Redenção

Tempo estimado de leitura: 2 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 2

    O tempo escorre entre os dedos que unem nós dois

    Álcool, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoiler, Violência

    Abriu os olhos ao ouvir um barulho, passara boa parte da noite em claro mesmo seu corpo reclamando pelo cansaço da viagem.

    -Merda...

    Escutou um baixo xingamento e direcionou o olhar para o local de onde vinha o barulho, instantes depois a figura da rosada apareceu após ter aparentemente buscado algo que havia caído no chão, viu ela se afastar mas voltar logo em seguida.

    Estava diferente do dia anterior, os fios presos em algo parecido com um coque mal feito, as roupas eram grandes e largas, compostas por um longo casaco de lã rosa como seus cabelos e algo parecido com uma calça legging branca por baixo deste, nos pés meias também de lã.

    -Desculpe se te acordei.

    Ela disse após notar os olhos do moreno a encarando enquanto colocava o desjejum sobre o balcão que servia de mesa e dividia a sala da cozinha.

    -Ainda estou me acostumando com as coisas dessa casa.

    Ela falava mas continuava se movimentando, parecia muito a vontade do ponto de vista dele.

    Por fim, após finalmente parar ela olhou para o balcão e pareceu satisfeita.

    Então seus olhos caíram sobre o Uchiha, que apesar de acordado permanecia ainda deitado sobre o sofá.

    -Não vai se levantar?

    Questionou a Haruno.

    Então sobre o olhar atento da mesma ele retirou o enorme cobertor que estava sobre si e sentiu um arrepio.

    Agora sabia porque a rosada estava agasalhada daquela forma, as manhãs de Oto eram bem frias, essa lembrança era algo vago em sua memória pois poucas vezes esteve na superfície do local, já que o esconderijo de Orochimaru era no subsolo.

    Então se levantou, usava uma camisa sem mangas com o símbolo de seu clã no peito e calças compridas.

    -É melhor se agasalhar.

    Ela completou após pousar o bule com o chá sobre o balcão.

    Após o ato colocou as mãos sobre o mesmo e suspirou.

    -Desculpe, você é adulto, sabe o que está fazendo. Faz anos que não saio em missão com alguém, acho que perdi o jeito.

    Ele se aproximou e  olhou para a comida posta.

    Havia arroz cozido no vapor, sopa de missô, omelete e chá.

    Ficou surpreso em não ter acordado antes enquanto a rosada preparava aquilo tudo, mas realmente o caminho de Konoha até Oto fora longo...além da insônia apesar de ambos terem se recolhido cedo para dormir.

    -Não tem problema, também não estou acostumado a fazer missões com outra pessoa.

    Então se lembrou de sua última missão em conjunto, a missão em que a viu sobre uma bandeja, onde ele foi recrutado apenas porque era seu próximo alvo...

    -Vou me lavar. 

    Foi tudo que disse antes de se virar e subir as escadas indo em direção ao banheiro, mas não sem antes pegar sua mochila encostada na lateral do sofá.

    Sakura não disse nada, apenas observou o moreno subir as escadas tranquilamente e sumir.

    Desviou o olhar para o sofá desarrumado.

    Soltou o ar pesadamente e sentou sobre um dos bancos da bancada.

    Enquanto sentia a água quente bater sobre seu rosto somente uma pergunta martelava em sua cabeça, a mesma que o mantivera acordado quase a noite toda.

    Sorveu o liquido quente sentindo todo o calor do mesmo a preencher, a todo instante seus olhos caiam para o sofá, abaixou a tigela e se recriminou. Pegou os hashis já pronta para comer quando ouviu os passos vindos da escada.

    Agora o Uchiha vestia uma roupa toda preta que cobria todo seu corpo, o símbolo de seu clã ficava em uma das mangas. Os cabelos estavam levemente úmidos.

    Então ele se posicionou em outro banco, de frente para ela e recolheu os hashis.

    -Itadakimasu. 

    Disse antes de levar um punhado de arroz a boca.

    Então ambos comeram no mais profundo e aterrador silencio.

    Tentava prestar atenção na comida, por fim deixou os hashis de lado e levantou o olhar

    -Por que aceitou vir nessa missão?

    Ele a pegara desprevenida...

    Imaginou que em algum momento o Uchiha questionaria  seus motivos em estar ali, mas não pensou que seria assim, não de repente, não no meio do fúnebre café da manhã que estavam tendo.

    -Por que Naruto me pediu.

    A rosada pousou seus hashis sobre a mesa.

    -...eu devia isso a ele. Completou

    Então se levantou sem dizer mais nada e levou sua travessa e os hashis para a pia, o moreno acompanhou cada movimento, desde a pausa para puxar ar até os dedos pousando os utensílios no fundo da pia de pedra.

    Ela se virou e prosseguiu.

    -Vou me arrumar para o trabalho.

    E se retirou.

    Sasuke ficou ali, com as mãos ainda pousadas sobre os hashis na bancada.

    Desceu as escadas e pode observá-lo mexendo em sua espada sentado sobre o sofá agora já arrumado.

    Assim que pisou no último degrau também notou que a bancada com o café da manhã já estava limpa.

    Antes que pudesse dizer algo sentiu alguém se aproximando.

    Percebeu que o moreno também já que se levantou e se encaminhou até a porta.

    Assim que ele a abriu a rosada pode ver um homem grande e de máscara.

    - Sakura Haruno. 

    Foi tudo que ele disse.

    Sasuke encarava o homem que o encarava de volta.

    Então ela passou pelo Uchiha e se postou entre os dois.

    -Sou eu.

    - Sou Sano Ishihara, vim te buscar para leva-la ao nosso centro médico.

    -Claro. 

    Então ela se virou para Sasuke.

    -Até mais tarde.

    E se encaminhou para junto daquele homem.

    Só então ele viu que ela estava com o mesmo estilo de roupa de batalha do dia anterior, pelo menos dessa vez usava uma blusa de tela por baixo.

    Suspirou e fechou a porta, mas antes que desse as costas sentiu novamente um chakra, dessa vez totalmente desconhecido, então voltou a abri-la.

    O ninja arregalou os olhos.

    - Sasuke Uchiha...

    -Pois não?

    Foi seco.

    -Eu sou Hiroki Ogawa, Sugimoto-sama me deixou responsável por lhe mostrar nossa força militar.

    O jovem a sua frente parecia ter quase metade da sua idade e era bem franzino, os cabelos castanhos claros espetados e olhos bondosos demais para um ninja, a faixa com o símbolo do Som pendia meio torta em sua testa.

    Sem dizer nada, Sasuke adentrou na casa e pegou sua capa e sua espada, o jovem permaneceu parado o esperando.

    Assim que o moreno saiu e fechou a porta o jovem comentou levemente sorridente.

    -O senhor é uma lenda!

    Sasuke o considerou por um instante...

    Depois começou a caminhar

    -Preciso que mostre o caminho.

    Então o jovem se apressou e ficou a seu lado.

    -Espero que não tenha medo de lugares escuros.

    Foi o que Sato disse à Sakura assim que eles chegaram.

    Eles então desceram até o local.

    A rosada escondeu bem a surpresa ao notar que o centro médico ficava em uma das alas onde antes era o esconderijo de Orochimaru.

    O lugar não tinha estrutura de um hospital, mas sim de um laboratório, Sakura podia imaginar as coisas terríveis que possivelmente aconteceram ali...

    Eles não tinham leitos, tinham algumas macas. A luz era fraca e amarela. O ar não circulava direito.

    -Esta é Naomi, ela quem coordena tudo por aqui.

    Sakura olhou para a mulher, não saberia dizer a idade dela mas a mesma pareceu corada ao olhar para Sano.

    Ela fez uma sutil reverencia e se apresentou.

    -Sou Naomi Yamada, é uma honra tê-la aqui Haruno-sama

    Sakura sorriu para ela.

    -Apenas Sakura, somos colegas de profissão afinal de contas.

    Naomi pareceu se surpreender.

    -Quem sou eu para chegar ao seu conhecimento e talento.   E sorriu sem graça.

    -Com esforço e dedicação, todos podem chegar.  A rosada completou.

    -Bom, vou deixar Naomi lhe acompanhar a partir daqui, volto mais tarde para lhe levar pra casa.

    Sano já se virava para se retirar mas Sakura o interrompeu

    -Não creio que seja necessário. Acho que já memorizei o caminho.

    -Katsuo-sama faz questão. Vocês de Konoha são cruciais para nós.

    -Bom, já que é assim, tudo bem então. Até mais tarde.

    Ele nada respondeu, apenas se virou e se encaminhou para a superfície.

    -Sano-kun é muito misterioso e sério...

    Comentou Naomi ao lado da cerejeira.

    -É, eu percebi.

    Não haviam trocado meia palavra o caminho todo.

    Ele a lembrava alguém. O porte, aquele ar misterioso, sério, meio rude...

    -Mas mesmo assim é o braço direito de Katsuo. Se ele deslocou Sano de suas funções para a acompanhar é porque ele realmente se preocupa com seu bem-estar.

    A rosada ouviu o que a outra disse mas não respondeu.

    Então se virou para a mesma e sorriu.

    -Então, me mostre tudo!

    Sasuke chegou a pensar que Otogakure teria algumas aberrações nas mãos como armas. Mas não foi o que encontrou quando chegou em algo como a sede militar local.

    Em Oto eles dividam os ninjas em grupos Alfas, Betas e Ômegas.

    Os ninjas Alfas eram os mais altos cargos, como os Jounins, os Betas no meio, como Chuunins, e os Ômegas eram como os Genins de Konoha.

    Eles ainda não tinham forças especiais, algo como a ANBU, então era nisso que o Uchiha tinha que se concentrar.

    Assim que chegou no local percebeu que lá, em Oto, as divisões e treinamentos eram feitas a partir do talento do ninja e de seu poder prévio, kekkey genkai, habilidades despertadas ou adquiridas e assim por diante. Lá eles não eram divididos por equipes, eles pregavam a unidade, todos eram uma equipe, Sasuke podia imaginar o porquê, afinal cada um ali vinha de um lugar, passaram por situações traumáticas, foram usados, abandonados...

    Eles eram sozinhos, precisavam se sentir unidos...como a célula tripla que Kakashi falava em sua própria época de Genin.

    Pode perceber os olhares tortos assim que entrou no galpão que servia de base.

    No começo só observou, viu o que eram os Alfas treinando os Betas, e os Betas treinando os Ômegas.

    Hiroki ia lhe explicando tudo à medida que passavam pelos espaços, muitos paravam para os encararem.

    Ouvia os buchichos, sabia que podia não ser bem-vindo.

    -Ora, ora...o filhote de cobra!

    Então começou.

    Um ninja alto e magro, extremamente cadavérico se aproximou.

    -Só estava mostrando o galpão de treino para o Uchima-Sama Aoki, não crie confusão, sim.

    Hiroki disse.

    -Não sei como Katsuo-sama é capaz de aceitar alguém como ele aqui, olhe o que aquela cobra fez com a gente!

    Alguns outros se colocaram atrás do ninja, outros permaneceram onde estavam e outra parte se afastou.

    -Você disse bem, Orochimaru foi o grande culpado pela sua desgraça e de grande parte das pessoas aqui, não Uchiha-sama.

    -Ele era discípulo dele!

    Sasuke nada dizia, permanecia em silencio encarando o ninja que bufava.

    -DIGA ALGUMA COISA COBRA MALDITA!

    Então aconteceu, após se manter estático, o ninja, Aoki, partiu pra cima de Sasuke.

    O ninja soltou um grito estridente e a partir deste som algo parecido com uma enorme bola preta com as bordas vermelhas se formou, ele a agarrou uma das mãos e voou com tudo sobre o moreno.

    Então a pupila girou e o Mangekyo Sharingan se fez presente.

    A enorme armadura cor purpura envolveu seu corpo exatamente aonde o golpe seria atingido.

    Mas Aoki não parou, ele continuou produzindo as bolas negras flamejantes, e quanto mais ele atacava mais o Susanoo se formava e protegia o corpo do Uchiha.

    Quando o corpo roxo do enorme Samurai estava quase todo completo envolvendo o moreno, e o ninja Aoki já estava praticamente sem chakra, Sasuke desfez seu poder ocular.

    Ninguém se atreveu a se intrometer.

    Aoki estava de joelhos, pingava suor e respirava com dificuldades.

    -Acredito que já vi o bastante por hoje Hiroki, já tenho informações suficientes.

    Então se virou e se encaminhou para a saída do galpão.

    -H-hai, Uchiha-sama! Hiroki respondeu antes dele chegar as enormes portas.

    Mas então recostado em uma das mesmas estava Sano, observava tudo sem nada dizer.

    Sasuke passou por ele e ajeitou a Kusanagi na cintura.

    -E Sakura?

    Perguntou sem encará-lo.

    -Está onde disse a ela que a deixaria.

    Sasuke direcionou o olhar levemente para a lateral, para ele.

    O brilho vermelho ainda estava lá.

    Então continuou seu caminho.

    Já era noite quando decidiram finalizar, Naomi e Sakura fizeram uma ronda por todo o local, de início a rosada iria se concentrar na estrutura, depois nos médicos e por fim nos casos mais graves.

    Era muito trabalho.

    Não achou que ele estaria ali, mas estava.

    Sano estava na saída do que antes fora o laboratório de Orochimaru, a esperando.

    -Realmente não era necessário ficar me esperando até essa hora, eu posso voltar sozinha sem problemas.

    -Já disse que são importantes.

    E então ele se virou pronto para sair do local.

    Sakura o seguiu.

    Oto era cercada pelo bosque, então para onde quer que se olhasse se via árvores.

    E o local do centro médico ficava numa área mais afastada da vila.

    Caminharam mais uma vez em silencio.

    Quando estavam se aproximando do centro e a movimentação de pessoas já aumentava, Sakura percebeu como as mulheres olhavam para seu acompanhante.

    Aquilo realmente lhe era familiar.

    Ao avistar a casa, a rosada começou a falar.

    -Fico grata pela sua ajuda, mas diga a Katsuo que não é necessário deslocar um de seus ninjas apenas para me acompanhar.

    -Então seu marido poderia acompanha-la.

    Ele disse. Sakura parou de andar.

    -Eu não tenho marido.

    Então foi a vez de Sano parar de andar.

    Ele se virou para a rosada.

    Mesmo com a máscara ela conseguiu ler a expressão de confusão no rosto do ninja.

    -E...   ele começou

    Mas ela o interrompeu.

    -Sasuke e eu não somos casados.  Ele era casado, mas não comigo, acho que fizeram uma confusão ao acharem que era eu sua esposa. Éramos colegas de equipe em Konoha, a muitos anos.

    Então a expressão no rosto do outro voltou ao normal.

    -Então continuo lhe acompanhando.

    Sakura suspirou.

    -Como queira.

    E passou por ele indo para a casa.

    -Boa noite Haruno-sama.

    Ele disse após a rosada abrir a porta.

    -Boa noite, Sano.

    E então entrou a fechando em seguida.

    -Boa noite Sano.

    Foi tudo que Sasuke ouviu assim que a rosada adentrou na casa.

    Terminava de escrever no pergaminho sobre a pequena mesa de centro na sala.

    Escutou a mesma retirar os sapatos e se adiantar até a sala.

    -Tadaima.

    A Haruno disse.

    Não ouviu nenhuma resposta, mas não é como se a esperasse.

    Sakura sentiu um aroma diferente na casa.

    Sasuke retirou o olhar do pergaminho e pronunciou.

    -Tem comida no forno.

    -Você fez o jantar?!

    Ele nada disse.

    -Tudo bem, eu vou me trocar.

    Então ela subiu as escadas.

    E com ela as pernas desnudas...

    Sasuke voltou os olhos para o pergaminho mas já não prestava mais atenção no mesmo.

    Alguns minutos depois e ela desceu recém banhada, com os cabelos presos, usava uma calça de moletom e uma regata branca.

    Então sem lhe dirigir a palavra foi até a cozinha e abriu o forno, lá a rosada viu que em uma travessa havia peixe com tomates e em outra arroz.

    Havia uma quantidade grande.

    Então a cerejeira esquentou ambas as travessas e as colocou sobre o balcão, foi até um dos armários e pegou um prato e os hashis.

    Serviu-se com uma certa quantidade e começou a comer, passados alguns instantes  Sasuke se levantou, foi até o mesmo armário, pegou também um prato e hashis.

    Sakura o observou se servir e começar a comer.

    -Ainda não tinha comido?

    Ele maneou a cabeça.

    Instintivamente Sakura olhou para o relógio na cozinha.

    Já passava das dez

    -Não senti fome.

    Ele completou o raciocínio da rosada.

    Então ela voltou a atenção para seu prato e comeram em silencio.

    Sakura lavou os pratos e depois se recolheu para o quarto, já Sasuke voltou para seu pergaminho.

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!