Redenção

Tempo estimado de leitura: 2 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 6

    Tudo que estou vivendo é por você

    Álcool, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoiler, Violência

    "-Você disse que se casou para me proteger do seu amor doentio, e eu fiz a mesma maldita coisa com essa missão, só pra proteger você, e faria de novo, faria mil vezes.

    -Eu te disse mais de uma vez que mais de uma pessoa sairia machucada...

    -Sim, você disse...

    -Preferia que tivesse me executado!"

    Abriu os olhos, o dia já havia nascido mas a única coisa em que ele focava sua visão era na figura da cerejeira sentada sobre o balcão da cozinha.

    Parecia entretida com a xícara de chá entre os dedos.

    Sua visão estava concentrada em algo como um pergaminho.

    Observou como a mesma segurava com delicadeza a louça, na maneira em que a levava aos lábios e sorvia o liquido como se ele mal os tocasse...

    A viu passar a língua sutilmente no canto da boca enquanto pressionava levemente os olhos em alguma palavra lida.

    Sentiu seu próprio coração disparar...

    Viu também quando os olhos verdes caíram sobre si.

    Aqueles olhos que já choraram tanto por ele, que já brilharam cada vez que ele simplesmente dirigisse a atenção a ela.

    Agora apenas o observavam.

    Então ela pousou a xícara sobre o balcão e disse

    -Bom dia.

    E lhe sorriu.

    Um sorriso comum, não tímido, não afetuoso, não com raiva ou rancor, apenas um sorriso gentil.

    E naquele momento ele jurou pra si mesmo que preferia um soco.

    Um soco dela seria melhor do que aquele sorriso.

    Então se levantou

    -Bom dia. Disse se pondo de pé e se encaminhando para o andar superior.

    Seu corpo estava levemente dolorido pela má posição em que dormiu após ter chegado na noite anterior.

    Molhou o rosto e respirou fundo.

    “...-só pra proteger você, e faria de novo, faria mil vezes.”

    Trechos do sonho que teve de seu último encontro com ela em Konoha ecoavam em sua mente.

    Olhou-se no espelho e viu sua imagem refletida, as gotículas de água escorriam pela pele de sua face pálida.

    “-Estava esperando você.”

    Agora ele estava ali, depois de tudo, depois de todos os anos, de todos os percalços, ele estava ali!

    Sentiu mais uma vez seu coração disparar.

    Então teve um estalo.

    Sorriu para seu reflexo.

    Enxugou seu rosto rapidamente e desceu as escadas.

    A procurou pelo andar e a viu terminando de calçar as botas ninjas.

    A rosada estranhou o furor com que o Uchiha havia descido as escadas e agora estava parado diante de si.

    Então ele simplesmente diz

    -Não chegue tarde hoje.

    A sobrancelha cor de rosa se ergueu

    -Vou tentar.

    E apenas se virou para a porta, porem antes de sair completou

    -Mas não prometo.

    E então saiu.

    Não pôde fingir não se surpreender quando ouviu seu nome ser chamado, num tom levemente...angustiado, ansiado, apreensivo?! Não saberia dizer.

    -Sakura!

    Se virou e o encarou novamente

    -Por favor...

    Seu único olho negro a observava e esperava uma resposta.

    Então mais uma vez ela se virou, mais lentamente dessa vez, e quando se pôs a caminhar para se encontrar com o ninja que já vinha em sua direção, não pôde deixar de direcionar os orbes levemente para trás uma última vez.

    E também se recriminou por em diversas partes do dia se pegar pensando nos motivos que o levariam a pedi-la algo como aquilo.

    Estava levemente ansioso, afinal também nunca havia feito algo como aquilo

    Se levantou do sofá assim que sentiu o chakra se aproximando.

    Abriu a porta e o viu, andando bem mais próximo a ela.

    A rosada vê o moreno parado na porta da casa, se vira para Sano e se despede.

    -Obrigada por me acompanhar mais uma vez.

    Mas antes que ela pudesse se encaminhar para casa ele segura uma de suas mãos.

    -Gostaria de levá-la a algum lugar.

    -Já fomos a algum lugar, ao festival ontem, e me diverti muito, como já lhe disse.

    Ele dá um passo mais perto.

    -Um lugar onde possamos ficar sozinhos...

    E sobe uma das mãos ao rosto da cerejeira.

    Sakura sente os dedos ásperos em sua pele

    Mas então seus próprios atos a traem

    Sutilmente direciona os orbes esverdeados em direção a porta da casa...

    E então sem nem perceber deixa soltar um leve suspiro.

    Quando seus olhos caem novamente no ninja a sua frente, leva sua própria mão aos dedos flagelados pelas batalhas que ainda tocavam seu rosto.

    -Obrigada Sano, quem sabe em outro momento.

    Então retira a mão dele de sua face.

    O ninja olha na direção onde os olhos da rosada lhe escaparam por míseros instantes.

    -Entendo.

    E dá um passo para trás.

    -Boa noite.

    Ele diz.

    -Boa noite.

    Ela responde já se virando indo finalmente para seu caminho.

    E enquanto caminhava olhou para ele, parado na porta de casa, estranhou as roupas que usava, pareciam formais demais, não se importava se ele tivesse visto, afinal, se queria seguir sua vida, não poderia ser com alguém que era cópia dele.

    A cópia de Uchiha Sasuke.

    Quando ia passar pela figura soturna ele lhe diz

    -Suba e se troque, estou te esperando.

    Ela para e o encara

    -Trocar? Para quê?

    -Você vai ver.

    Desconfia, mas quando está prestes a entrar ele a chama uma última vez

    -Sakura.

    A cerejeira o fita

    -Só tente não colocar nada muito...revelador.

    Então gira os olhos e entra.

    Caminhavam em silencio, obviamente.

    Talvez ele tenha ficado irritado pelo modelito escolhido por ela ser extremamente comportado na frente, mas com um belo e profundo decote nas costas.

    Ele nada disse, assim que saíram o último Uchiha lhe deu até um leve sorriso ao ver o vestido negro e longo, mas assim que a rosada deu os primeiros passos em sua frente e ele viu as costas nuas, pode ouvir o ar sair mais alto que o normal de seus pulmões.

    Ele estava bufando?

    Teve vontade de rir, mas se conteve.

    Assim que chegaram no local que lhe fora indicado por Hiroki como sendo o melhor da cidade, notou a rosada retesar ao seu lado.

    Então fez.

    Levou sutilmente sua mão protética a cintura fina e a trouxe levemente para junto de si, para enfim passarem pela entrada do local.

    Uma bela e elegante mulher os encaminharam para uma mesa em uma área mais reservada do lugar ao lado de janela onde se podia ver as luzes de Oto.

    A luz ambiente era baixa, o arranjo de flores sobre a toalha de mesa fina tinha um doce aroma.

    Ele puxou a cadeira para ela.

    Se perguntou onde ele teria aprendido aquilo enquanto se sentava.

    Então Sasuke se sentou diante dela e a mulher que os acompanhou apenas disse

    -Trarei o vinho enquanto escolhem.

    E deixou um cardápio de um papel elegante sobre as mãos de cada um.

    O moreno direcionou o olhar para as linhas escritas em letras pequenas enquanto a rosada apenas o encarava.

    -Isso é um encontro?

    Ele subiu o olhar para ela mas depois o retornou para o cardápio.

    Sakura suspira e diz

    -Sasuke, você não me deve nada.

    Por fim ele apenas lhe responde

    -Eu sei.

    A jovem mulher retorna e enche as taças com vinho tinto.

    Sakura mal a olha, sua atenção está no homem a sua frente.

    -Pare de fingir que está prestando atenção nisso e olhe pra mim.

    Ele deixa o cardápio de lado e finalmente pousa seu olhar no dela.

    -Porque?

    Ele hesita em responder de início mas o faz

    -Porque queria estar com você na vista de todos, sem nos esconder.

    Sakura desvia seu olhar para a vista.

    Sasuke a imita.

    Não muito longe eles veem uma jovem, ela pareceu se dar conta de algo e sorrindo lhes acenou.

    Sasuke desvia o olhar da mesma e a rosada pôde vê-la abaixar a cabeça

    -Conhece aquela menina?

    Ainda vendo a jovem se afastar a cerejeira começa

    -Sim, é a única mulher do corpo ninja da vila, está o grupo de elite.

    Nesse instante ela direciona novamente sua atenção a ele.

    -Então deve ser forte.

    -Precisa de mais treino.

    Estava mais uma vez olhando o cardápio

    Então ela soltou

    -Ela me lembrou Akemi...

    O Uchiha permaneceu em silencio

    -A vila quase toda acha que somos casados.

    -Ouvi algo a respeito.

    -Você negou, não é?

    -As pessoas sabem que me casei

    -Sim, mas não comigo!

    Seu tom saiu mais alto do que o devido chamando a atenção de algumas pessoas das mesas ao redor.

    Sakura respirou fundo

    Então olhou ao redor

    -Sakura...

    Sasuke começou mas a rosada se pôs de pé

    -Eu não sei o que estou fazendo aqui.

    E então saiu andando

    Deixando o moreno para trás.

    O Uchiha deixou um valor qualquer sobre a mesa e saiu rapidamente atrás dela.

    -Sakura!

    Ele a chamava pelo meio da rua mas ela não parava

    Andava rápido, praticamente corria

    Ele a alcança e para diante da cerejeira

    E naquele instante fica mudo

    Só uma coisa passa pela sua cabeça

    - Chega de esconder o que sinto, não consigo mais ficar longe de você

    Então segura seu rosto com ambas as mãos e une seus lábios aos dela.

    E nesse instante sente seu corpo inteiro entrar em uma espécie de topor

    Por um momento achou que ela iria rechaça-lo, mas os finos braços subiram de seu peito e o abraçaram envolvendo todo seu corpo.

    E segundo depois suas línguas se encontraram

    E por Deus....como sentiu falta daquele sabor.

    Mantendo a mão protética em seu rosto, desceu a outra pelo torço da rosada indo parar na cintura exposta, então ali ele a puxa mais para si.

    E sente os dedos finos passeando por sua nunca

    E todos os  pelos de seu corpo se arrepiando em resposta

    A se pudesse...

    Então eles se separam

    Com as respirações descompassadas

    Com os corpos colados

    Mas foi ela quem deu o primeiro passo...

     Pra trás.

    E depois outro, mais um ...

    E por fim, se virou e voltou a caminhar

    Ele tendeu em ir atrás dela

    Mas algo o prendia no lugar

    Levou os dedos aos lábios e institivamente mordeu o inferior fechando os olhos

    Não importava se ela estava se afastando

    Eles iriam se encontrar

    Mais cedo ou mais tarde

    Sempre se encontrariam, pois de alguma forma inexplicável estavam predestinados...

    Algo que nem ele saberia como explicar e se tentasse o chamariam de louco.

    Por que o que o unia a Haruno, definitivamente, não tinha explicação.

    Ele a odiava, sim, oh Deus e como...mas a amava infinitamente mais.

    E a fez chorar, porque...não conseguia evitar apesar de não ser sua intenção.

    Mas para cada lágrima traria um sorriso.

    Ele era um desgraçado, sempre fora e sabia muito bem disso

    Ainda percorria seu caminho de absolvição, de salvação

    E ela o amou...quebrado.

    E ele a quebrou também.

    Mas ela se juntava

    Ele não

    Porque de algum modo ainda precisava dela pra isso, porque caminhar por nações e ajudar com a paz não acalmavam e acalentavam aquela parte de sua alma, aquela que precisava de amor.

    Não de qualquer amor, mas o amor irritante, sufocante, incompreensível e abrasador dela.

    Só dela.

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!