A Outra

Tempo estimado de leitura: 4 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 4

    "Coloquei um feitiço em você, porque você é meu"

    Adultério, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

    Estavam os três diante da mesa do Hokage da Vila da Folha, haviam chegado a pouco da missão, depois de três dias da viagem de volta.

    Agora o ser loiro lia o relatório da missão.

    -Então o viram pela última vez subindo para o quarto...

    Eles não se encaravam, mantinham o olhar fixo no kage.

    -Sim. Disse o Nara.

     Naruto baixou o pergaminho e suspirou recostando-se melhor na cadeira.

    -Bom, a Mizukage enviou um pergaminho ontem à noite, ele não está mais entre nós, Hiroshi Takashi era um ex ninja que estava criando uma milícia nos arredores da Vila da Nevoa, tinha muitos adoradores, era visto como um bem feitor pelas pessoas dos vilarejos próximos, mas na verdade era um pária que só queria poder, estava caindo nas graças de alguns senhores feudais, dentre seus crimes havia contrabando e aliciamento de menores, felizmente  foi encontrado morto em sua cama na manhã seguinte a saída de vocês do vilarejo, a causa da morte foi tida como...

    O Uzumaki pausou

    -Infarto!

    E largou o papel sobre a mesa.

    Uma pergunta pairava no ar, mas ninguém a perguntaria, era uma missão ultrassecreta.

    -Bom, acredito que estejam cansados e loucos para ir pra casa, dispensados.

    Shikamaru e Sai se viraram e foram para a porta, mas o Uchiha continuou no mesmo lugar.

    -Algum problema Sasuke?

    Questionou o loiro.

    -Tenho um assunto para tratar com você.

    Shikamaru pode ouvir o tom da conversa antes de fechar a porta.

    -Achei que estaria ansioso para ir pra casa, ver a Akemi...

    Naruto sorriu.

    -Ela esperou um mês, pode esperar mais um instante.

    O loiro respirou fundo, já podia imaginar o tema da conversa.

    -Pois diga então, Teme!

    -Você sabia que era ela, não sabia?!

    Naruto se remexeu no assento.

    -Sim, sabia.

    -Como pode? 

    -Ela foi recrutada, os outros kages fizeram questão dela, eu não pude fazer nada.

    -Então sabe o que ela faz, não sabe? Ela foi exposta em uma bandeja como um pedaço de carne para aquele porco e sabe-se lá o que mais ela teve que fazer com ele!

    O moreno deixava à mostra sua irritação.

    -Não é mais agradável pra mim do que pra você Sasuke! Eu não queria Sakura sendo uma Yuwaku, mas ela já estava no programa quando peguei o posto oficialmente, Kakashi ofereceu e ela quis ir, está acima do meu poder fazer algo, seu trabalho é para todas as nações aliadas não só para Konoha.

    Os olhos azuis se mantinham cravados no moreno.

    Sasuke lhe deu um sorriso lateral.

    -Logo você, que sempre foi tão insistente e irritante, desistir dela assim, logo dela, o que ela se transformou afinal, numa prostituta pro mundo shinobi?

    O loiro se levantou da cadeira.

    -Eu fiz de tudo pra tirar ela do programa, tentei argumentar com os kages, mandei um milhão de mensagens pra ela, mas ela não quer sair, é uma escolha dela e eu não posso fazer nada quanto a isso, eu sou um Hokage, eu preciso seguir as regras.

    O Uchiha soltou o ar pelo nariz.

    -Isso não me convence.

    -E você Sasuke? Se está tão incomodado assim porque não a tirou de lá? Você, com o seu poder teria feito um estrago se quisesse.

    Esbravejou o loiro.

    Sasuke o analisava, via uma veia pulsando na testa do loiro enquanto suas próprias unhas da mão esquerda eram cravadas na carne sem nem ao menos notar.

    -Também estou tentando seguir as regras.

    Foi tudo que conseguiu pronunciar.

    -Mandei Shikamaru nessa missão pra ter certeza que sairia tudo como o planejado, para que nem você nem Sai comprometessem a missão, eu tentei mover céus e terra para que ela mudasse de ideia, para que voltasse pra vila e ficasse aqui conosco, mas por incrível que pareça, ela consegue ser mais cabeça dura que você!

    Naruto soltou o ar se acalmando.

    -Sabemos da persistência dela, afinal ela foi durante anos apaixonada por você.

    O silencio pairou no ambiente, aquele assunto não era falado assim abertamente, não depois de seu casamento, não com a ausência da rosada da vila.

    Então ele quebrou o silencio.

    -Então esse tempo todo ela não estava em missões médicas...

    O Uchiha refletiu.

    -Não. Bom, não na maior parte do tempo. As missões médicas são um disfarce pra ela estar fora da vila, é ruim admitir isso mas parece que ela é muito boa no que faz.

    Mais uma vez o silencio se implantou no local.

    -Sabe se ela saiu bem do local?

    Naruto voltou a se sentar em sua cadeira.

    -Sim, uma hora depois de vocês deixarem a vila ela terminou o serviço e deixou o local sem ser vista, no relatório consta que a jovem acompanhante desapareceu sem deixar rastros.

    -Estava disfarçada, não seria difícil passar despercebida, principalmente quando todos os outros do bando já estavam bêbados ou distraídos com outras mulheres.

    -Dizem que ela é a única que usa apenas o chakra para se disfarçar. Bom, não é de ser admirar vindo dela, ela sempre teve um controle perfeito.

    Ambos ficaram em silencio ponderando sobre tudo que fora dito.

    -Eu sei que você se importa com ela Sasuke, mesmo não demonstrando, eu sei que você respeita tudo que ela sentiu por você, eu quis muito proteger ela mas a Sakura-chan não quer ser protegida.

    O moreno ficou em silencio, parecia refletir.

    -Eu já vou.

    Disse por fim.

    -Um dia ela vai voltar pra cá e ser a Sakura-chan que conhecemos. Foi assim com você, será com ela também.

    E deu seu enorme sorriso de raposa.

    -Que seja.

    Então saiu porta a fora deixando o Hokage com suas esperanças.

    Mas de uma coisa o Uchiha tinha certeza, aquela Sakura que ela havia visto não se parecia em nada com a Sakura que conhecera a vida toda, e uma mulher como aquela não deixava de ser o que era assim tão facilmente.

    Quando finalmente chegou em casa pode sentir o cheiro do café da manhã e só então notou sua exaustão.

    - Tadaima.   Disse retirando seu calçado e deixando sua mochila na entrada.

    Num instante sua esposa apareceu vinda da cozinha.

    - Okaeri!

    Ela se aproximou sorrindo e já lhe ajudando a retirar a capa.

    -Está ferido?

    Toda vez que chegava de uma missão ela lhe fazia a mesma pergunta.

    -Não, estou bem.

    -Venha, fiz chá.

    E logo o puxou pela mão até a cozinha.

    O moreno se sentou e sua esposa logo tratou de servi-lo.

    -Como foi a missão?

    -Bem.

    Ele nunca entrava em detalhes e ela nunca perguntava mais que isso.

    Sorveu o liquido quente.

    -Vou preparar um banho pra você descansar.

    Ele a encarou, seus olhos castanhos dourados estavam contentes ao tê-lo de volta em casa, sentiu-se bem, era bom ter um lar pra voltar.

    Enquanto a banheira enchia ia retirando sua camisa, sua esposa após sentir a temperatura da água o encarou e sorriu.

    -Vem, está ótima.

    Então ele parou diante dela e a encarando foi desamarrando os nós de sua calça e a desceu de uma vez junto a sua roupa de baixo, sua esposa sorriu.

    -Não quer entrar comigo?

    -Desculpe, mas eu preciso ir para o hospital, já estou ficando atrasada, tem comida pronta na geladeira, farei de tudo para não chegar tarde.

    Ela ficou na ponta dos pés e selou seus lábios.

    -Até mais tarde.

    E saiu apressada.

    Sasuke nada disse, estava acostumado a correria da esposa, era extremamente disciplinada, muito parecida com ele.

    Então entrou na banheira e sentiu o choque de relaxamento em seu corpo.

    Recostou a cabeça e fechou os olhos, no começo tinha achado uma bobagem da esposa ter uma banheira, mas depois de um mês numa floresta dormindo sobre arvores tinha de admitir que algumas bobagens tinham seu valor.

    Mas após alguns instantes em silencio, seu fiel companheiro, sua mente pareceu querer lhe pregar uma peça.

    Ao invés de sentir o relaxamento aos poucos seu corpo foi ficando tenso...

    A cada vez que a imagem dela se formava em sua memória.

    A pele branca coberta pelas perolas que pareciam fazer parte de seu corpo...

    Seus movimentos felinos e aguçantes...

    O tilintar dos saltos naquela bandeja...droga, nunca ligou para saltos!

    Os lábios arfantes pelos movimentos ousados sendo umedecidos pela língua...

    Ah....a língua!

    E então veio a imagem daquela mesma língua se misturando com a daquele homem.

    Seu corpo estremeceu.

    Abriu os olhos e se levantou.

    Nunca foi fã de banhos de banheira, não era agora que iria começar.

    Estava já a quase uma hora submersa, sua mãe sempre fazia questão de deixar os sais de banho de cereja que ela tanto gostava para quando voltasse de suas missões, e era sempre assim, depois de cada uma ela ia para lá, ao vale dos campos de arroz onde seus pais agora viviam, passava um tempo com eles, curto demais como eles sempre insistiam em dizer e logo ela era chamada para outro trabalho, para seus pais mais uma missão de ninja médica, para ela mais uma missão de espionagem.

    E foi quando estava tentando relaxar, tentando esquecer da última missão onde tivera de encontrar com seus antigos companheiros da Folha, onde nunca antes tivera de ter tanto controle de seus atos, ser tão metódica. Quando soube que companheiros de Konoha estariam lá ela precisou se preparar, mas quando viu quais deles eram buscou no fundo de sua alma por todo o treinamento que passou.

    “Uma Yuwaku não ama, seduz, seu corpo é sua arma e seus sentimentos sua fraqueza.”

    Então ouviu o som vindo da janela, uma ave, uma pomba branca, símbolo da paz entre as vilas.

    Lá estava ela, sua próxima missão.

    Se ergueu na banheira e inclinou indo em direção a pata da ave, de lá retirou o nome da próxima vila.

    A vila onde estaria seu alvo.

    Com certeza se ela não fosse treinada pra controlar suas emoções teria engolido muito sabão.

    Naquele papel estava escrito o único destino que Sakura desejou nunca ter de seguir.

    KONOHA.

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!