médio oriente

    O médio oriente...

    Não foi fácil esconder a barriga a princípio, mesmo não tendo muito volume era claro seu estado.

    Tsunade apenas ficou mais tranquila quando viu como ela conseguiu adaptar bem as técnicas Iryō-nin ao estado ao qual se encontrava.

    Nada a faria parar, nada a faria deixar de ir até se destino.

    Talvez olhando para trás percebesse o quão louco e assustador foi atravessar lugares longes e remotos estando sozinha e grávida. A maioria das pessoas sequer a questionava sobre sua situação e quando alguém perguntava a resposta era a mesma, o pai estava morto.

    E estava, ao menos havia o matado dentro de si

    As coisas realmente melhoram quando se juntou ao grupo de Tuaregues

    Lá sim se sentiu  incluída e se o destino não tivesse lhe pregado aquela peça, não tivesse colocado o casal de traidores em seu caminho, talvez estivesse nas caravanas até hoje.

    Teria uma vida bem direfente

    Eles cuidavam dela e ela os cuidava em retribuição.

    As roupas largas e escuras do deserto cobertas de camadas de tecidos eram perfeitas para ocultar seu estado.

    Principalmente em Dohã.

    Dohã...seu paraíso perdido e condenado.

    Foi lá aonde estava sua salvação

    Foi lá aonde se reencontrou e se descobriu capaz de se refazer

    E refazer os pedaços soltos de seu coração

    No inicio teve receio dele por perto, apesar de seu ato heroico ela ainda era uma mulher.

    Uma mulher grávida e que mesmo sendo ninja estava em uma nação estrangeira onde pouco ou quase nunca se ouvira falar sobre aquilo.

    Mas para ele era como um gênio

    Um ser mágico e místico

    Ele sabia que ela estava grávida, percebeu assim que retirou o excesso de tecidos, e ele sabia que o filho era do ex marido traidor.

    Sabia pois ela lhe contou toda a história

    Mas a gravidez não se tornou um empecilho para o trato entre os dois, era apenas mais um detalhe que fazia parte dela

    E se fazia parte dela era bom pois tudo que a compunha era perfeito aos seus olhos.

    E então Sakura descobriu que existiam sim outras formas de amor

    Um amor sem cobranças

    Um amor livre

    O queria, bem lá no fundo ela o desejou e sentia como se um imã o atraísse até ela.

    Mas era uma estrangeira grávida, ele estava sendo apenas benevolente em aceita-la ali

    Foi então que aconteceu

    E foi sobre o trotar do camelo

    Zayn pôde apreciar o contato com as melenas cor de rosa e o aroma que elas soltavam

    Então ele levou uma mão ao seu baixo ventre e a apertou mais para si deixando uma leve caricia no local.

    Era a primeira vez que estavam tão próximos.

    Foi a primeira vez que Zayn sentiu Samir em seu ventre

    Foi a primeira vez que Samir reconhecia o pai

    Era loucura, era totalmente insano tudo aquilo...

    Girou levemente o rosto para trás e o encontrou a admirando

    Subiu a mão do abdômen proeminente após o leve remexer da criança lá dentro e a levou até o rosto fino, Sakura deixou escapar um suspiro leve

    Não deveria estar sentindo algo como aquilo, não mais, nunca mais...

    Mas quando percebeu a respiração próxima aos poucos se misturando com a sua, chamando pela sua rompeu a última barreira.

    E ele a venceu, superando todas elas, uma a uma...

    Mesmo com o tempo passado juntos, mesmo com a troca de carícias, mesmo com a intimidade que já compartilhavam, ele não ia além.

    O respeito que demonstrava por ela e por seu corpo a tocavam e entendeu que se estivesse realmente apaixonava novamente, valia a pena ser por ele.

    Foi enquanto se trocava, sozinha no templo que o irmão mais jovem apareceu

    Estava apenas com as roupas debaixo terminando de se vestir, distraída e virada para o interior do templo, passava as peças típicas do deserto pelo seu corpo até que se virou e encontrou os olhos a espreitando.

    Ele a mirou, de cima abaixo e estreitou os olhos.

    Amin viu perfeitamente todo o volume de sua barriga proeminente

    A sucessão de fatos foi uma grande confusão no fim das contas.

    Jamais tencionou acertar seu futuro cunhado, foi o reflexo, algo impensado.

    Quando os dois se retiraram para conversarem as sós pensou em ir lá fora pedir desculpas pelo golpe, Zayn não havia falado que tinha um irmão, mas desistiu ao ouvir as vozes exaltadas.

    —madha tafeal mae tilk almar'at hna? (o que está fazendo com aquela mulher?)

    —'anqadhatha, nahn nabqaa huna lifatrat min alwaqt hataa nuqarir 'iilaa 'ayn nahn dhahbwn

    (eu a resgatei, estamos ficando aqui por um tempo até decidir para onde iremos)

    —hal 'ant majnun hi haml! (você é maluco? ela está grávida!)

    — hi alty tawaqaeatuha daymana (é ela, a que eu sempre esperei)

    — yumkinuk faqat 'an takun majnun ... (você só pode estar louco...)

    — 'ahabaha , 'ahabuha tmamana , sa'uhib altifl aldhy tahmiluh aydana , li'anaha juz' minha. (Eu amo, amo por completo e amarei o filho que ela carrega também porque faz parte dela.)

    Amin suspirou pesadamente

    — 'ant halim (você é um sonhador)

    Zayn sorriu abertamente para o irmão

    — almadinat fi halat min alfawdaa , kula shay' 'aswa , hnak 'unas yatajamaeun ... laqad han alwaqt , falanahajim alhukuma!

    (a cidade está um caos, tudo está pior, tem pessoas se reunindo...chegou a hora, vamos atacar o governo!)

    Zayn não sabia se queria liderar aquela revolta

    Então olhou para trás, olhou para o templo de pedra

    Olhou para onde Sakura estava

    — sawf yatabieunak 'aynama dhahabat! (eles o seguirão aonde for!)

    Voltou os olhos para o irmão, havia tomado sua decisão

    Com ela, ele iria a qualquer lugar.

    E a partir daquele dia a vida de toda uma nação foi transformada

    A partir daquele dia todo seu destino havia mudado.

    Foi no fim da batalha, foi enquanto estava cansada mas extremamente satisfeita com o resultado final.

    Seu corpo rogava por descanso, estava quase cedendo ao chão quando ele a amparou, sangrava mas sorria.

    Zayn sempre teve o riso fácil

    Ergueu a mão em direção ao corte profundo que tinha sobre a face masculina, mas ele parou a parou no ar e a levou até os lábios a beijando

     

    —Seja meu gênio e realize meu maior desejo...case comigo!

     

    Mal teve forças para externar em palavras a emoção que sentiu, apenas maneou a cabeça e sentiu os lábios dele a preenchendo.

     

    E ela disse sim mais uma vez

    Disse sim ao amor

    Disse sim a nova chance que a vida lhe dava

    Disse sim aquilo que sentia

     

    Tudo diante da alegria e vibração dos inúmeros guerreiros que lutaram por Dohã.

     

     

    —Eu uno meu coração ao seu, pois éramos almas perdidas que finalmente se encontraram.

    —Que nunca nos falte o alimento do corpo e da alma

    Então foi a vez dela

    —Que não nos falte compreensão e zelo, e que nossa maior fortuna sejam nossos filhos

    Então pousou sorrateiramente a mão sobre o ventre inchado levemente disfarçado pelo volume das roupas.

    Por um momento chegou a imaginar se alguém dali a questionaria sobre seu estado, Dohã havia passado muito tempo sobre as trevas da subjugação e ignorância, era a hora de trazer a luz.

    Mas talvez o fato de estar grávida fosse visto como uma nova esperança

    Um novo ciclo

    A vida recomeçaria para todos.

    — Eu uno meu coração ao seu pois de hoje em diante eles são um só.

     

    E no entardecer do deserto, olhando sol se esconder sobre as dunas levou a mão sobre o ventre inchado sussurrando

    —Estamos em casa.

    E eles foram um só...pela primeira vez!

    Samir!

    Quando Zayn surgiu com esse nome para o menino achou estranha a fonética a princípio, talvez sua mente ainda estive no lugar de onde tenha vindo e os nomes de lá rondassem sua mente, mas quando ele lhe disse o significado...

    —Quer dizer vigoroso, vivaz e boa companhia em árabe antigo.

    Era perfeito!

    Samir foi sua maior e mais fiel companhia durante toda sua jornada, mesmo quando sequer sabia que ele existia.

    Ele seria sempre seu leal companheiro.

    Até os olhos vermelhos brilharem.

    Suas mãos banhadas em sangue tremeram no momento que as recolhia do interior da jovem garota.

    Subiu os olhos por um instante e encontrou os azuis a mirando alarmada

    —Não...

    Ouviu a irmã sussurrando

    Mal se deu conta quando outras pessoas preencheram o local

    Mal percebeu quando as chamas se foram

    —SARUMI!!!

    Inoue abraçou o rosto da irmã quando as grossas lágrimas lavavam o sangue do Amaterasu de Samir da face da morena.

    Foi quando Ino chegou que o baque a atingiu

    Então se pôs de pé e reuniu forças para dizer aquilo

    —Ela está morta!

    O olhar da loira se tornou petrificado e as lágrimas começaram a verter sem que a mesma denotasse expressão

    Então o corpo da mulher caiu sobre o chão e torcendo o cenho em uma expressão de dor aguda deu um grito profundo.

    —MINHA FILHA!!!

    A caixa torácica da Kunoichi ainda estava aberta e Ino tentou fazer algo com suas técnicas simples e rudimentares

    —Não Sarumi!!

    Sakura sentiu seu interior se apertando cada vez mais

    —Ino...

    Sussurrou

    A loira se ergueu em desespero e a olhou com o rosto vermelho banhado em lágrimas

    —Salve ela Sakura, por favor salve minha filha!!

    A rosada começou a sentir as lágrimas se formando em seus orbes

    Ino se arrastou em sua direção e de joelhos agarrou suas vestes finas e delicadas as puxando em desespero

    —Eu te imploro, por tudo que é sagrado, salve minha filha.

    Hinata tinha as mãos sobre os lábios e Naruto observava tudo sem nada dizer, Boruto estava atônito, ele tentou avançar até o corpo da companheira mas sua mãe o conteve.

    Temari apareceu instantes depois e viu aquela cena

    Os lábios trêmulos, a face vermelha marcada, ela aos pés da rosada com as mãos unidas e sujas de sangue pedindo pela vida da filha morta no chão.

    Sakura se curvou deixando as lágrimas saírem e murmurou

    —Eu fiz tudo que pude...

    Ino se agarrou mais uma vez a sua saia e chorou de maneira intensa, em meio aos lamentos ela ainda rogava

    —Por favor, só você pode salvar ela, só você pode trazê-la de volta

    A rosada caiu de joelhos e sem conseguir conter seu próprio pranto segurou nos ombros de Ino a erguendo

    A loira tinha o corpo mole e não conseguia a encarar nos olhos

    —Eu faria de tudo pra trazer sua filha de volta, mas tem como, ela não reage.

    A Yamanaka deixou o corpo desfalecer sobre o chão, os cabelos loiros se espalharam pelo colo da cerejeira

    Ela tremia

    Sakura não conseguia olhar para mais ninguém ali

    —Habiba...

    Até que ele chegou

    E finalmente ela virou a cabeça e o encarou nos olhos

    Zayn olhava para tudo aquilo assombrado

    As lágrimas verteram pelo rosto da rosada com mais intensidade

    —Eu preciso fechar o corpo dela.

    Disse voltando-se para o corpo aberto.

    Inoue ainda permanecia abraçada a face da irmã

    —Não! Não!!!

    Ino se arrastou novamente até a filha e a abraçou envolvendo todo o corpo inerte

    Sakura mordeu os lábios

    Foi Temari quem se aproximou

    —Vamos Ino

    Quando ela sentiu os dedos da outra sobre si gritou com mais intensidade

    —NÃO!! Eu sabia que algo assim ia acontecer, sabia que Deus ia tirar uma delas de mim!

    Os olhos da Nara se cruzaram com os da Hadiya

    Temari também tinha o olhar marejado

    Nenhuma mãe jamais estaria preparada para a morte de um filho

    Então Hinata se juntou a ela

    —Vamos Ino-chan, Sakura precisa fechar o corpo de Sarumi

    —Não...

    O lamento dela foi tão profundo que Sakura não se conteve e levou a mão a boca para conter um soluço

    Aos poucos Temari e Hinata foram conseguindo separar Ino do corpo morto de Sarumi

    —Não tirem ela de mim

    Ela estava leve, quase entorpecida

    Então ambas a ergueram, as roupas da Yamanaka estavam cobertas do sangue de sua filha.

    —Por favor...

    Os olhos azuis miraram os de Hinata e Temari

    Elas apenas a arrastaram lentamente para longe dali

    Naruto se aproximou de Sasuke que permanecia de joelhos no chão vendo toda aquela cena

    —Sasuke

    O Uzumaki tocou em seu ombro

    Ele permaneceu imóvel, estático

    Absorto

    —Vamos Sasuke

    Então o loiro se inclinou e com esforço conseguiu tirá-lo do chão

    —Você não precisa ver isso.

    E passou a arrastá-lo para fora dali

    —Venha Boruto.

    O Hokage disse antes de passar com o grande amigo moreno dependurado sobre os ombros

    —E-Ela...está morta.

    Murmurou com a voz gutural enquanto era arrastado pelos largos corredores do palácio

    Sasuke tencionou no lugar e travou todo o corpo

    —Ele-ele é meu filho, eles eram irmãos, ela estava grávida.

    Naruto pareceu surpreso ao ouvir todas aquelas afirmações

    O Uchiha então se desfez do contato do loiro e se virou

    —Eu tenho que voltar até lá!

    Mas o Uzumaki se pôs em sua frente

    —Não Sasuke, agora não.

    A expressão no rosto do Uchiha foi se transformando pouco a pouco, Naruto pôde vislumbrar diversas faces no rosto do amigo, algo nunca visto antes.

    Ele variou de incrédulo a abismado, de triste a furioso, de traído a arrasado

    Seu peito arfava

    —EU PRECISO IR ATÉ LÁ!

    Foi incisivo.

    Seu olho vermelho brilhou no mesmo instante

    —Você não está em condições agora, pode causar uma desgraça ainda maior

    Sasuke cresceu diante da figura do Hokage

    —Desgraça ainda maior...

    Sussurrou

    —MINHA FILHA ESTÁ MORTA!

    Naruto não se moveu do lugar

    Naquele momento o moreno pareceu ouvir as próprias palavras

    As lágrimas escorreram acompanhando o subir e descer descompassado de seu peito arfante

    —Morta...

    Murmurou baixando a fronte fazendo os cabelos negros lhe cobrirem a face

    Ele sentiu os braços do amigo o abraçando

    —Eu não vou deixar você sozinho nem fazer nenhuma besteira

    Ouviu a voz sempre esganiçada do loiro dessa tenra e leve em seu ouvido

    Nesse momento fechou os olhos e os apertou com intensidade fazendo as lágrimas escorrerem virtuosamente

    Naruto podia sentir os espasmos que o corpo grande dava à medida que deixava aquela dor esvanecer

    Então pôs o corpo grande do Uchiha nos ombros mais uma vez e virou a cabeça para trás levemente encontrando os olhos tão azuis quanto os seus

    —Vamos Boruto, vamos cuidar do seu sensei.

    E voltaram a caminhar pelo corredor de mármore.

    Zayn correu e se ajoelhou ao seu lado

    —Habiba!

    Sakura o mirou tentando se normalizar

    Sua voz mais baixa e rouca do que pretendia

    —Por favor querido, pode tirar nosso filho daqui?

    As mãos grandes do Emir apenas passaram pelos cabelos rosados e ele maneou a cabeça, então se virou para a figura do filho desacordado no chão próximo ao corpo da garota.

    Ele se aproximou e com certo esforço o recolheu do chão.

    Sakura acompanhou todo o processo, viu a forma como Zayn carregava Samir para longe até passarem pela porta.

    Então desviou-se para o corpo, ela ainda estava lá, debruçada sobre a irmã.

    Sakura abriu a boca para dizer algo mas não encontrava as palavras

    Por fim se aproximou e tocou na mão gelada e trêmula da garota que apenas ergueu o olhar

    Estava tão vermelha e com os olhos manchados quanto a mãe

    Inoue suspirava de maneira audível ainda presa na face morta de Sarumi

    —O que eu faço agora?

    Questionou olhando para a cerejeira

    —Eu não sei ser sozinha...

    Baixou os olhos banhado em lágrimas novamente para a face pálida e soltou um suspiro longo, se inclinou e beijou a face manchada de sague e lágrimas da morena

    —Minha irmã

    Apertou os olhos sentindo aquela dor indo fundo, como uma kunai lhe atravessando, lhe empalando

    Se não tivesse enviado a foto a Samir...

    Era tão óbvio que Sarumi estaria com ele

    —Vai me ajudar a fechá-la?

    A pergunta feita pela rosada ecoou em sua mente e parecia distante, como se estivesse em outra dimensão

    Então se pôs de pé em um rompante

    —Inoue!

    Sakura a chamou

    Mas no instante seguinte seus pés a guiaram para a longe

    E tudo que conseguiu fazer foi correr

    Correr para longe

    Se não tivesse enviado a maldita foto Sarumi ainda estaria viva?!

    Fechou os olhos ao lembrar do peito aberto da irmã e aquela sensação se apossou de seu estômago, seu âmago, dominando todo seu ser.

    Havia perdido Sarumi

    Havia perdido sua outra metade

    Ainda olhava para a porta aberta por onde a jovem acabara de passar de maneira desconcertada e atônita

    Virou-se para o corpo da outra e levou a mão ao peito

    Então se ergueu

    Se aproximou mais da jovem e calmamente se ajoelhou e fez a luz surgir

    Ela transfigurou a linha de chakra para fechar o corpo pois Sarumi já não tinha mais vida para suas fibras reagirem e se regenerarem com chakra comum.

    Então calma e paciente ela ficou ali, trançando a linha verde pelo peito da garota, fechando seu peito de maneira lenta e perfeita.

    Ficou ali sozinha com o corpo morto da filha da traição de seu antigo amor.

    Costurando seu peito

    Quando acabou a luz verde se desfez mas as mãos continuaram erguidas

    Então olhou para o ventre plano da jovem e instintivamente levou uma delas para lá.

    Quando sua pele quente entrou em contato com a fria da garota soltou um leve soluço

    Existia uma vida ali

    Uma vida que nunca teria a chance de nascer

    Uma vida condenada por uma série de erros

    Uma vida inocente

    E morta.

    Sem perceber as lágrimas voltaram a verter.

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!