MAKTUB

Tempo estimado de leitura: 6 horas

    18
    Capítulos:

    Capítulo 14

    Prelúdio

    Adultério, Hentai, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo

    Já estava acostumado com os olhares tortos, os julgamentos, foi assim desde o momento que decidiu voltar.

    Uma guerra não era o suficiente para apagar a memória de algumas pessoas.

    Foi necessário mais um tempo longe, curando o mal que fez aos outros e a si mesmo para que por fim fosse perdoado, mas sua redenção veio totalmente quando ela aceitou sua mão.

    Quando a iro-nin se uniu a ele, Konoha inteira decidiu se unir também.

    Começou até mesmo a receber alguns sorrisos pelas ruas despretensiosamente, sorrisos agradecidos, sorrisos de aceitação.

    Mas agora, lá estavam eles novamente, ferinos, cortantes...

    Alguns pais até foram contra que ensinasse seus filhos, mas não havia nada que pudesse ser feito, seu currículo ninja o fazia melhor que qualquer sensei disponível.

    Sentou-se no sofá e suspirou após deixar a Yamanaka no apartamento, olhou ao redor notando como apesar dos meses terem passado, tudo continuava exatamente no mesmo lugar, como se a ex esposa tivesse apenas saído para uma missão qualquer.

    Talvez fosse nisso que se agarrasse...

    Levantou-se pretendendo dar logo um jeito naquilo, não poderia procrastinar mais.

    Enquanto encaixotava as coisas, uma por uma, buscava na lembrança os momentos que partilhou com a ex esposa, constatou que muito dali, do lar que construíram, era mais dela do que dele.

    Não era muito presente, mas havia um motivo para aquilo e ela sabia.

    Talvez nunca tivesse sido um bom marido no fim das contas.

    Decidiu trocar os pensamentos, não queria se sentir culpado por mais aquilo também.

    Começou pelo andar inferior, não eram muitas coisas afinal de contas, a maioria utensílios de cozinha que ele nem sabia para o que serviam.

    Quando chegou ao andar superior, foi em busca de lençóis para cobrir os móveis, mas assim que abriu o armário deu de cara com a infinidade de peças, a maioria em tons vermelhos.

    “Ela fica bem de vermelho”

    Lembrou da nota mental feita a anos atrás.

    Institivamente passou os dedos de sua mão natural pelas peças, começou a retira-las, uma a uma e deixa-las sobre a cama que antes dividiam.

    Se tivesse alguém com quem contar pediria que fizesse aquilo por ele, pois naquele instante, talvez somente naquele instante, percebeu que estava se despedindo dela.

    Não haveria mais o cheiro, ou o fantasma da presença sorridente e carinhosa.

    A medida que jogava as roupas sobre a cama, observava o símbolo de seu clã gravado em cada uma delas.

    Seu clã...

    Naquele momento ele não queria um clã, queria...só queria....

    Respirou fundo desanuviando os pensamentos em busca de um lugar para guardar as roupas de sua ex mulher. Guardou cada coisa deixada para trás, como ela mesma dissera, da senhora Uchiha. Quando alcançou a foto do time 7, se prendeu no olhar sorridente, tendeu a leva-lo consigo mas sabia que se o fizesse, seria um empecilho para que fosse um bom pai.

    Queria ser um bom pai, sua criança não tinha nada a ver com aquilo.

    Com a monstruosidade do que fizera.

    Atos de luxuria podiam gerar coisas belas...não podiam?

    Poderia surgir um amor sem medidas?

    Contava com isso.

    Pois apenas aquela criança para fazê-lo largar o único lugar onde depois de peregrinar tanto, se sentiu em casa.

    E mesmo estando vazia da presença dela, seus fantasmas bastavam, pois aquele lugar era somente uma casa qualquer, era ela que transformar em um lar.

    Que aquele ser em desenvolvimento fosse seu lar agora.

    Que isso bastasse.

    Estava na academia quando foi chamado às pressas, Ino havia passado mal na floricultura e se Shikamaru não tivesse a encontrado poderia ter sido tarde demais.

    Não era a hora ainda, era cedo para que aquela criança viesse ao mundo, e enquanto permanecia sentado naquele corredor no Hospital Geral de Konoha, pensava que aquele pequeno ser não deveria sofrer, não ele que era inocente, não ele que não tinha que pagar pelos erros dois pais.

    Quando sentiu a presença em seu lado esquerdo, não precisou levantar a cabeça.

    -O que está fazendo aqui?

    -Soube do que aconteceu com Ino, vim saber como as coisas estão.

    O Uchiha levantou o olhar para a figura loira de braços cruzados a seu lado.

    -E você se importa?

    Naruto não o encarava, mantinha o ar sério poucas vezes vista antes pelo moreno, e ultimamente a única dirigida a si.

    -Você é um grande desgraçado, mas a criança não tem culpa dos pais que tem.

    O Uzumaki o respondeu lhe mirando de rabo de olho

    -Ela está em trabalho de parto?

    Naruto lhe perguntou após segundos em silencio.

    -Sim... Sasuke respondeu suspirando e encostando a cabeça na parede

    -Não é meio cedo para isso?!...   Naruto constatou

    -Ino não andava fazendo o pré-natal, está deprimida, rejeitando a criança, achando que a criança vai a rejeitar...

    -Agora ela se sente culpada?

    O tom do loiro era amargo

    Sasuke não o respondeu

    -E você foi correndo pra casa dela não é?

    O moreno desencostou a cabeça da parece mirando a figura loira que mantinha o foco em algum ponto adiante

    -Shikamaru me disse que você foi de vez por apartamento dela.

    -O que queria que eu fizesse? Que largasse ela gravida?

    Então Naruto o mirou, o brilho no olhar do Uzumaki denunciava seu rancor

    -Queria que tivesse lutado pela mulher certa!

    Sasuke soltou o ar cansado

    -Porque você não foi atrás da Sakura? Porque não lutou por ela?

    -Nós nos divorciamos Naruto...

    -E daí? Desde quando isso é empecilho?! Eu senti tanta raiva de você, quis te socar tanto quando soube, você nem faz ideia...mas Kakashi me lembrou que agora eu sou um Hokage, não posso mais fazer esse tipo de coisa. 

    O Uzumaki respirou fundo e continuou

    -Eu realmente pensei que depois, com o tempo, com a falta você ia cair na real, mas é você é mesmo um grande desgraçado...

    Sasuke se remexeu inquieto

    -Você mesmo disse que eu não a mereço

    -Ela te ama...

    -EU A TRAÍ!

    A voz do Uchiha saiu mais alta do que o normal no corredor quase vazio do hospital.

    Naruto se calou.

    -Eu traí a Sakura com a Ino, eu fiz isso, eu mal consigo me olhar no espelho, eu mal consigo me perdoar, como eu vou atrás dela se eu não consigo sequer...as palavras lhe faltaram, então franziu o cenho -Sequer entender o que eu fiz!

    O loiro mantinha os olhos azuis fixos nele

    -Eu tenho um filho agora, que está nascendo antes da hora, Deus sabe se vai vingar, se vai sobreviver. Eu passei a vida sendo apontado por uma série de questões, a Ino, ela não...pausou por um segundo –Ela está deprimida, não está sabendo lidar, como ela vai ter estrutura pra cuidar de um bebe? De um bebê prematuro?

    O olhar de Sasuke caiu feroz sobre o Uzumaki

    -Você abandonaria Naruto, abandonaria um filho seu? Independente das circunstâncias?

    -Não.

    O loiro respondeu desviando o olhar

    -Então se você não veio aqui mais como meu amigo, pare de me julgar, pois eu estou tentando resolver toda essa situação!

    Por um instante Sasuke realmente pensou que Naruto se levantaria e iria embora, mas ele ficou ali, em silencio, sem dizer mais nenhuma palavra, fato raro para o Uzumaki.

    Foi ele próprio quem quebrou o silencio.

    -Por falar no Kakashi, sabe dele?

    -Saiu em viagem, não disse pra onde ia mas não tem previsão de quando volta.

    O ex sensei nunca mais trocara uma palavra com o moreno após a última visita meses atrás em sua casa.

    -Foi ele que deu a ideia de te transferir pra academia, sabia?

    Nesse instante o olhar desigual caiu sobre o Hokage mais uma vez, ele tinha um leve sorriso nos lábios

    -Disse que talvez trabalhando lá você aprendesse alguma coisa sobre valores...

    Naruto o encarou mais uma vez

    -Algo que não tenha aprendido na infância ou tenha esquecido.

    Mas Sasuke não teve tempo de responder ou sequer ponderar muito sobre aquilo, pois no instante seguinte a figura da morena já estava presente diante de ambos.

    -Sasuke!

    Shizune estava com a máscara cirúrgica dependurada sobre a face e ainda com as roupas sujas de sangue.

    O Uchiha se levantou

    -Me acompanhe.

    O tom usado pela médica era extremamente profissional, não sabia se era devido as circunstâncias do parto ser do filho de uma traição contra uma pessoa querida para ela ou se por más notícias.

    Quis olhar para trás, buscar apoio em Naruto, mas como não sabia se encontraria manteve-se firme, reto, indo atrás da medica-nin, acompanhando seus passos, seja para onde ele os levassem.

    A áurea não era alegre como deveria ser com a chegada de uma nova vida, então temeu.

    E nada o preparou para quando aquelas portas foram abertas!

    CONTINUA...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!