Dance Comigo

Tempo estimado de leitura: 3 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 8

    Espanto

    Álcool, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo

    A rosada nada disse, apenas caminhou a passos calmos ate o pai e o abraçou, o mesmo que mantinha a expressão séria correspondeu ao mesmo com força. Sakura sabia da relação conturbada que seu pai e seu avô tiveram, tudo porque ele filho de uma tradicional família japonesa escolhera se casar com uma dançarina latina.

    Depois de alguns minutos abraçados, Saito disse ao ouvido da filha:

    –É melhor ir dormir, amanha cedo você tem aula.

    –Você vai ficar bem?

    –Eu sempre fico bem princesa.

    E após receber um terno afago em sua bochecha, subiu as escadas a passos lentos, estava preocupada com seu pai, sabia que ele passaria a noite toda pensando no ocorrido.

    Ela não conhecera os avós pois os mesmos a renegaram quando nasceu, mesmo assim não pode deixar de sentir a perda, afinal era o pai de seu pai, e sabia como o mesmo sofria mesmo que em silencio.

    Acabou acordando mais tarde do que o costume, geralmente quando os primeiros raios de sol batiam em seu rosto já estava de pe, que era bem antes de o despertador tocar, assim tinha tempo de passar mentalmente o que faria ao longo do dia e pra pensar um pouco. Mas naquela manha não ouvira sequer o despertador tocar, estranhou o pai não tê-la vindo acordar, se levantou apressada, vestiu o uniforme da escola, penteou os cabelos os prendendo em um rabo baixo, pegou suas coisa e desceu as pressas para a cozinha.

    Ao passar pelo quarto do pai não o vira, quando chegou a sala pode vê-lo deitado desconfortável no sofá, provavelmente passou a noite toda acordado, pegou o lençol com qual ele mal se cobria e o ajeitou melhor sobre seu corpo, depois lhe deu um beijo na testa e correu para a cozinha afim de pegar uma fruta e partir para a escola.

    A figura daquela garota não saia de sua cabeça, a forma como ela dançava, como se mexia e se envolvia com a musica o fizeram perder o sono. Passou quase que a madrugada inteira acordado lembrando da imagem da rosada naquele salão, por isso quando finalmente conseguiu pegar no sono acabou por perder a hora. Em qualquer outro dia inventaria uma desculpa qualquer e ficaria em casa, ou diria ir pra escola e sairia para outros lugares, mas naquele dia em especial desejava ir pra aula, mesmo que estando extremamente atrasado.

    –Bom dia Mitsashi.

    Tenten quase engasgou com o copo d’água ao notar quem acabara de entrar na cozinha naquele exato instante. Tudo bem que aquela era a casa dele, mas toda aquela sua pompa e educação não aprendeu que quando se tem visitas em casa não se deve aparecer semi nu?! Sabia que não deveria ter aceitado o convite de Hinata e passado a noite na mansão Hyuuga.

    –Bom dia, Hyuuga.

    Tenten deixou o copo na pia e caminhou ate a porta, a mesma na qual Neji permanecia parado.

    –Pode me dar licença por favor?!

    A morena cruzou os braços e bufou.

    –Porque a pressa, ainda é cedo?

    –Não sabe que é falta de educação aparecer dessa forma na frente das visitas?

    Uma veia saltava de sua testa, ele só fazia aquilo para a provocar.

    Neji olhou para o próprio corpo e sorriu, não via mal em se mostrar apenas com um short na frente dela.

    –Você já viu coisas bem piores...

    –Você me da nojo! E o empurrando saiu a passos duros do local

    Quando chegou ao quarto da amiga ainda estava bufando.

    –Que aconteceu Ten-chan?

    Hinata ainda sonolenta estranhou o humor da morena.

    –Aquele seu primo estúpido! Ah, quer saber, não quero falar sobre ele, o importante é que hoje você vai falar com o Naruto!

    Tenten agora sorridente pulou sobre a cama da amiga.

    –Seria muita coincidência ele esperar o ônibus comigo de novo..

    –Tudo pode acontecer Hinazinha. E piscando para a amiga se levantou pronta pra se trocar para irem a escola.

    Com seu enorme poder de persuasão conseguiu convencer o professor Iruka a deixá-lo entrar depois do início das aulas, passou pela carteira onde a rosada se sentava mas notou-a vazia, estranhou. Chegou ao fundo da sala e pode ver que todos seus amigos estavam distraídos, não que a aula de Iruka fosse algum show da Broadway, estava muito longe de ser, mas naquele dia todos estavam mais distantes do que o normal.

    Passou quase a aula toda observando o assento vazio e imaginando onde ela poderia estar, não que estivesse preocupado mas a rosada sendo como era jamais perderia uma aula.

    Estava realmente insuportável ficar naquela aula monótona, pensava em mais uma forma de escapar ate que alguma coisa foi jogada em sua carteira, era um bilhete.

    Abriu e percebeu ser de Ino, aquelas letras bem traçadas e os pingos dos is em forma de coração não negavam.

    “Me encontre no patio daqui 5 minutos.

    Beijos, Ino.”

    Ela estava aprontando alguma coisa...mas decidiu participar de seu plano, dois minutos após a loira sair da sala alegando estar com “problemas femininos” o Uchiha a seguiu, Iruka nunca o prendia na sala, sabia como o professor o detestava.

    Encontrou a loira encostada em uma pilastra, assim que ele se aproximou ela o puxou pela gola da blusa e o beijou com vontade.

    –Ino! Ficou louca, estamos no meio do pátio.

    A Yamanaka parecia não o ouvir e saiu o arrastando ate uma parte mais reservada do local.

    –Não consegui esquecer aquela nossa noite no mirante.

    –Você é insaciável não é

    Ela mordeu o lábio e o encarando sorriu

    –Você também é.

    Foram parar atrás de uma enorme cerejeira, se agarravam tanto que não notaram uma terceira presença ali.

    Quando o Uchiha abriu os olhos pode encontrar um par de esmeraldas o encarando.

    Ela estava sentada no chão com um livro e uns papeis em mãos, parecia escrever alguma coisa, seus olhos esverdeados continuavam arregalados. Sasuke segurou os braços de Ino que rumavam para uma área extremamente ao sul.

    –O que foi?

    Ao olhar para o lado ela viu a rosada os observando.

    –Ah não, de novo?!

    A loira bufou nervosa, era a segunda vez que a presença daquela garota atrapalhava um encontro seu com o moreno.

    –Desculpe querida, mas não vê que estamos ocupados?

    Querida? Somente o tom arrogante utilizado por aquela garota já fazia o sangue de Sakura esquentar.

    –Eu estava aqui primeiro.

    Sasuke permanecia em silencio, jamais imaginaria encontrar Sakura naquele lugar, matando aula e quase presenciando uma possível relação sexual com Ino.

    –Ah, desculpe não reparar em você... a loira sorriu de lado com o comentário.

    Sakura entendeu muito bem o que ela quis dizer, por não ser popular não era notada.

    Juntou suas coisas do chão com pressa e se levantou, passou pelo casal esbarrando no ombro de Sasuke e dizendo

    –Vão para um motel.

    Ino sorriu e Sasuke permaneceu em silencio, pela primeira vez na vida se sentiu mal em estar se atracando com uma mulher.

    –Bem, onde paramos...

    A Yamanaka voltou a beijá-lo mas ele já não a desejava mais.

    –Agora não Ino.

    –Porque? Você estava tão animado, não me diga que aquela rosinha aguada o fez brochar?

    Não soube o que o fez perder a paciência, se foi comentário sobre Sakura ou o de brochar.

    Não soube o que o fez perder a paciência, se foi comentário sobre Sakura ou o de brochar.

    –Cansei de você.

    E tirando as mãos da loira de cima de si passou a caminhar de volta para a sala.

    –Sasuke, espere!

    Mas ele nem ao menos olhou pra trás.

    –Maldita rosada! Bufou a loira.

    Quando Sasuke chegou novamente a sala Sakura ainda não estava la, mas assim que o sinal para o intervalo bateu e todos se retiraram pode ver a rosada adentrar no local. Mesmo se sentindo incomodado foi para o intervalo com os amigos.

    –Porque essa cara Ino, o que aconteceu? Tenten perguntou a amiga.

    –Aquela garota estranha da nossa sala, a tal de Sakura, atrapalhou um encontro meu com Sasuke mais cedo.

    –Ah, eu vi vocês passando pelo corredor, então foram fazer safadezas por ai hein. Temari gargalhou.

    –Só queria matar as saudades dele, mas aquela coisa rosa estava la de vela.

    –Não pegue pesado com ela Ino, a garota não faz mal a ninguém.

    –Tenten, sabe que não me importo com seres insignificantes, a menos que comecem a me atrapalhar.

    –Por falar em atrapalhar, olha quem esta se esfregando no Sasuke.

    Após o comentário de Temari, todas olharam para a mesa onde os garotos estavam, la estava ela, a ruiva oferecida que vivia correndo atrás do Uchiha.

    –Ela me paga. Ino estreitou os olhos.

    –Acalme-se Ino-chan, parece que que ele também não quer saber dela. Hinata observou o moreno tentar afastar a ruiva.

    –Menos mal. Depois eu tento falar com ele.

    E voltaram a falar sobre banalidades.

    Sasuke não estava nem um pouco no clima para aguentar Karin, alias não estava no clima para aturar ninguém, não depois do ocorrido mais cedo. Procurou pela cabeleira rosa pelo pátio mas não a viu, ainda deveria estar na sala, e foi exatamente pra la que ele foi.

    –Ei Teme, onde vai?

    –Voltar pra sala, nos vemos depois.

    Abriu a porta e pode constatar o que imaginou, la estava ela, sentada em sua carteira lendo um livro completamente distraída.

    –Sakura.

    Ele a chamou e ela abaixou o livro, seu rosto estava totalmente imparcial.

    –Sim?

    –Esta tudo bem?

    –Porque não estaria?

    –Sobre mais cedo...

    –Eu não tenho a ver com sua vida Sasuke.

    E voltou a postar o livro diante do rosto continuando a ler.

    É claro que ela não tinha nada a ver com sua vida, o caso era que não desejava que saísse contando o que viu para os outros.

    –Será que posso pelo menos pedir sua discrição?

    –Já disse, não tenha nada a ver com sua vida.

    Ela nem ao menos lhe encarou para responder.

    –Ótimo. Foi tudo que disse antes de escutar o sinal bater e retornar para sua carteira.

    Ela estava nervosa, já fazia dez minutos que estava ali parada e nada dele aparecer, logo o ônibus chegaria e ela perderia a oportunidade de poder conversar com ele novamente, não que fosse puxar algum assunto, era tímida demais pra isso, mas sabia que o loiro hiperativo como era não fecharia a boca um minuto sequer.

    Assim que o veiculo chegou Hinata suspirou, não daria aquela sorte novamente, entrou no mesmo e pagou a passagem sentando-se próximo a janela.

    –Espera ai TE- BAYO!!!!

    Hinata sorriu. O motorista parou o veiculo e o loiro eufórico entrou ofegante, após pagar a passagem foi ate Hinata e sentou ao seu lado.

    –Quase não chego a tempo.

    –Vo- você teve sorte.

    E sorriu tímida.

    –Sim, sou muito sortudo Hinata-chan.

    Ele lhe encarava nos olhos, a garota corou e logo tentou mudar de assunto.

    –Se soubesse que viria teria pedido ao motorista que o esperasse.

    –Você faria isso Hinata? Que bom saber que posso contar com você.

    –Cla-claro, Naruto-kun.

    –Ei, posso te contar um segredo?

    –Claro.

    Ele não soube o porque, mas sentiu que poderia contar a Hinata sobre seu novo emprego, e que ao contrario dos outros ela lhe apoiaria ao invés de rir.

    –Comecei um emprego novo la no centro.

    A garota se mostrou animada.

    –Isso é ótimo, e em que vai trabalhar?

    Por um momento sua estupidez o fez esquecer que teria de falar em que trabalhava, as vezes tinha vontade de se bater.

    –Bem... sorriu cocando a cabeça sem jeito. –Não é nada muito grandioso, só vou ser atendente uma lanchonete e...

    –Mas isso é incrível Naruto-kun.

    Ele a encarou tentando perceber qualquer vestígio de sarcasmo.

    –Esta falando serio?

    –Sim.

    –Como ser atendente de lanchonete pode ser incrível?

    Mas ele se esquecia que Hinata não era como as outras pessoas...

    –Bem, seria muito mais fácil você arranjar um emprego junto com seu pai, sendo o

    “filho do chefe”, mas você foi e conseguiu um emprego por si só, e em um nível mais baixo. Quem sabe no futuro não pode crescer e ter sua própria rede de negócios como seu pai?!

    O loiro nunca pensara por esse lado, ela enxergava coisas nele que nem mesmo ele sabia ter.

    –Não, você que é incrível Hina-chan.

    A garota parou de sorrir e o encarou espantada.

    –Hinata, tudo bem? O que aconteceu?

    –Na-nada Naruto-Kun, acho que já é hora de eu descer.

    E dando sinal apressada,a Hyuuga saiu dali o mais rápido que pode.

    –Mas o que foi que eu disse?

    Naruto perguntou pra si mesmo.

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!