MAKTUB

Tempo estimado de leitura: 8 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 35

    Espúrio

    Adultério, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

    Quando sua irmã voltou para o quarto estava deitada sobre a cama olhando para o teto.

    Observou o ar sorridente da mesma, em como ela retirou o lenço dado pelo Hadiya dos cabelos negros e em como o cheiro dele estava tão presente no ambiente.

    Estava tão presente nela.

    Sarumi.

    Fechou os olhos ao constatar o que estava bem a sua frente.

    -Já contou a ele?

    Disse a esmo sem se mover e olhando para o teto bem trabalho.

    O barulho no lugar sessou

    -Inoue?

    Então a loira se sentou na cama e respirou fundo

    Ergueu o olhar e encontrou os negros da irmã

    -Contou a ele que está grávida?

    Os orbes cor de ônix se arregalaram. Sarumi mordeu os lábios e desviou o olhar

    Inoue se levantou e se aproximou

    -Não...

    Respondeu a morena

    -Ainda não.

    Quando os negros encontraram os azuis novamente Inoue sentiu aquela fincada mais uma vez

    -Como pôde Sarumi?

    -Foi um acidente!

    -Acidente?

    -Sim, acidente, nos deixamos levar, essas coisas acontecem

    A loira respirou fundo e passou a mão pelos fios dourados

    -Quando o papai descobrir...

    Sarumi se aproximou da irmã

    -Me prometa que não dirá nada!

    Os olhos da outra lhe pediam, lhe imploravam

    -Eu não vou dizer, vocês é que vão.

    Viu quando ela respirou fundo e tentou sorrir

    -Eu não lamento essa criança

    Inoue baixou os olhos

    -Eu amo o Samir...

    Quando a encarou novamente foi com o olhar certeiro

    -Pensei que só se importava em treinar e ficar mais forte

    Então a outra sorriu

    -Antes podia até ser assim, mas eu o amo demais, o acompanharia para qualquer lugar só para estar junto dele.

    Aquilo lhe bateu tão fundo que precisou se virar para que a irmã não visse seus orbes marejados

    -Como você descobriu?

    Questionou a morena

    -Eu sou sua irmã, te conheço melhor que você mesma...

    Soltou com a voz mais baixa do que realmente planejava

    Sentiu quando os braços de Sarumi a envolveram

    Nesse instante as lágrimas rolaram

    A imagem do que viu naquela folha ficaria gravada para sempre em sua mente

    O dia que perdeu Samir para sempre

    Mas não havia o que perder...

    Afinal de contas, ele nunca fora seu.

    O abraço da irmã se tornou mais apertado

    Então juntou os lábios e soltou de uma única vez

    -Eles foram casados!

    O toque da irmã não diminuiu em nada

    -Eles quem?

    Inoue se virou, Sarumi ainda a envolvia, o olhar preocupado da morena se fez no instante em que viu as lágrimas no rosto da loira.

    -Nosso pai...

    Molhou os lábios para prosseguir

    -...e Haruno Sakura.

    Naquele instante o abraço foi se afrouxando pouco a pouco

    -Papai e a mãe de Samir já foram casados!

    Proferiu de uma vez

    Ela a encarava, os olhos negros vidrados, intensos, incrédulos.

    -Não é verdade

    -É, é sim, eu sei que é.

    -Como pode ter tanta certeza?

    Sarumi ficou levemente exaltada

    -Eu vi a foto do casamento na casa que papai vai sempre que some dentro da vila.

    Inoue baixou levemente a cabeça de fios loiros

    -E ela me confirmou.

    Ergueu novamente encontrando a face incrédula da irmã

    -Sakura me confirmou.

    Sarumi saiu da frente de Inoue e caminhou pelo quarto

    -Porque não me disse antes?

    -Eu não quis te preocupar, eu não tinha certeza...você estava ocupada com o Samir!

    Observou como a irmã parecia perdida dentro do aposento

    Ponderou em articular as próximas palavras

    -E tem mais

    Sarumi parou

    -Nosso pai ainda é apaixonado por ela!

    Os olhos negros a fitaram de esguelha, mas estavam diferentes

    Diferentes de tudo que já tinha visto antes na irmã

    Sarumi suspirou e torceu o cenho em dor levando a mão a barriga

    Inoue correu

    Correu para acudir a irmã.

    Correu para acudir o bebe que ela esperava

    O bebe dela com Samir.

    No jantar daquela noite estavam todos reunidos.

    Não sentia um pingo de fome

    Não sentia nada

    Sorria apenas quando alguém lhe sorria em convite

    Quando ouviu o anuncio da gravidez da senhora Hadiya acompanhado da aclamação dos presentes sua atenção não foi dispendida a ela, mas ao pai, que se levantou com pressa e tossindo com intensidade, iria atrás dele mas sua mãe se adiantou, então os azuis se voltaram para a rosada.

    Que acompanhou cada passo dado por seu progenitor até se retirar do recinto.

    Quanto mais acompanhava toda aquela situação, quanto mais seus olhos se abriam, mais seu coração ia diminuindo, se apertando.

    Passou a maior parte do tempo tentando se distrair com Boruto, o garoto estava animado com as voltas que davam pelas ruas de Dohã e lhe instigava a ver, experimentar e experienciar tudo junto com ele.

    Tentou ser o mais amável possível mas sua mente estava totalmente voltada para outras questões.

    Boruto era um bom rapaz apesar de meio inconsequente as vezes, se Sarumi tivesse se apaixonado por ele...

    Suspirou

    -Veja Inoue-chan!

    E lhe apontou uma barraca cheia de iguarias jamais vistas.

    -Aposto que consigo experimentar todas elas!

    Sorriu para o Uzumaki

    De alguma forma era bom estar ali com ele, lhe evitava ter de encarar Samir e a irmã.

    Evitava ela olhar o ventre plano e se lembrar do que crescia lá dentro.

    O fruto do amor entre os dois.

    Fruto esse que deveria prezar e aprender a amar.

    Sarumi dormia tranquilamente na cama ao lado e por mais que se movimentasse o sono simplesmente não vinha.

    A noite estava quente e as inquietações da mente lhe aporrinhavam os nervos.

    Sentou-se na cama rendida

    Vestiu algo por cima das roupas de dormir e saiu do quarto deixando a irmã sozinha no aposento.

    A madrugada corria alta e os corredores com grandes janelas marroquinas faziam com que o vento soprasse mais livremente.

    Parou quando chegou a sacada.

    Admirou o grande e bonito jardim iluminado pelos pequenos postes brancos, mas o que mais chamou sua atenção foi o céu.

    Aquele céu era esplêndido...

    O fato da concentração urbana ser condensada em apenas um ponto do deserto deixava toda a área com grandes dunas livres.

    Livres de poluição

    Livres aglomerados

    Dohã podia ser distante mas aquele céu fazia valer a pena

    Escorou-se sobre a grande porta e abraçou um dos braços admirando aquela vastidão

    Foi então que sentiu o contato gelado seguido do pulo que quase a levou ao chão

    O susto foi tanto que precisou se conter para não gritar

    -Canino, isso são modos?!

    Equilibrou-se sobre as pernas sentindo o contato dos pelos do animal e a aproximação do rapaz.

    -Samir...

    Murmurou

    -Desculpe Inoue-chan, Canino realmente gosta de você, ele saiu em disparada do meu lado e não entendi o motivo.

    Sorriu minimamente

    Abaixou-se para acariciar os pelos grossos e acinzentados

    -E eu gosto dele.

    Quando ergueu o olhar novamente ele a mirava

    Ainda lhe sorria daquela maneira extensiva e afável

    Será que Sarumi já havia contato sobre a gravidez?

    Seus pensamentos foram desviados pelo contato da língua de Canino em seu rosto

    -Canino!

    Ela se sobressaltou mas sorriu

    Acariciou cabeça do animal e o apertou em um afago

    Quando se pôs de pé Samir ralhava com o grande cachorro

    -Pensei que tivesse mais modos

    -Não tem problema

    Inoue disse

    Então ele a mirou

    -Sem sono?

    -Sim, está bem quente hoje

    -É, as noites no deserto podem ser bem cruéis

    Ficaram em silencio

    Era tão difícil...

    Tão difícil ficar perto dele

    Ele sabia?

    Sabia que a mãe e seu pai...

    E se lhe contasse?!

    Mudaria alguma coisa em relação a Sarumi?

    Respirou fundo e tomou ar para dizer

    -Boa noite Samir.

    Se curvou levemente e saiu

    Deixando ele o animal para trás

    Não tinha o direito de fazer aquilo.

    Não era ela quem devia dizer algo.

    Não era ela quem iria acabar com a felicidade da irmã

    Isso não traria Samir até si

    Só traria dor e sofrimento

    Só traria a tragédia que a todo custo tentava evitar.

    Colocou seu melhor sorriso no rosto, vestiu-se da melhor maneira possível e foi até o quarto, bateu na porta e encontrou os grandes olhos tão parecidos com os seus quando a mesma foi aberta

    -Inoue, está linda filha!

    Ino saiu lhe sorrindo sutilmente

    -Obrigada, e o papai?

    -Estou aqui.

    Sasuke saiu do aposento, vestia-se bem apesar das roupas usuais.

    -Ótimo, vamos!

    Nenhum dos dois reclamou quando passou uma mão por cada braço de seus pais se encaminhando junto aos mesmos até o local onde seria o evento.

    -E Sarumi?

    Questionou o Uchiha

    Inoue seguiu reta, permanecia inabalável

    -Vai nos encontrar lá.

    Respondeu por fim.

    Somente quando as portas do local foram abertas que se desgrudou dos dois.

    Ficou contente quando viu a mãe se postar ao lado de seu pai

    Então adentraram no salão

    E lá estava ela, com os longos cabelos cor de rosa a solta, a tiara era mais um dos vários adereços que usava.

    Eles iam reto em direção a ela.

    Sentiu seu coração acelerar mas seguiu adiante junto com os pais

    Mas então eles pararam

    E sua mãe olhou para trás.

    Quando viu a expressão atônita no olhar de Ino não compreendeu de imediato, então acompanhou com o seu próprio o local para onde a progenitora olhava

    Então o viu.

    Sentiu por um instante o ar lhe faltar nos pulmões

    Suas pernas tremeram e suas mão gelaram na hora

    Aquele homem...

    Naquele momento algo aconteceu dentro de si

    Aquele homem...

    E a palpitação a invadiu

    Nada mais existia, nem festa, nem Ino ou Sasuke, nem Sakura, Sarumi ou até mesmo Samir.

    Tudo que existia era aquele homem

    Quem era aquele homem?

    Então aconteceu, o estouro, as explosões e o estrondo.

    E Dohã, o paraíso que sempre imaginou mostrou-lhe o caos!

    Mal viu a correria, quando deu por si o pai já não estava mais ao seu lado, saiu em disparada dizendo alguma coisa que não conseguiu assimilar.

    Sua mãe também desapareceu advertindo para não sair dali em hipótese alguma.

    Então respirou fundo e se concentrou fechando os olhos. Não adiantava entrar em pânico

    Tentou se lembrar dos treinos por que passou em seu time e daqueles feitos com sua mãe

    Ela era uma Yamanaka, então seria uma Yamanaka!

    Quando começou a sentir a vibração e reconhecer as correntes de chakra das pessoas pôde respirar levemente aliviada.

    Sarumi!

    Sentiu o ponto para onde a irmã se movimentava e foi até lá.

    Foi tudo muito rápido.

    Tanto que foi difícil compreender toda aquela situação

    Foi com relutância que deixou a mãe só naquela sala junto a esposa do Emir.

    Talvez Dohã não fosse a terra dos sonhos que sempre sonhou.

    Aos poucos os convidados foram acalmados, a música voltou e o clima foi se apaziguando pouco a pouco.

    Aquele homem não estava mais ali, aquele homem que de alguma maneira a hipnotizou.

    Molhou os lábios resignada, era melhor assim.

    Nada podia a distrair.

    Samir e o Emir faziam o possível para que tudo voltasse ao normal e tranquilizavam as pessoas presentes.

    Elas ainda estavam lá dentro, e seu coração apertado do lado de fora.

    Quando Sakura finalmente retornou tendo o marido ao lado percebeu que a conversa havia se findado.

    Sarumi permanecia calada tão pensativa quanto ela

    Não viu sua mãe passar e muito menos voltar para o salão.

    Tendeu ir atrás dela mas então percebeu que a mesma havia se recolhido

    Seu pai não estava muito longe

    Já ela, ficaria por ali

    E daria um jeito de finalmente conversar com a primeira dama de Dohã.

    -Senhora Hadiya gostaria de parabeniza-la pela gravidez.

    Quando a mulher finalmente ficou sozinha encontrou a oportunidade que buscava para se aproximar

    -Obrigada.

    Os olhos verdes a entreviam por inteiro

    -Espero que consiga se adaptar bem ao nosso clima e nossos costumes, vai precisar quando começar seus estudos.

    Estava nervosa, ansiosa, não saberia dizer bem

    Mesmo assim sorriu

    -Dohã é um lugar lindo, sei que não terei problemas em me adequar.

    Ela era muito requintada e sua presença forte e marcante

    -Acredito que saiba que deve ser merecedora do lugar que vai ocupar, caso contrário outra pessoa mais digna pode pegá-lo. Sua nação e meu filho estão acreditando em você.

    Sim, ela sabia disso, Samir já havia a deixado ciente e isto a fazia ter mais ganas de se sair bem.

    Mas então algo a rondou. E ela, a senhora Hadiya, o que achava de tudo aquilo?

    -E você Sakura-sama, não?

    O que a presença dela e de sua irmã representavam?

    -Não acredita em mim?

    Ela não pareceu abalada com o questionamento

    -Me prove que é realmente boa e aí voltamos a conversar.

    Aquela mulher era forte e inabalável.

    Como conseguia?!

    Quando ouviu o som alto da risada de Samir direcionou a atenção até ele

    Será que se Samir tivesse a escolhido, era ela quem estaria grávida agora?

    Ela quem teria um romance escondido?

    Talvez a mulher ali a seu lado, mais velha e experiente tivesse as respostas

    -Me diga Sakura-sama...

    Os olhos tristes se voltaram para a rosada

    -...como fez para deixar de amar meu pai?

    Naquele momento ela viu que a figura imponente da cerejeira podia ser abalada, pois a taça tão ricamente enfeitada foi com tudo ao chão.

    E as respostas dela...tudo que dizia a encheram ainda mais de dúvidas

    Sua mente borbulhava

    Queimava

    Mas apagaria aquele fogo

    Custe o que custar!

    A primeira coisa que fez assim que acordou pela manhã foi sair em disparada pelas ruas de Dohã.

    Precisava de informações e sabia que perguntar somente não surtiria efeito

    Necessitava saber mais sobre aquela mulher, Sakura Haruno Hadiya.

    Mas onde conseguiria dados mais profundos e precisos sobre ela?

    Parou no meio da rua em meio à multidão.

    Olhou na direção de onde aquelas pessoas vinham

    É claro...a Universidade!

    Ela era a criadora, devia ter alguma coisa sobre a vida dela lá.

    Então foi reto.

    Reto em direção as respostas que tanto almejava.

    Não foi difícil encontrar a enorme biblioteca, a infinidade de livros técnicos seriam uma grande distração caso não estivesse obstinada.

    A área destinada ao que procurava estava vazia, então foi em busca de algo

    E encontrou

    Várias.

    Mas a que mais lhe chamou a atenção foi o grande livro sobre a nação em que estava.

    Passou por alto pela parte onde relatava-se os anos de ditadura e opressão, mas por ali já conseguiu compreender a importância da liberdade conquistada por aquele povo, e foi nessa parte que sua atenção se prendeu.

    Leu tudo sobre a libertação de Dohã, de como Zayn Hadiya e a estrangeira Sakura Haruno junto ao povo cansado mas contumaz reconquistaram o país.

    Assim que virou as páginas pode ver algumas imagens registradas da época

    Arregalou os olhos e trouxe o livro mais para perto

    Talvez as imagens não estivessem boas o suficiente mas poderia jurar

    Jurar que Sakura estava grávida naquelas fotos.

    As roupas largas não eram suficientes para disfarçar.

    Olhou para a legenda e viu a data

    Virou a página e então viu o grande casamento

    Então a Hadiya se casou grávida.

    Inoue se ajeitou na cadeira e virou mais uma folha

    A próxima a fez recolher o livro para mais próximo do rosto

    Era Sakura, Zayn e o pequeno Samir recém-nascido em seus braços

    Olhou a data que condizia com o nascimento do herdeiro do casal

    Sentiu um leve calafrio a atingir

    Samir era dias mais jovem que elas!

    Voltou as páginas apressadamente e leu novamente as linhas que diziam o tempo de chegada da estrangeira que ajudou a nação a conquistar a tão almejada liberdade.

    Sakura chegou grávida em Dohã?!

    Deixou o livro cair pesadamente sobre a mesa

    Suas mãos ficaram tremulas

    Sua boca secou instantaneamente

    Então arrastou a cadeira com força e se levantou com pressa saindo em disparada dali

    Sua mente estava em ebulição!

    Estava prestes a explodir

    Mal viu quando chegou novamente ao palácio, tudo que fez foi ir direto até ele

    Samir!

    Precisava falar com ele

    Precisava de respostas concretas que somente ele poderia lhe dar sem as malditas voltas

    Quando chegou no aposento a porta estava aberta

    Olhou ao redor, não havia ninguém ali

    O grande animal se aproximou alegre mas naquele instante não lhe deu atenção

    Sua atenção se concentrou num ponto fixo

    Um retrato, um simples retrato ao lado da cama do rapaz

    Nele estava ele e seus pais quando ainda era pequeno

    Pegou o porta retratos ricamente trabalhado entre os dedos gelados e olhou com atenção

    Seu corpo quase desabou sobre a cama

    Aquele na foto

    Aquela criança ao lado de Zayn e Sakura

    Já havia visto aquela criança antes...

    Nos pertences que sobraram de seus parentes mortos

    Levou a mão tremula e fria boca incrédula!

    Não podia ser

    Não!

    Aquilo era...

    Era...

    Céus...Sarumi

    Sarumi estava grávida dele

    Sarumi estava grávida de seu próprio irmão!

    Num rompante arrebentou o objeto as pressas tirando a fotografia de lá, foi até a mesa lateral e capturou a primeira coisa que servisse para enviar uma mensagem.

    Então escreveu, rápida e com palavras certeiras

    Dobrou a foto ao meio e abaixou-se fazendo o animal vir até si

    -Encontre ele Canino, rápido, por favor!!!

    E prendeu a mensagem na fotografia sobre a coleira do grande cachorro.

    Tudo que fez ao ver o animal sair em disparada foi desabar sobre o chão

    Passou as mãos pelos fios dourados praguejando alarmada

    -Céus, o que eles fizeram...

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!