Redenção

Tempo estimado de leitura: 2 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 1

    Onde eu possa me arrepender dos erros

    Álcool, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoiler, Violência

    Continuação da fanfic A Outra!

    O caminho até Otogakure não era uma tarefa fácil, o lugar fora escolhido a dedo por Orochimaru para ser o mais afastado e escondido possível para suas ambições e experiências.

    Mas não para ele.

    Sasuke conhecia muito bem aquele caminho.

    Otokagure ficava dentro do País dos Campos de Arroz...

    “Talvez ela já esteja lá”

    Esse pensamento rondava sua mente desde o instante em que saiu do País do Fogo.

    Não sabia mais notícias dela.

    Também não havia perguntado.

    Todas as vezes que pensava nela sentia seu peito disparar, só não sabia se era por raiva ou por outro motivo.

    Talvez descobrisse quando finalmente a visse.

    Assim que chegou aos limites do País dos Campos de Arroz aumentou a velocidade até a Vila do Som.

    Não sabia o que iria encontrar. Antes o Som era apenas um amontoado de bases e esconderijos para as experiências de Orochimaru, agora...só Deus sabe.

    O mesmo havia abandonado tudo à mercê da sorte após a guerra, dizia-se aliado da Folha mas estava sumido já a algum tempo, a realidade é que nunca ninguém jamais saberia na realidade as verdadeiras intenções do antigo sennin.

    Assim que chegou no local Sasuke se surpreendeu, a entrada da Vila que antes era demarcada por uma arvore especifica, agora era grande e vistosa, logo um homem parou diante de si, era tão alto quanto o Uchiha mas mais robusto e com a pele mais morena, os cabelos castanhos claros levemente atrapalhados lhe davam um ar selvagem mas por usar uma máscara que tapava metade de seu rosto apenas os olhos escuros eram aparentes.

    -Uchiha Sasuke.

    A voz grave e levemente abafada se fez presente.

    O homem o encarava com uma expressão nada amigável.

    -Eu o conheço?

    -Me acompanhe.

    O ninja que usava o hitaiate com o símbolo do Som sobre o braço apenas lhe deu as costas e começou a andar.

    Sasuke estreitou o olhar e continuou parado no mesmo lugar.

    O outro notando que o Uchiha não o seguia disse em tom breve.

    - Katsuo-sama aguarda sua chegada em seu gabinete.

    Katsuo Sugimoto, esse era nome da pessoa que constava como a espécie de líder de Oto.

    Então Sasuke posse a andar.

    Era realmente muito estranho estar ali.

    Se lembrava das instalações subterrâneas, mas agora a pequena Vila parecia surgir de dentro do solo, as singelas construções iam ocupando a floresta dando um ar rustico e único ao local.

    E por onde ele andava era observado.

    O lugar não era muito cheio como era de se esperar, mas havia sim uma quantidade considerável de pessoas transitando pelas ruas abertas entre o que antes fora o bosque.

    Alguns o olhavam surpresos, outros com admiração, outros suspiravam e por fim, outros fechavam as feições.

    Podia imaginar o que aquela gente pensava dele, afinal ele fora discípulo de Orochimaru...

    Assim que chegaram diante da pequena construção de pedra subiram as escadas até o andar superior, lá havia uma jovem detrás de uma mesa muito absorta mexendo na infinidade de papeis sobre a mesma.

    O ninja soltou um pigarro.

    -Oh! Sano-kun.

    A jovem se sobressaltou ficando de pé.

    -Diga a Katsuo que Uchiha Sasuke está aqui.

    A jovem ajeitou melhor os óculos após medir o moreno dos pés a cabeça e se adiantou até a porta fechada. Não demorou nem um minuto lá e já pediu para que Sasuke adentrasse na sala.

    Ele passou pelo ninja sem lhe dirigir o olhar, o que não foi recíproco. Aquele homem observou cada movimento de Sasuke desde o caminhar até a respiração, coisa que não passou despercebida pelo mesmo.

    Não havia ido com a cara daquele ninja, seja lá quem fosse ele.

    -Uchiha Sasuke!

    Um homem que aparentava meia idade se levantou da cadeira detrás da enorme mesa de madeira escura e foi até ele, tinha cabelos de um tom grafite curtos e bem penteados para trás, olhos azuis escuros e usava roupas em tons de branco e roxo com o símbolo do Som bordado nas laterais.

    -É um prazer tê-lo aqui em nossa Vila, foi uma surpresa pra nós Konoha ter aceitado nosso pedido de auxilio e você, logo você ter aceitado vir até aqui.

    Foi uma surpresa pra ele também...

    -Não tenho problemas com Oto, o que ficou no passado está no passado.

    O homem lhe abriu um sorriso.

    -Ótimo! O sorriso foi diminuindo aos poucos –Mas onde está sua companheira?

    O Uchiha ergueu uma sobrancelha.

    Então ela ainda não havia chegado?

    De repente a porta foi aberta atrás de ambos, o rosto do homem voltou a exibir o sorriso, dessa vez maior.

    -Aí está ela!

    Sasuke não precisou se virar pra saber que ela estava ali, que se aproximava e que calmamente parava a seu lado.

    Ele conseguia captar seu perfeito fluxo de chakra e mais do que isso...o seu cheiro.

    Aquele maldito cheiro enjoativo.

    -Desculpe o atraso Sugimoto-Sama.  Então a voz da rosada se fez presente no local.

    -Ah, por favor, sem tantas formalidades, Katsuo, apenas Katsuo.

    -Como queria, Katsuo.

    Ele queria olhar para o lado, queria olhar pra ela, seu corpo inteiro implorava para que ao menos seus olhos se direcionassem nem que fossem pequenos milímetros para a lateral.

    Mas não foi o que ele fez, manteve sua total atenção no homem a sua frente.

    -Bom, como estava dizendo, fico realmente muito contente que tenham vindo auxiliar nossa pequena Vila, Oto não chega aos pés do que hoje é Konoha, mas com o esforço e dedicação de todos acreditamos que um dia chegaremos a essa grandeza e quem sabe um dia faremos parte das Grandes Nações Ninjas, mas até lá, temos muito que nos desenvolver.

    -Estamos aqui para ajudar em nome de Konoha, Katsuo. 

    O homem sorriu e se encaminhou para detrás de sua mesa, sentou-se e os encarou.

    -No passado a Folha e o Som tiveram suas rivalidades, mas aqueles foram outros tempos, outras pessoas e outras circunstâncias, a maior parte das pessoas que vivem aqui hoje são ex cobaias de Orochimaru que não sofreram grandes danos ou ele não teve tempo de estuda-las, os casos mais graves foram enviados para as grandes vilas, para recuperação. Dos que restaram aqui, muitos nem memoria tem, estão construindo sua história agora, os outros são refugiados, pessoas sem vilas, qualquer um que busque um lar e não tenha medo de trabalho duro.

    Ambos apenas ouviam o homem falar.

    -Aquela cobra deixou muitas marcas nesse lugar, estamos apagando cada uma delas aos poucos, com luta interior e saindo das sombras, e acho que vocês são os ninjas perfeitos para nos ajudar, a melhor medica ninja da sua geração e o ex discípulo regenerado da cobra, ambos sennins... vocês terão trabalho, mas sei que são os melhores.

    Sasuke nada disse, então mais uma vez Sakura tomou a palavra.

    -Daremos nosso melhor.

    -Ótimo!

    Mais uma vez o homem se levantou e sorriu.

    -Mei!  Katsuo ergueu a voz.

    No instante seguinte a jovem secretária de cabelos alaranjados e curtos surgiu na sala.

    -Chame o Sano para acompanha-los até onde eles ficarão instalados.

    Todos no ambiente puderam perceber a mudança na expressão de Sasuke.

    Não foi para melhor.

    -Acredito que podemos encontrar o local sozinhos Katsuo, não é necessário desfalcar um ninja de seu posto apenas para nos acompanhar, assim podemos aproveitar para conhecer melhor a Vila, ver o cotidiano, os pontos fortes e fracos.

    O homem pareceu ponderar.

    -É, tem razão. Mei! Traga o endereço por favor

    A jovem sumiu por alguns instantes reaparecendo logo em seguida.

    Parecia muito eficiente.

    Estendeu o papel para Sasuke e o encarou.

    O Uchiha a encarou de volta

    A jovem ficou vermelha da cabeça aos pés.

    O papel tremeu entre seus dedos.

    Sasuke o retirou de sua mão mas a secretária permaneceu parada no mesmo lugar.

    -Pode se retirar agora Mei.

    Katsuo disse por fim.

    -H-hai!

    Então ela baixou o olhar e caminhou para a porta a fechando em seguida.

    O homem girou os olhos.

    -Jovens...

    Katsui se aproximou, mantinha o singelo sorriso no rosto.

    -Fica aqui mesmo na região central, tentei conseguir o melhor para vocês mas acredito que puderam constatar vindo pra cá que não temos muitos lugares disponíveis, nos faltam investimentos para moradia, estalagens, hotéis...

    -Ficamos satisfeitos com o que tiver disponível, não precisa se preocupar.

    Mais uma vez a Haruno tomou a palavra.

    Era verdade, eles eram ninjas afinal de contas, acostumados a situações extremas, qualquer coisa melhor que uma caverna já estava bom.

    -Ótimo, então só me resta dizer, bem-vindos a Oto!

    Ele foi o primeiro a se retirar da sala, logo sendo seguido por ela, quando desceram as escadas e saíram do pequeno prédio por fim a encarou.

    Os cabelos rosados antes extremamente longos foram cortados e repicados, agora apesar de ainda serem compridos tinham um ar mais leve e despojado, a franja estava de volta,um pouco mais curta também, e isso lhe dava um ar nostálgico...o losango brilhava no meio da testa, o hitaiate com o símbolo da Vila da Folha estava lá, lhe servindo de faixa, como sempre.  Já as roupas ninjas estavam completamente diferentes, a rosada usava a blusa (sempre vermelha) de mangas longas e largas que se fechava na frente com três botões, atrás o círculo branco do clã Haruno, sua barriga ficava quase toda a mostra. Em baixo a Haruno optou por short preto e justo que terminava pouco abaixo do fim de seus glúteos, as sandálias ninjas de saltos tinham canos longos e subiam pelas pernas da cerejeira até quase se encontrar com o short, deixando apenas uma fina tira da pele branca de sua coxa exposta. A bolsa com as armas ninjas era presa na lateral de uma das pernas, a mochila com seus pertences era levada nas mãos, e só.  

    Então um vislumbre passou pela cabeça do Uchiha.

    As Yuwakus não haviam acabado?

    Nunca em toda a vida ele vira a rosada vestida daquela forma, não eram suas roupas ninjas tradicionais, aquilo era, era...

    Ousado demais.

    Nem mesmo uma capa para viagem a rosada utilizava.

    O que ela estava tentando provar afinal?

    Sakura andou na frente mas parou ao notar que Sasuke havia ficado para trás.

    -Você não vem?

    Lhe perguntou. Aquelas eram as primeiras palavras que a rosada lhe dirigia depois de tudo, e ela falava como se eles tivessem se visto a poucos dias, como se não tivesse acontecido nada entre eles.

    Ela estava dissimulando?!

    Sentiu seu sangue esquentar.

    Posse a caminhar, passou por ela apenas dizendo

    -Vamos.

    Seu tom era frio e taciturno.

    O local não ficava longe de onde estavam antes, foram apenas alguns poucos minutos de caminhada, quando chegaram no endereço indicado no papel notaram ser um pequeno chalé.

    Sasuke deixou a rosada adentrar primeiro no local. Assim que entrou, Sakura deixou sua mochila e os sapatos na entrada e foi explorar o lugar. O Uchiha veio em seguida, deixou sua capa sobre um pequeno mancebo e a mochila no chão ao lado dos sapatos da cerejeira e agora dos seus.

    Então olhou em volta. O lugar era realmente pequeno, tinha dois andares, no térreo havia uma sala, conjugada com a cozinha e uma porta de vidro mostrando onde era a lavanderia, a mobília era simples mas parecia nova, logo na lateral da entrada havia uma pequena escada que levava ao andar superior, como não notou a presença de sua companheira de missão naquele andar decidiu subi-las, até porque, não havia mais nada para ser visto onde estava.

    Assim que pisou no último degrau a viu, estava parada em uma das duas portas presentes no andar, estava encostada no batente da mesma, descalça e com as pernas completamente a mostra...

    -Temos um problema.

    “Com toda certeza...” ponderou

    A rosada chamou sua atenção, então ele se aproximou.

    Ela se virou e o olhou.

    -Só temos um quarto.

    Então o Uchiha direcionou o olhar para a outra porta no fim do pequeno corredor que ficava ao lado de um parador abaixo de um ornamentado espelho.

    -Lá é o banheiro.

    Então seu olhar caiu para o da rosada.

    Por que eles cederiam uma casa com apenas um quarto se eles eram dois...

    “Missão de casal”

    A ficha de Sasuke caiu.

    -Pensam que somos casados.

    A rosada ergueu uma sobrancelha.

    -Porque achariam isso?

    -Na ondem de missão dizia missão de casal, eles devem achar que eu viria com minha esposa.

    Sakura  desviou o olhar para o interior do aposento, nele havia uma grande cama, criados e armários.

    Ele a encarava, então decidiu continuar.

    -Poucos sabem que me divorciei.

    E lá estavam, os olhos verdes o fitaram no mesmo instante.

    Sasuke sustentou o olhar da rosada.

    Quando ela tomou ar para dizer algo ele foi mais rápido

    -Fico com o sofá.

    Enquanto descia as escadas podia sentir o maldito aroma.

    O cheiro...aquele cheiro que vinha dela!

    Desabou o corpo no sofá ao mesmo tempo que soltava o ar dos pulmões.

    Quanto tempo duraria aquela missão?

    Quanto tempo ficaria naquela casa... com ela?!

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!