MAKTUB

Tempo estimado de leitura: 6 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 27

    Rasgando sete véus

    Adultério, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

    Andavam lado a lado pela vila da Folha, assim que Boruto se despediu continuaram pelo caminho, seu sensei havia ficado na torre junto ao Hokage, mas o que realmente lhe importava era a jovem a seu lado.

    -Parece que vou mesmo conhecer sua terra.

    Ele a mirou com a lateral dos olhos e sorriu suavemente

    -Tenho certeza que vai gostar de lá.

    Então a jovem parou no lugar e Samir um pouco mais adiante se virou

    -Você não vem?

    -Tem um lugar que queria te mostrar.

    O rapaz ergueu as sobrancelhas surpreso

    -Onde?

    -Vem!

    E Sarumi já começou saltando pelos telhados das casas fazendo o moreno se apressar para acompanhá-la.

    -E então, eu sou rápida demais pra você?

    Ela sorria enquanto seus cabelos negros voavam à medida que sua velocidade aumentava

    E seu coração disparava...

    -Não tem como você me vencer Habiba.

    Avançou sobre ela a prensando de rompante sobre o grande muro prendendo os braços finos sobre os tijolos arenosos.

    -Do que me chamou?

    -Habiba!

    -Habiba...o que significa?

    -Meu amor...

    Respondeu aproximando seus lábios dos dela sentido aquela onda tão aprazível dominando  seu ser, aquela onda que só crescia e o envolvia cada vez mais.

    Quando se afastou ela mantinha os orbes negros fechados e a respiração ofegante.

    Céus, como queria aquela mulher!

    Soltou seus braços e olhou para cima

    -Estamos embaixo do Monte dos Kages.

    Constatou ao observar os grandes rostos esculpidos na pedra.

    -Sim.

    Ela respondeu abrindo os olhos e lhe sorrindo, então segurou sua mão e o puxou.

    -Vamos.

    Samir não entendeu a princípio para onde Sarumi o levava, quando adentraram em algo como uma caverna e passaram a subir a escadaria íngreme fez uma pergunta descontraída

    -Não está pensando em me matar e sumir com meu corpo, está?

    Ouviu a sonora risada acompanhada da resposta

    -Hoje não.

    Quando chegaram ao fim pôde sentir a rajada de vento, ainda segurando em sua mão ela o puxou.

    -Para que não se esqueça de Konoha...

    E ele viu lá de cima toda a Vila da Folha!

    Tão linda e iluminada com a noite surgindo e as luzes se acendendo.

    -...nem de mim!

    Ela completou.

    Então ele a mirou, o vento balançava os cabelos negros e a sombra da noite trazia a jovem a sua frente um ar envolvente,  tornando-a ainda mais bela a seus olhos

    -Eu jamais me esqueceria de você.

    Sarumi se aproximou e tocou no rosto anguloso

    -Vamos para sua terra e lá..

    -Lá eu vou continuar te amando!

    Ele a interrompeu completando.

    O hijab em sua cabeça dançava junto a brisa e ela o abraçou

    -Nunca achei que pudesse sentir algo assim, que pudesse sentir isso.

    Ela sussurrou

    -Isso o que?

    -Esse amor que sinto por você.

    Então se separou e o olhou nos olhos

    -As vezes não acredito que você é real.

    Samir ergueu o rosto da jovem e o trouxe para perto

    -Eu sou real, e durante toda minha vida quis encontrar você. Agora eu entendo porque sempre tive vontade de vir até Konoha, porque você estava aqui todo esse tempo.

    Ela sorriu

    -Eu precisava vir até aqui buscar você, como tinha que ser...

    E enquanto se aproximava roçando seus lábios aos dela lentamente sussurrou

    -Maktub

    A Uchiha levou as mãos até a nuca do Hadiya o trazendo para mais perto e ali ele pôde sentir todo o contato daquele corpo contra o seu.

    Tão pequeno mas ao mesmo tempo tão poderoso.

    Pois era capaz de lhe despertar sensações e emoções jamais experimentadas antes.

    Ele desceu as mãos até a cintura fina e apertou a puxando contra si.

    Pôde ouvi-la suspirar.

    E seu corpo inteiro reagiu.

    Sarumi fechou os olhos ao sentir os lábios tenros descerem pelo pescoço fino.

    E ele se embebia das reações que era capaz de causar.

    Então desceu mais o rosto e foi para o vão entre os seios cobertos, a Uchiha jogou a cabeça para trás e sua respiração se tornou mais pesada e descompassada.

    Ela levou ambas as mãos aos cabelos cobertos pelo hijab e ele percebeu ali que ela estava totalmente entregue.

    Se pôs de joelhos e desceu os beijos pela barriga até alcançar a pele exposta da região, o suspiro que ela soltou foi audível.

    Ele parou e levantou o olhar

    -Habiba, se quiser parar...

    Então a Uchiha desceu os orbes escuros até a figura ajoelhada e com o olhar nublado de desejo suspirou

    -Eu não quero que pare.

    Se inclinou encontrando a boca desejosa do moreno a tomando com uma ânsia antes nunca experimentada

    Os cabelos negros envolveram os dois e quando ela se ergueu o olhou nos olhos, ambos com as respirações aceleradas

    -Quero que seja com você.

    E o beijou mais uma vez

    -Porque eu amo você

    Ao ouvir aquelas palavras Samir a puxou pela cintura

    -Só você...

    Sarumi completou ao sentir a língua quente do Hadiya encontrar a carne de seu ventre e as mãos sôfregas passearem por seu corpo.

    O desejo falou mais alto e quando deram por si o hijab já fora arrancado dos fios escuros e agora a garota tinha total acesso aos fios castanhos. Ela se ajoelhou ficando cara a cara com ele e se beijaram, um beijo ardente, diferente dos outros, e pouco a pouco foram se deitando, ali mesmo, diante dos antigos Kages sobre a Vila da Folha.

    As mãos inexperientes do Hadiya despiram peça por peça e a brisa da noite não foi nada para seus corpos ardentes.

    Ela o despiu como pôde e tocou a pele torneada do tórax bem feito ao senti-lo sobre si.

    Os cabelos negros espalhados sobre o chão, a boca arfante, o corpo pálido e perfeito era um convite para sua própria vontade que crescia cada vez mais em seu baixo ventre.

    Tocar os seios medianos, experimenta-los, leva-los a boca, vê-la arfar e se regozijar com aquele contato...

    Mas quando sentiu pela primeira vez a textura dos lábios vaginais com a mão, com os dedos...com a boca.

    Os sons que ela transmitia pareciam vindos do céu.

    E não estar dentro dela pareceu uma tortura grande demais.

    Quando colocou o membro para fora esperou alguma reação receosa da parte da Uchiha, afinal assim como para ele era a primeira vez dela também.

    Ele tinha certeza do que queria, desejava prosseguir pois jamais imaginou que pudesse sentir algo assim, tão intenso, sabia que era possível, que era real esse sentimento, mas viver tudo aquilo, era como estar em um sonho perfeito demais e tinhs medo de acordar a qualquer minuto.

    Mas o que ela fez foi afastar mais as pernas e com o olhar nublado lhe dar a passagem que ele tanto almejava.

    Que ela tanto desejava!

    Então o fez, se pôs sobre a garota e colou os lábios sobre os dela ao encostar o início de seu membro na entrada úmida e apertada.

    Ela o ajudou a se posicionar melhor e quando os dedos finos tocaram seu membro se concentrou para não acabar o que mal haviam começado.

    O encaixou perfeitamente em sua entrada e então entre seus lábios sussurrou

    -Me faça sua

    E ele fez

    Lentamente, pouco a pouco, a medida que abria as carnes virgens para recebe-lo dentro dela.

    Sentiu o corpo tenso debaixo de si e as unhas curtas cravarem em suas costas, então parou e se ergueu para olhá-la nos olhos

    -Está me fazendo muito feliz

    Disse com seu sotaque longínquo

    Ela sorriu e lentamente levou a mão ao traseiro firme do Hadiya o trazendo para si, a viu morder os lábios e fechar os olhos os apertando com força quando por fim se adentrou por completo.

    Então ficaram ali, parados, imóveis, sentindo a respiração pesada, os corpos suados e a brisa da noite tendo os Hokages como testemunhas.

    Foi ela quem se mexeu primeiro e abriu os olhos para encontrar os dele.

    E aquela sensação de ardência que ambos sentiam aos poucos foi ganhando novos tons, quando os picos de prazer surgiram, indo e voltando, a medida que os movimentos aumentaram de intensidade.

    Foram juntos, em seu ritmo, trocando beijos, caricias e arfadas de paixão, quando os arranhões da Uchiha se tornaram de prazer e não de dor e os suspiros foram substituídos por gemidos foi que se deixou levar e se entregou as sensações.

    A lentidão ganhou mais força e quando o gemido veio intenso com seu membro sendo pressionado não conseguiu mais se segurar.

    Derramou-se por inteiro dentro dela e desabou cansado sobre o corpo pequeno e suado abaixo de si.

    Não tinha palavras para descrever tudo aquilo, apenas sentiu a mão pequena enfiar-se sobre seus cabelos em um leve afago.

    Talvez palavras não precisassem ser ditas, pois precisava apenas se manter ali, junto dela, ouvindo seu coração bater.

    Junto dele.

    Junto ao dele!

    Partiram tão logo ficou tudo acertado na vila para a ausência do Hokage.

    A despedida de seu padrinho foi rápida mas cheia de sentimento, dissera ao cinzento que um pedaço de seu pensamento ficaria com ele, em Konoha, e quão logo fosse visita-los pois todos sentiam sua falta, principalmente sua mãe.

    A despedida oficial dos dois foi no próprio apartamento pois na saída da vila, muitas pessoas se reuniram para ver o comboio partir.

    A partir daquele momento ele assumiu outra postura, a do representante de Dohã e daria orgulho a seus pais!

    Seu coração ficava apertado por não poder estar mais com ela, não poder tocá-la ou conversarem a sós, mas só de tê-la perto já era o suficiente por enquanto.

    Fez exatamente como foi esquematizado por seu pai durante a viagem, ele seria o guia que os levaria em segurança até a nação árabe e garantiria que tudo fosse do maior agrado para todos.

    Boruto, o filho do Hokage e seu companheiro de equipe era o que parecia mais aproveitar e aquilo o deixava satisfeito.

    Ali, durante o trajeto conheceu também a companheira de seu sensei.

    Aparentemente era uma mulher calada, falava apenas quando questionada sobre algo e tinha mais liberdade apenas com as filhas.

    Ela e seu sensei não pareciam um casal de verdade pois mal se olhavam ou se preocupavam em estar juntos, e aquilo, aos seus olhos, era muito estranho. Era acostumado a ver pessoas que tinham uma família sempre juntos, trocando sorrisos uns com os outros, carinhos, conversas longas e agradáveis.

    Agora entendia o que Sarumi queria dizer quando se conheceram, que não acreditava no amor pois nunca o tinha visto.

    Teve certa pena de seu sensei, era um homem forte e conhecia um pouco da história do clã Uchiha, sabia da importância de Sasuke na guerra e do massacre, o mundo ninja inteiro sabia, mas os por menores foram contatos por Sarumi.

    Teve vontade que seu sensei tivesse um amor assim...abrasador, profundo, intenso!

    Talvez as sombras de seu passado ainda o atormentassem.

    Ao observa-lo melhor percebeu que suas atenções eram mais voltadas para as filhas, por isso até mesmo se mantinha mais afastado de Sarumi naquele momento, pelo menos até chegarem a Dohã.

    Era para elas que ele demonstrava o mínimo de humor e carinho.

    E a loira, Inoue, era a mais apegada ao homem. Ficou satisfeito em tê-la ali, tanto por ter aceitado sua proposta de estudo quanto pelo auxilio que dava ao pai.

    Era uma garota incrível e tinha certeza que assim como ele, sua mãe iria gosta dela.

    Falar de sua mãe para eles encheu seu peito de orgulho e saudades e ao perceber o interesse do Hokage nela, talvez não fosse o único a se sentir assim.

    Após comerem seguiriam viagem, assim que se levantou da mesa viu os adultos se afastarem e ela vir em sua direção.

    -Não tive oportunidade antes de agradecer a você por tudo que fez...pela vaga na universidade.

    Samir encarou a figura loira e sorriu

    -Não tem que me agradecer, tem que ser a melhor por lá para garantir sua permanência e orgulhar sua vila!

    Ela levou alguns fios dourados para detrás da orelha e sorriu sem jeito

    -É, eu sei...

    Mas parou de falar quando a morena se aproximou

    O Hadiya sorriu para a Uchiha que correspondeu

    Boruto também se aproximou começando a dizer como a comida daquele lugar era boa e tantas coisas mais.

    Notaram os adultos se aproximando novamente e então, sorrateiramente se aproximou da morena e sussurrou

    -Quando chegarmos quero que todos saibam que somos um só.

    E tocou sutilmente a mão de Sarumi pendida ao lado do corpo, ela a apertou levemente a soltando em seguida quando o Hokage se aproximou perguntando se ainda faltava muito para chegarem em Dohã.

    Não demorou muito! A medida que o ar ia se tornando seco e quente ele sabia que estava chegando em casa, a mudança da paisagem foi apenas uma confirmação.

    Ver aquelas dunas novamente depois de tanto tempo, mal via hora de caminhar sobre elas novamente com a luz do sol sobre a pele e dessa vez, com Sarumi junto a si.

    Ela estava ao lado da irmã admirando a paisagem do lado de fora, vez por outra os ônix caiam sobre si mas rapidamente voltavam-se para a janela. Inoue apenas se mantinha fixa no livro que tinha entre as mãos, Boruto era que falava sem parar puxando assunto com todos, agora dormia recostado em outra janela, mas o alivio só veio quando os carros pararam. Mal pôde acreditar quando viu a figura do tio ao longe, a reconheceria em qualquer lugar!

    Abriu a porta sem se importar com nada e coberto de saudades se jogou sobre a figura pomposa.

    -Tio!!!

    Samir pulou sobre as costas do homem quase o derrubando sobre a areia.

    -ladayk wasayit alsabii! (tenha modos garoto!)

    O olhar repreensivo de Amin não lhe causou nenhum efeito

    -Desculpem os maus modos do meu sobrinho.

    O que mais desejava naquele instante era aproveitar o entardecer no deserto.

    - lanurahuna? (Vamos apostar?)

    Mal via a hora de montar em um camelo novamente.

    - 'ant lm tukhrij min alkhade hataa alan wataetaqid 'anak darabatni

    (Você nem saiu das fraudas ainda e acha que ganha de mim?)

    Samir encarou o tio

    - 'ana mtakd (tenho certeza!)

    Era a oportunidade perfeita!

    Quando foi até o carro abriu a porta e ergueu a mão para a jovem. Inoue olhou dele para a mão estendida e então sem saber muito o que fazer a pegou, ele prontamente a ajudou a descer do veículo, então foi a vez dela.

    Ele a pegou com ambas as mãos e ela saltou para fora. O aroma tão peculiar que saía de seus longos cabelos negros lhe invadiu as narinas por um instante e ele percebeu que não conseguiria ficar muito tempo mais longe dela.

    Boruto já estava do lado fora quando se virou para o carro novamente.

    Quando subiu no animal passou a mão através do pelos sentindo a textura, como sentiu falta daquilo!

    Então olhou para ela e ergueu a mão.

    -Vem!

    Disse somente

    -Tem certeza?

    Ele sorriu

    -Não confia em mim?

    Então ela respirou fundo e se aproximou, ele a segurou a ajudou a subir sobre o animal que estava deitado sobre as patas, como todos os outros.

    Quando ele se ergueu sentiu o corpo dela tenso

    -Relaxe, está tudo bem.

    Falou próximo ao ouvido fino.

    Então ele deu o sinal e o animal começou a andar calmamente.

    E ele pode senti-la ali, junto a si, em cima do camelo através das dunas do deserto de sua nação.

    -Sempre quis fazer isso com você.

    Falou colando os lábios no ouvido dela.

    -Aqui é lindo.

    -Sabia que ia gostar

    Então sutilmente levou a mão até o ventre da Uchiha e a acariciou

    -Samir, meus pais estão logo atrás de nós

    -Eu não consigo evitar

    Então aspirou o aroma dos cabelos negros e colou mais seu corpo ao dela

    -Mal posso esperar para estar de novo com você

    Percebeu o sorriso que ela cedeu

    -Eu também.

    -Se chegarmos antes de todos teremos um momento só nosso.

    -O que?

    Sarumi questionou sem entender

    -Aceita meu desafio tio?

    Samir disse chamando a atenção de Amin -Você não aprende não é garoto... - Hayaa!!  (Vamos lá!!) O rapaz gritou e seu animal disparou.

    Sarumi ficou tensa a princípio, mas depois gargalhou de forma alta e graciosa

    O mais velho bufou e então o alcançou, e ambos ficaram lado a lado, disparados, em alta velocidade até sumirem pelo deserto.

    Ambos puderam ouvir os gritos que a mãe da morena dava, algo que tornava tudo mais divertido.

    -O que acha que aumentarmos a velocidade?

    Ela tinha os cabelos negros voando livres e soltos, virou-se sutilmente para trás e sorrindo concordou

    -Adeus tio!

    Samir e Sarumi sumiram pelo deserto afora. As dunas aos poucos iam mudando de tonalidade à medida que a noite caia e então finalmente ele pode senti-la por completo.

    Levou as mãos até o corpo curvilíneo e ela suspirou jogando a cabeça para trás.  Samir beijou seu pescoço passando os lábios até os ombros sentindo como a Uchiha se arrepiava com seu toque.

    -Quero ficar com você pra sempre.

    -Pra sempre

    Concordou quando sentiu as mãos dele chegarem a seus seios

    -Nada vai ficar entre nós.

    Então ela se ergueu e virou o tronco sutilmente para encontra-lo

    -Nunca!

    E buscaram os lábios um do outro que veio de forma irregular devido ao trotar do animal mas nem por isso menos intensa ou desejosa.

    -'ab, 'um! (Pai, mãe!)

    Assim que parou diante do grande palácio, não perdeu tempo, desceu do animal e gritou em alto e bom som, então as portas se abriram e de lá ele surgiu.

    O homem que era sua referência, seu centro.

    -Samir!

    Os grandes braços o envolveram e então se abraçaram de forma forte e intensa, Samir fechou os olhos ao ter a barba do pai roçando em sua pele, sentiu falta daquele contato.

    Zayn se separou do filho e segurou em seu rosto o olhando por inteiro, um hábito muito parecido com o que sua mãe fazia.

    -hasna? (está bem?)

    'iinaa rayie! (estou ótimo!)

    Então o olhar amendoado foi até o animal e viu a morena sentada no mesmo

    -nem 'ana 'araa (é, estou vendo)

    -Bem vinda querida!

    A atenção do Emir foi até a Uchiha

    Sarumi olhou de Samir para Zayn e sorriu sem graça

    -Obrigada

    -madha ean al'am? (e a mamãe?)

    -Sua mãe precisou sair em missão, não tarda a voltar, logo estará aqui conosco então preciso que me ajude com os convidados, certo?

    O Hadiya apenas concordou com a cabeça.

    Então se adiantou até a jovem a ajudou a descer do animal

    -Sou Zayn Hadiya, pai de Samir e governante deste lugar.

    -É um prazer conhece-lo, sou Sarumi Uchiha, companheira de equipe do seu filho.

    Zayn mirou Samir de soslaio e então voltou para a garota

    -Que ótimo.

    No minuto seguinte Amin chegava com a loira junto a si.

    -Mamãe, você está bem?

    Sarumi se aproximou da loira e ajudou a descer do animal.

    -Só um pouco enjoada...

    -Onde estão nossos outros convidados?

    Zayn perguntou olhando para Samir e Amin.

    Ambos se encararam e desviaram o olhar

    -Vocês dois não tem jeito mesmo!

    Pouco depois Boruto e Inoue chegaram e então Samir se encarregou de mostrar seus aposentos a eles.

    -Uau, quantos quartos vocês aqui?

    Boruto perguntou

    -Aqui dentro algo em torno de cinquenta e quatro.

    -Aqui dentro? Lá fora tem mais?

    -Sim, existem as casas e os complexos lá fora.

    -Nossa...

    O Uzumaki se mostrava cada vez mais admirado

    -E tudo vai ser seu?

    -Boruto!

    Inoue o repreendeu

    Samir sorriu

    -Não, quando meu pai morrer ou sair do cargo por algum motivo, tudo vai para o próximo Emir, não é um cargo hereditário, é por votação popular.

    -E você, quer ser Emir?

    O loiro o questionou

    -Você quer ser Hokage?

    Samir devolveu a pergunta ao rapaz

    Boruto ponderou e então permaneceu calado

    -Esse é seu Boruto.

    O loiro correu até a porta e abriu começando a soltar as exclamações de surpresa

    Samir se virou para a loira e foi até a próxima porta

    -Inoue...

    A Yamanaka lhe sorriu gentilmente e então foi para a porta mas parou ao ouvir a voz de Sarumi.

    -Eu não vou ficar com a minha irmã?

    -Temos um quarto só para você.

    -Mas eu nunca fiquei separada dela!

    O Hadiya sorriu e então foi para o outro lado do corredor

    -Tudo bem, temos um quarto maior bem aqui.

    E abriu o aposento para as duas.

    Sarumi olhou para a irmã aguardando que a mesma viesse a seu encontro, demorou um pouco mas ela o fez, então ambas adentraram no local.

    -Espero que seja do agrado de vocês, podem mexer no que quiserem e...

    Mas sua fala foi interrompida quando o animal peludo pulou em seu colo quase o derrubando ao chão

    -Ei rapaz, você veio até aqui, já estava indo te ver!!!

    Se abaixou e no mesmo instante recebeu todo o carinho esfuziante que Canino tinha para lhe dar depois de todo o tempo separados.

    -Você tem um cão!

    Boruto adentrou no quarto ao ver a cena

    -Esse é o Canino. Canino, diga olá a todos!

    O animal sentou-se e soltou uma sonora latida

    -Ele é lindo

    Inoue comentou se aproximando

    -Eu posso?

    -É claro!

    Então viu a loira acariciar os pelos acinzentados do cachorro  que se resfolegou com a caricia

    -O tenho desde criança

    -Kakashi?

    Samir se surpreendeu com a observação da loira

    -Sim.

    -É, dá pra sentir...e se parece com um dos animais dele.

    -Are, eu estou com fome.

    Todos começaram a rir

    -Você não tem jeito mesmo não é Boruto!

    Inoue disse se levantando e olhando para o loiro

    -Pois eu também estou, vamos comer!

    Era bom estar na companhia de jovens da sua idade, conversar, rir, se divertir, o filho do Hokage era meio mal-humorado mas por vezes muito engraçado. Inoue era inteligente, muito inteligente, algo que fez ele ter certeza que ela se daria muito bem ali em sua terra, era uma jovem sonhadora e esperava que se adaptasse bem ali afinal de contas.

    Tinha sim amigos, mas devido a sua posição de filho do Emir, aos treinos, estudos...o tempo era escasso, e poder ter amizades ao mesmo tempo que cumpria seu dever estava sendo ótimo.

    Mas nada era como poder estar ali na companhia dela.

    De Sarumi.

    Desejou aquilo com cada fibra de seu ser e ao se despedirem a noite para irem cada um para seu aposento, seus olhos se encontraram revelando o desejo mudo que estava ali.

    No dia seguinte seguiram junto ao pai por Dohã, enquanto Zayn se ocupava com seus visitantes mais velhos, ele se concentrava em mostrar a Sarumi a cultura local.

    Ficavam um pouco mais para trás para verem os temperos, as louças, os incensos, a arte, os tecidos, um deles foi escolhido especialmente para ela. Tudo feito sobre o olhar atento nos mais velhos, que pareciam distraídos com a comitiva.

    Quando voltaram para o palácio na hora do almoço foram para seus quartos se refrescarem um pouco.

    Antes que ela adentrasse em seu aposento, ele enrolou o tecido em seus cabelos negros e lhe piscou um dos olhos, ela entrou no quarto e ele seguiu para o seu.

    Assim que se deitou sobre o grande tapete, Canino pulou sobre si.

    -Ela é incrível não é rapaz?!

    O animal apenas o lambeu e o moreno sorriu

    Então Canino se ergueu e Samir se levantou em seguida

    Quando deu por si já havia saído acelerado pela porta em direção ao salão de entrada

    Ela estava chegando, podia sentir.

    -'Umi! (Mamãe)

    Assim que a viu não se conteve, seu impulso foi a agarrar e abraçar demonstrando toda a falta que fez.

    Quando a soltou ela a mirou de cima abaixo, assim como o pai. -Kayf halik? (Como você está?)

    -'Ana bikhayr al'umi la tuhrijuni 'amam alakhirin. (Estou bem mamãe, não me envergonhe na frente dos outros)

    Seu sensei e o Hokage estavam ali olhando diretamente para eles, e naquele momento seus amigos e Sarumi acabavam de chegar.

    Viu o sorriso da mãe e sentiu os dedos dela sobre sua face recebendo o beijo me seguida. -Venha, quero que conheça todos.

    Queria muito que ela conhecesse Sarumi.

    De todos, o que mais lhe importava era o que sua mãe acharia dela, de sua companheira de equipe.

    Da companheira escolhida por seu coração.

    -Umi!!!

    Abriu a porta logo se jogando sobre o tapete no chão junto as almofadas, um hábito que tinha desde a infância.

    -Venha aqui querido. Ele se levantou e pulou para a cama deitando a cabeça em seu colo.

    Aquele colo era insubstituível! O colo para o qual sempre correu durante toda sua vida, por todos os momentos fossem eles bons ou ruins, e seria naquele colo que encontraria alento e o apoio necessário para ter a confiança que precisava para pedir ao senhor Uchiha que lhe entregasse sua filha, Sarumi, a ele.

    -Acho que foi um choque e tanto pra você ver seus antigos companheiros de equipe. Comentou sorrindo -É...talvez um pouco.

    Os dedos dela em seus cabelos lhe davam uma sensação gostosa de quase sono, mas precisava se manter alerta e focado.

    -Mas parece que acabou sendo para eles também. Disse rindo de seu próprio comentário.

    Era explicita a forma como o Hokage e seu sensei olharam para sua mãe. -Como seu sensei tem lhe tratado?

    -Bem. Ele é um homem calado, mas sempre gostou de me ver lutar. Acho que agora ele sabe de quem eu herdei minhas técnicas.

    Olhou para a rosada e sorriu orgulhoso

    -Fiz como me disse, não contei a ninguém de quem era filho, queria que me reconhecem pelo que sou, não por ser uma sombra sua, ter meus méritos próprios, como você sempre disse.

    Sakura havia lhe dito antes de partir para que não revelasse a ninguém que era filho dela, para ele não fosse um reflexo seu ou sofresse um tratamento diferenciado, para que pudesse ter suas próprias conquistas sem ter o nome da mãe e até mesmo do pai envolvido.

    -Muito bem querido, fico orgulhosa de você. Mas sua mãe não o olhava, tinha as esferas perdidas em algum canto na imensidão do aposento -O Hokage que é muito engraçado, queria me levar sempre para comer rámen, acho até que engordei um pouco. Ele gostava de contar histórias da época de vocês, meu padrinho vivia o cortando dizendo que ele falava demais.

    A mente da rosada parecia distante, então tomou coragem e fez a pergunta

    -O que achou das garotas?

    -Hã? -As garotas mamãe...minha companheira de time, o que achou dela?

    Sentiu as caricias em seus cabelos cessarem e ela olhar dentro de seus olhos

    -Eu imagino que esteja animado em fazer parte de uma equipe...

    -Muito Alargou seu sorriso -Mas talvez não deva se envolver tanto com seus companheiros Naquele instante sua alegria se esvaiu -O que quer dizer? Então se sentou na cama e ficou cara a cara com a progenitora, queria entender bem o que ela dizia. -Estou lhe dizendo para prestar atenção no nível de relação que tem com eles, não quero que você se machuque... Ela levou a mão ao rosto dele mas seu cenho estava franzido

    Estava entendendo bem? -Então, se caso eu me envolvesse com alguma colega de equipe, você seria contra? O olhar negro se fincou ao dela -Porque? Tem algum interesse naquela garota? -Responda minha pergunta mamãe.

    Não, não era assim que era pra ser! -Você passou o que? Dois meses em Konoha...isso nem é tempo suficiente para alguém desenvolver um interesse amoroso... Então a interrompeu -Quanto tempo levou para você se apaixonar pelo meu pai?

    Sabia da história, sabia do amor fugaz mas ao mesmo tempo verdadeiro que seus pais tinham, porque com ele não podia ser real, verdadeiro?! Ela se calou, em seguida suspirou ficando de pé -Isso não vem ao caso agora Samir

    Não! Era claro que vinha, ela estava destruindo seus sonhos, o apoio dela era crucial! Ela sempre esteve ali, ele precisava dela, precisava... -Por que se... Começou já se levantando e indo até a mãe Então a rosada se virou e foi certeira -Fique longe das garotas Uchiha! Travou no lugar.

    Foi como receber um choque Era a primeira vez que sua mãe lhe dizia palavras tão duras. Logo ela... -Agora vá se trocar para o banquete.

    Um gosto amargo veio até sua boca e uma raiva desproporcional subiu por seu corpo, nunca em toda vida sentiu algo como aquilo. Não queria mais olhar para ela, saiu dali batendo a porta e indo a passos duros pelo corredor.

    Não era pra ser daquele jeito!

    Porque! Porque sua mãe era contra ele ter algo com ela?

    Não importava...pois de uma coisa tinha certeza.

    Nada o faria ficar longe de Sarumi.

    Nada o separaria dela!

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!