MAKTUB

Tempo estimado de leitura: 6 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 26

    Serpentear

    Adultério, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

    Após o jantar foi diretamente para seus aposentos, a noite havia corrido mais tranquila do que imaginava no fim das contas, e olhar o céu estrelado de Dohã sempre a ajudava a pensar.

    Quando a brisa fria do deserto a atingiu, envolveu seus próprios braços até se virar ao ouvir a porta no interior do quarto se abrir.

    -Aquele seu amigo realmente fala muito.

    Zayn lhe direcionou a palavra encostando sutilmente a madeira pesada e indo em direção a esposa.

    -Quase não consegui escapar dele!

    Sakura saiu da grande sacada e se encaminhou até ele.

    -Naruto sempre foi de falar muito, depois daquela quantidade de álcool, me admira que não tenha tentado fazer você virar a noite lá com ele.

    O Emir ergueu a mão até o rosto da mulher e lhe sorriu

    -Nada me faria ficar mais tempo longe de você.

    E se aproximou começando a roçar seus lábios nos dela

    -E também a esposa dele estava cansada e o arrastou para o quarto.

    Sakura sorriu com o comentário do marido

    -Não via a hora de estar com você, Habiba...

    Então ele aprofundou o contato, Sakura pôde sentir a língua ávida a invadindo e pedindo passagem, mas simplesmente elevou a mão até o peito largo e o parou.

    Zayn se afastou e a olhou confuso

    -Está tudo bem?

    Sakura o mirava intensamente, então lhe sorriu complacente e completou

    -Ainda não.

    Por fim se afastou.

    O ambiente do quarto continha os castiçais dourados, algo que os acompanhou desde os tempos do templo de pedra. A rosada apagou a luz e se encaminhou para detrás do biombo.

    As luzes advindas das velas contidas nos castiçais deixavam o ambiente misterioso, tenro.

    O Emir já podia imaginar o que a esposa estava tramando.

    Instantes depois, quando saiu de detrás do biombo, as roupas do jantar já não cobriam mais  seu corpo.

    Os vários véus em tom carmim profundo pendiam por suas pernas, na cintura o cinto dourado com pedrarias cantavam a medida que os movimentos  tão sedutores começavam e delineava seu ventre exposto, o busto, também coberto pela peça vermelha, deixava pequena tiras das mesmas pedras penderem pela barriga lisa, na cabeça o mesmo arranjo do jantar provavelmente já pensado para aquele momento.

    A música, tão profunda e lenta começou assim que ela se aproximou, andando lenta e placidamente, as pernas bem torneadas se movendo através dos véus.

    -Você fica esplêndida de vermelho!

    -É para o meu Emir...

    Zayn estava sentado sobre a grande cama redonda com o olhar fixo sobre os movimentos concisos e sensuais da esposa

    Ela parou a centímetros dele, com o ventre em diante de seus olhos.

    Ele aspirou lentamente o perfume daquela região e lhe beijando o umbigo e em seguida passando lentamente a língua no local.

    Sakura então movimentou os quadris fazendo as pedras balançarem lenta e pausadamente. Serpenteou as mãos as elevando até os cabelos longos do homem diante de si, os puxou para trás sutilmente e o olhou fundo nos olhos.

    -Trouxe algo da viagem

    Então foi se inclinando, bem lentamente, soltou as mãos dos longos cabelos de Zayn quando encostou os lábios finos na barba rala do queixo, seu busto passou bem próximo do rosto dele mas foram diretos, ela continuou se movimentando, os cabelos rosados caíram por sobre o colo do marido e antes que ele pudesse levar as mãos aos mesmos ela se ergueu os jogando para trás de uma vez só.

    E em suas mãos estava aquele ser...

    Os olhos do homem se arregalaram ao ver o animal, tão negro e escamoso

    -Uma víbora!

    Surpreendeu-se

    -Africana, uma das mais venenosas do mundo.

    Sakura passou o animal ao redor de seu pescoço e ele silvou

    A calda da serpente desceu entre os seios e a cabeça se ergueu em direção ao homem

    A rosada acariciou a cabeça do animal e movimentou o ventre, então num rompante desceu o corpo para trás, fazendo a víbora deslizar como por instinto por seu corpo, passando por seu seio e chegando a silhueta bem feita. A cerejeira movimentava as mãos enquanto sentia a pele fria do animal deslizar pela sua, quando a carne quente tocou sua pele se ergueu.

    Elevou o pé descalço até o peito do marido e o empurrou de volta, em direção a cama.

    Zayn lhe sorriu, aquele sorriso lateral que só lhe dava naqueles momentos, um sorriso cálido, desejoso.

    Seu marido então resfolegou-se nas carnes de sua perna pendida sobre si e passou a beijar o pé em seu peito, a rosada sentiu o arrepio, a serpente continuava descendo, indo até o membro elevado.

    Ela dançava e se esgueirava em sua barriga a medida que rastejava por seu corpo.

    Zayn beijava e lambia o pé sobreposto enquanto a rosada ainda remexia levemente os quadris atenta as caricias do homem, tilintando as joias presas nas roupas, então, quando o animal alcançou sua perna, ela o empurrou mais uma vez o fazendo se deitar sobre os lençóis macios, seu olhar tão carregado...exalava luxúria.

    Sakura subiu sobre os lençóis e se pôs sobre o marido, dançava em cima dele quando a cobra se enrolou em sua perna.

    A rosada o olhava intensamente com os olhos marcados pela maquiagem intacta, ondulou a barriga e o Hadiya sorriu, adorava quando ela fazia aquilo.

    Então subitamente o animal silvou e Sakura passou os dedos do pé onde a cabeça do animal silvava pelo corpo do Emir, desceu da lateral do rosto até o queixo e continuou, indo do pescoço ao peito, descendo pela barriga a medida que o animal se arrastava e continuava se esgueirando pelo corpo dela indo até o do homem, quando o pé da Hadiya encontrou o membro do marido  a víbora desprendeu-se de seu corpo e foi em direção a cama.

    Sakura massageou-o ali e Zayn fechou os olhos suspirando.

    -Tenho algo seu aqui comigo.

    O homem suspirou mais alto dessa vez e respondeu

    -Sim, você tem

    -Não falo disso...

    E Sakura pressionou mais o pé na região cessando o movimento em seguida

    -Me refiro à aqui.

    Disse levando ambas as mãos ao ventre exposto

    Zayn abriu os olhos, tinha os orbes amendoados elevados em direção a ela

    Olhou para a barriga plana e posteriormente para os olhos verdes

    - la ymkn 'an yakun...  (Não pode ser...)

    Os lábios grossos sussurram

    - 'iinaha alhaqiqa habib (É a verdade querido)

    Sakura sorriu e completou

    -Tem algo nosso aqui dentro.

    O olhar surpreso se transformou em um sorriso, um grande e largo sorriso.

    Ele a segurou pelas pernas e as beijou até chegar aos joelhos passando as mãos pelo corpo da rosada

    Sakura fechou os olhos com o contato

    As mãos dele eram tão, tão...

    Quando chegaram ao seu ventre, ainda por cima das suas, se manteve ali, então ele se aproximou e beijou o local de maneira forte e intensa.

    -Você sempre me fez feliz Habiba

    Zayn ergueu os olhos até ela

    -Está me fazendo mais ainda agora!

    Sakura passou as mãos pelo rosto do marido que fechou os olhos ao receber a carícia

    Então em um rápido movimento, ele abraçou suas pernas e a jogou sobre a cama

    A rosada soltou uma grande e sonora risada.

    - 'iinaa ahbk (eu te amo)

    Ele disse antes de lhe tomar os lábios com lascívia enquanto a serpente apenas rastejava seu corpo frio para o chão do aposento.

    E ali mataram as saudades que sentiam, pois agora algo mais completava aquilo que existia entre os dois.

    Olhou para o corpo desnudo dormindo a seu lado, se levantou lentamente e foi atrás do robe para cobrir a sua própria nudez, quando o vestiu procurou pelo animal pelo quarto, estava em um canto próximo a sacada, enrolado e silencioso.

    Se aproximou e o pegou, ele silvou e ela sorriu.

    Então foi até a base da cama e o deixou novamente dentro da cesta forrada, logo pela manhã pediria para virem busca-lo, a espécie seria feliz junto as outras no serpentário.

    Ao se por de pé novamente sentiu uma volta no estomago, talvez todas aquelas frutas secas no jantar não tivesse sido uma boa ideia, olhou para o marido ressonando tranquilamente e decidiu tomar algo para aliar o desconforto, não usaria chakra para algo como aquilo.

    Foi até o banheiro e buscou o remédio para náuseas mas ao retornar ao quarto não encontrou a jarra com agua que sempre ficava por ali.

    Talvez os criados tivessem se esquecido devido a magnitude do jantar daquela noite.

    Suspirou resignada e foi até a porta, poderia tomar o comprimido a seco mas devido ao que sentia não queria correr o risco do mesmo travar em sua garganta e ela golfar o que estava em seu estômago.

    Então resolveu ir até a cozinha, saiu descalça mesmo, sentindo um arrepio quando os pés tocaram o mármore frio fora do grande tapete ornamentado, não queria correr o risco de acordar seu marido.

    Abriu levemente a porta pela minúscula fresta que havia permanecido aberta e esgueirou-se para fora do quarto sorrateiramente.

    Caminhava a passos rápidos, todo o corredor estava escuro devido ao avançar da hora mas a luz do luar advinda das grandes janelas em estilo marroquino, pintava as paredes suavemente permitindo que a penumbra suavizasse um pouco

    Ela sentiu quando a mão a alcançou.

    Virou-se alarmada e então encontrou

    Aquele olhar...

    Ele a mirava, o olho negro cravado em sua figura

    Quando tomou ar para dizer algo ele foi mais rápido

    -O garoto...

    Pausou por um instante

    Sakura o viu chegar mais perto, os cabelos negros como aquela noite se movimentaram e uma leve nuance do olho lilás se fez presente por detrás da franja longa.

    -...ele é meu?

    A mão grossa tocava a pele de seu braço, aquele contato parecia queimar sua carne.

    -Nunca mais toque em mim!

    E aquela pergunta foi como receber um tapa

    Retirou o braço do agarre e o encarando respondeu firmemente

    -Em nenhuma realidade algum filho meu seria seu.

    Ele não recuou, se manteve próximo, a rosada então se virou, respirou profundamente e continuou seu caminho

    -Sakura...

    Ouviu seu nome ser chamado, mas tudo que se limitou a dizer foi

    -Boa noite.

    E seguiu seu caminho

    Ao chegar a cozinha, sequer acendeu as luzes, apoiou ambas as mãos sobre a pia e fechou os olhos.

    Passou uma delas sobre a testa e sentiu que o remédio estava ali, olhou para ele, nem sabia se ainda estava nauseada, na verdade não saberia dizer o que estava sentindo, possivelmente um emaranhado de emoções complexo demais para tentar compreender.

    Jogou o comprimido sobre a pia e suspirou.

    Talvez toda aquela diplomacia não valesse a pena.

    Na manhã do dia seguinte demorou-se mais que o normal para se aprontar. Zayn estava feliz, e a felicidade dele definitivamente era contagiante.

    Não deixaria que o infortúnio do encontro que teve na noite anterior estragasse seu momento, o momento dos dois.

    -Se quiser adiamos a reunião dessa manhã para tarde, sei que não dormiu bem.

    Ela terminava de transpassar o véu num tom verde muito parecido com seus olhos pelos cabelos e lhe sorriu através do espelho.

    -Não vou abdicar das minhas obrigações.

    Zayn então se aproximou e se inclinou levando uma das mãos ao ventre ainda plano.

    -Só não quero que se chateie.

    Sakura pousou sua própria mão sobre a do marido e lhe sorriu

    -Só vou me chatear se nos atrasarmos!

    Ele sorriu e se ergueu

    -Você é uma Emir melhor do que eu!

    Então ele se virou e enquanto ia para a porta disse

    -Vou preparar nossos convidados.

    A rosada o viu sair pela porta e nada respondeu, apenas voltou seu olhar para o grande espelho diante si e admirou seu reflexo por um minuto.

    Os lábios apenas com um brilho natural e os olhos marcados, colocou a pedra também esverdeada sobre o losango na testa e se considerou pronta.

    Era a hora...

    A primeira reunião diplomática com a comitiva de Konoha!

    Os saltos andaram a passos apressados até a sala de reuniões do palácio, quando chegou na porta parou, respirou fundo e adentrou de uma vez.

    Todos já estavam sentados.

    -Que bom que chegou Habiba, só estávamos te esperando.

    Zayn estava na ponta da mesa, então se encaminhou até seu lugar de costume, na cadeira ao lado direito, a sua frente, do lado esquerdo do irmão, estava Amin.

    Naruto estava na outra ponta, circundado por Temari, Sasuke e Ino.

    -Acredito que já podemos começar.

    O Emir deu por iniciada a reunião.

    Manteve-se fixa nas palavras do marido o dando apoio quando necessário, o que praticamente não foi preciso, então foi a vez de Naruto falar. Só então os olhos verdes se viraram para aquela direção.

    E se mantiveram fixos no Hokage.

    -Então o time sete veio como sendo a primeira equipe representando os ninjas da vila.

    Naruto falou, Sakura por um momento sentiu orgulho do amigo, ele se portava com um verdadeiro líder, como o Hokage que um dia sonhou se tornar com tanto afinco.

    -Trouxemos também uma de nossas ninjas para estudar e se aprimorar na medicina de vocês, que como todos sabem, é a melhor do mundo. Esperamos que no futuro outros possam vir  a fazer algo assim

    Sakura ergueu a sobrancelha.

    -Inoue se mostrou muito interessada em aprender sobre ninjutsu médico em Dohã e...

    As palavras do Uzumaki se perderam em sua mente

    -Só um momento. A rosada o interrompeu -Então a menina veio para estudar aqui?

    -Sim, algum problema com isso?

    Naruto questionou

    Sakura então direcionou o olhar de um para o outro. Eles não haviam dito nada até então

    -Ela recebeu uma carta a convidando para vir para cá.

    Foi a voz grossa do Uchiha que se fez no ambiente

    Os orbes verdes encontraram os dele

    -Não sabia?

    Ele a mirava

    -Não, não havia sido informada.

    Sakura sentiu quando a mão do marido encontrou a sua sobre a mesa, mas seu olhar continuava preso ao dele.

    -Sasuke...

    Ino começou com a voz baixa

    -Foi seu filho quem a convidou.

    Ele completou

    Surpreendeu-se com a revelação.

    Mas não demonstrou.

    -Entendendo.

    Disse por fim.

    -Há algum problema nisso Sakura, Inoue fica impedida de estudar aqui de alguma forma?

    Temari fez a pergunta e todos os olhares caíram sobre si.

    A mão de Zayn apertou a sua e então a cerejeira sorriu

    -Não, de maneira nenhuma, ela será muito bem-vinda em Dohã.

    Olhou para Naruto, depois para Temari, para a figura loira a seu lado, e seguida e por último para o Uchiha.

    -Será um prazer tê-la em nossa universidade.

    Num instante foi como se uma nuvem densa se dissipasse do ambiente e no minuto seguinte outro tema já era tratado.

    Temari falou da política interna de Konoha e das boas reações que ela tinha com Suna, sua terra natal, então as relacionou com as boas políticas entre Dohã e Suna, assim não haveria o porquê das relações entre a vila da Folha e nação do Deserto não serem boas e prosperarem em conjunto.

    A conversa se seguiu e então sua atenção foi chamada

    -O que acha querida?

    -Hã?

    Sakura olhou para o marido

    -Desculpe, acho que não estou me sentindo muito bem.

    Então se pôs de pé

    Zayn se levantou em seguida

    -Quer que te acompanhe?

    -Não, termine a reunião.

    Então se virou para os outros

    -Precisarei me retirar, me desculpem, Zayn e Amin cuidarão de tudo e ficarei a par de todos os pormenores. Até mais tarde.

    Então saiu sem olhar para trás.

    O enjoo estava lá novamente mas também aquele desconforto.

    Foi reto em direção ao quarto do filho

    Assim que adentrou no local foi recebida com alegria pelo animal grande e acinzentado.

    Sakura se inclinou e lhe acariciou o pelo, olhou ao redor e percebeu de imediato, Samir não estava ali.

    Quando a criada entrou com um grande cesto de roupas entre as mãos perguntou pelo filho

    - w samir? (E Samir?)

    - kharajat lirukub sayidat aljamal (Saiu para andar de camelo senhora)

    Claro, onde mais ele estaria?

    Ainda mais deixando Canino ali, sozinho...seria somente para sair por aí, andando pelas dunas sobre o animal de corcovas até esquecer-se do mundo.

    - yahtaj 'iilaa 'ayi shay' sayida? (precisa de mais alguma coisa senhora?)

    - la shukraan (não, obrigada)

    Mas então, antes da moça sair a parou no caminho

    - balmnasbt, eindama yaeud, 'atlubu minh almaji' 'iilaa gharfati

    (aliás, quando ele voltar, peça que venha até meu quarto)

    - nem sayidati (sim senhora)

    Então a criada saiu.

    Sakura acariciou novamente os pelos grossos das costas de Canino e apenas sussurrou para o animal

    -O que ele está aprontando?

    -Queria me ver?

    A rosada fechou o livro quando o rapaz adentrou no aposento

    -Sim, onde estava?

    -Por aí...

    Ele respondeu ao se aproximar da figura materna

    A rosada se levantou da mesinha próxima a janela onde lia o livro sem prestar muita atenção e foi até ele

    -Está suado

    Ela sorriu ao ver a face de Samir levemente molhada

    -Fui andar de camelo...

    -E perdeu a hora, eu sei, já conheço esse discurso.

    Ela o mirou e suspirou

    -Porque deu sua vaga na universidade para a garota Uchiha?

    Viu o filho desviar o olhar, ele sempre fazia aquilo quando sentia que havia feito algo de errado

    -Porque era o sonho dela.

    -Aquela vaga era sua Samir, você a dispensou sem nem nos consultar

    -Pensei que a escolha fosse minha.

    Ele a mirou, os olhos escuros e intensos eram fulminantes

    -E é. Jamais forçaria você a fazer algo que não deseja, se quer doar sua vaga, doe, mas se voltar atrás, vai precisar se esforçar muito para conseguir outra.

    Finalmente o garoto sorriu

    -Não se preocupe.

    Sakura ponderou e então fez a pergunta

    -Porque ela? Porque a garota Uchiha?

    -Porque ela me lembra você.

    A rosada se sobressaltou

    -Não na aparência. Ele continuou -Mas no amor pela medicina, ela queria muito isso, mais que qualquer coisa no mundo, me lembro como me disse que era o que queria também...a mãe dela não era a favor que estudasse essa área, foi o jeito que encontrei de ajudar.

    A cerejeira se aproximou e tocou no rosto anguloso

    -Você é um bom rapaz.

    Então as portas de madeira maciça se abriram e o Emir adentrou no recinto

    -Que bom ver vocês dois juntos. Se sente melhor Habiba?

    Sakura desceu a mão e sorriu para o marido

    -Sim, foi só um mal-estar

    Então olhou para o rosto do filho e prosseguiu

    -Mas já passou

    -Já contou a novidade a ele?

    Sakura viu o filho franzir o cenho

    -Que novidade?

    Zayn foi até a rosada e a abraçou por trás.

    -Você não vai mais ser um Hadiya sozinho no mundo.

    Os olhos ébano olhavam do pai para a mãe

    -Eu vou...

    -Ter um irmão!

    Completou o Emir

    Samir abriu a boca atônito

    Ficou sem dizer nada por um longo momento

    -Acho que ele não gostou da ideia.

    Sakura sussurrou ao marido que ainda a abraçava

    Então de repente sentiu o agarre do mais novo, os braços fortes de seu primogênito a envolveram e ela tinha certeza que também alcançavam ao pai.

    -Eu não sou mais só!

    E os apertou naquele abraço triplo, com Sakura ao meio, sendo espremida, mas sentido toda a intensidade daquela contato

    E ali ela soube que nada poderia separar aquela família

    A sua família!

    -Vamos fazer uma grande festa para comemorar!

    Zayn disse quando Samir os soltou

    -Habib, acabamos de dar um jantar.

    -Não é todo dia que uma nova vida preenche nossa casa!

    -Sim mamãe, é o filho do Emir...temos que comemorar, todos das nações ao redor vão querer festejar com a gente.

    A rosada balançou a cabeça e suspirou resignada

    -Será que algum dia vou ganhar uma conversa contra vocês dois?

    Samir encarou o pai por cima da cabeça da mãe, então ambos responderam em uníssono

    -Não!

    Sakura sorriu e levou a mão a barriga

    -Mas esse aqui vai ficar do meu lado!

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!