ANUON 9999

Tempo estimado de leitura: 2 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 3

    Face a face

    Violência

    Rapidamente todas as atenções estavam voltadas à saúde de Ethan. Era tamanha que a escola toda já saboa do ocorrido, e a mãe do rapaz não tardou a chegar ao lugar, completamente desesperada pelo filho.

    - Ethan! Ethan! Meu filho, você está bem? Fala comigo!

    - Mais ou menos, mãe! Minha cabeça tá girando um pouco ainda...

    -O que houve com você?

    Ele, pálido e sem conseguir pensar em algo, desconversava.

    - Eu... Eu... Eu não sei...

    Logo uma doutora responsável pela ala médica da escola entra na sala e diz:

    - Bem, parece um caso simples de intoxicação. seu filho deve ter ingerido alguma coisa estragada. É só tomar este medicamento e ele ficará bem. Só não pode ficar comendo qualquer coisa. Ele tem que beber muito líquido, e peço que o leve a um hospital para mais exames.

    -Tudo bem. Faremos isso sim. E você, rapaz... já te disse pra não comer dessas porcarias.

    - Desculpe, mãe...

    Ethan, então, é levado para casa pela sua mãe. No carro eles conversam:

    - Ethan, o que você comeu hoje de manhã?

    - Eu nem lembro, mãe. Saí com tanta pressa...

    - VVoc é um irresponsável mesmo, hein!

    - Que... Que isso mãe?! Não vê que estou doente? Agora vem me dar bronca... Aconteceu e pronto!

    - E você merece. Fica comendo porcaria...

    - Mas eu nem lembro o que comi...

    - Irresponsável! O garoto nem sabe o que comeu de manhã. Deve ter afetado seu cérebro...

    - Precisa falar assim, mãe? Eu não estou bem...

    - Preciso sim! Você não é mais uma criança. Tem que se virar neste mundo.

    - Ah, mãe... Só foi uma intoxicação. Nada muito grave...

    A mãe de Ethan, já mais calma, porém chateada com tudo aquilo, vira ára ele e diz:

    - Ethan...

    - O que foi?

    - Ainda vai chegar um dia que você estará em uma situação que não gostaria de estar... E sua vida pode depender disso.

    Esta última frase fez com que Ethan começasse a suar frio e sentir um pouco de desconforto. Mexia-se no banco do carro, chamando a atenção de sua mãe.

    - O que ouve?

    - Na-nada. quero logo chegar em casa...

    - Tá inquieto mesmo...

    Enquanto isso...

    Durante a manhã, a felina dormia, e era visível perceber em sua face uma certa satisfação com o que ocorrera antes. Ainda recobrava suas forças.

    Mas logo, pela janela, entra um outro gato. Ele era um pouco menor, de pelagem preta, com pelos curtos e seus olhos eram da cor vermelha. Suas patas eram pequenas, porém percerbía-se que também apresentava garras afiadas.

    Logo ele se aproxima da gata e diz:

    - Acorde!

    A felina imediatamente acorda e se levanta. Surpresa com sua presença, fica imóvel, olhando-o. E o gato lhe diz:

    - Four Nine, reporte!

    - Fui ferida durante a perícia por um humano. Fui trazida para cá por ele. Ele me medicoue aproveitei a chance... logo terminarei nesta area.

    - Entendo, mas você fez somente isso? E o que lhe foi ordenado?

    - Não obtive êxito... ainda. Como disse, fui ferida por um humano duran...

    Ele logo a interrompe, mostrando descontetamento.

    - INADIMISSÍVEL! Uma anis como você ser ferida desta forma... é humilhante.

    Olhando em volta do quarto de Ethan, ele diz:

    - Que péssimo lugar você veio parar... com humanos.

    - Peço perdão... mas mesmo neste estado que estou, avancei com o que me ordenou fazer...

    Virando em direção à janela, dando as costas para a gata, ele completa:

    - E porque demora para concluí-la?

    - Só por satisfação...

    Logo o felino se vira, surpreso com algo, e diz:

    - Anuon... conheço seu tom de voz... começou a infecção?

    Ela, com um sorriso, diz:

    - O que acha?

    Porém o felino se incomodou com sua resposta, e diz:

    - Não me responda desta forma... sabe muito bem como deve responder...

    - Peço perdão, Four...

    - Hum... e qual o grau de infecção?

    ? Pelo tempo decorrido, em torno de 60 por cento.

    - Em toda a area?

    - Não, somente um humano.

    - O QUE?

    - Não se preocupe.

    - Como não devo me preocupar? Some por horas e quando a encontro me diz que evoluliu na missão infectando um mísero humano?

    - Como disse, fiz isos por satisfação. E sabes muito bem que nunca falhei...

    Four, ainda sem entender, pergunta:

    - O que há nesse humano que a incomoda tanto?

    - Ele judiou de minha incapacidade... e por isso quero que tenha muita dor antes de seu fim... e eu quero estar aqui e observar tudo... vê-lo implorar e se contorcer pelo chão, até que todo seu corpo seja consumido por bactérias...

    Ele, saltando para a janela outra vez, diz:

    - Anuon.... termine logo, e volte ao grupo...

    - Sim, Four. Irei imediatamente quando terminar esta area.

    - Sim... por isso temos você como uma das melhores de nosso grupo. Termine, e não demore.

    Voltando...

    Assim que chega em casa, Ethan, cansado e parecendo estar levemente tonto, senta-se no sofá e logo se deita, apoiando a cabeça em uma almofada. Sua mãe não gostou nada da idéia.

    - Ethan, para o seu quarto!

    - Ah qualé?!?! Deixa eu ficar aqui!

    - Pare de falar igual a uma criança! Vai logo, pois você não está bem. Não você mesmo quem disse isso?

    - Mas o sofá está confortável...

    - Seu quarto, AGORA!

    Ethan queria evitar ao máximo entar em seu quarto. Não gostava da idéia de ter que se confrontar novamente com a gata. Ainda mais porque não pode fazer nada. Ele estava assustado, temendo o que viria pela frente, já que os sintomas já começavam a aparecer...

    Calmamente Ethan abre a porta e entra, andando lentamente para sua cama. à sua direita, lá estava a felina, somente observando seus passos. Logo, abrindo a porta, sua mãe pergunta:

    - Ethan, você deu comida para o gato?

    - GATA!

    - É tudo a mesma coisa. Você deu?

    - Nã-não, mãe.

    - Bem, depois que você estiver melhor, não esqueça. O bicho não pode fazer isso sozinho, sabia?

    - É... Mãe. Não pode...

    Ao terminar a conversa, a mãe de Ethan retira-se do quarto, fechando a porta. Ethan,deitado em sua cama, coloca uma das mãos sobre o ferimento causado pela gata. E nem ao menos olha para a gata, tamanho o seu medo.

    E não eprdendo a chance, Anuon diz:

    - Você irá desmaiar...

    Ele, nervoso, batendo as duas mãos na ca, diz:

    - CALA A SUA BOCA, SUA DESGRAÇADA! NÃO QUER...

    Mas antes que pudesse terminar a frase, Ethan desmaia instantâneamente.

    A noite cai...

    Seu pai vai até seu quarto, pois estava servido o jantar. Lentamente ele abre a porta do quarto e o chama.

    - Campeão, vamos... sua mãe já pós a mesa. Vamos lá...

    Ele se aproxima, chamando novamente.

    - Vamos, vai esfriar se demorar...

    Mas assim que iria tocá-lo, sua mãe aparece e impede.

    - Não, deixe-o dormir.

    - Mas ele precisa comer algo.

    - Eu sei, mas acho melhor deixá-lo descansar. Ele passou muito mal mais cedo.

    - Sim, você disse. Muito bem, melhor sairmos então.

    - Sim... vou deixar um lanche preparado no forno...

    Passa-se algumas horas, e até seus pais foram dormir...

    A noite começa...

    Anuon, percebendo que o jovem não acordava, sai de seu cercado, pulando sobre seu dorso com uma força descomunhal. No mesmo instante, no susto, Ethan acorda, sentindo uma forte dor na barriga. A felina, sorridente, diz:

    - E aí, humano? Aproveitando seus últimos momentos vivo?

    - Não quero falar com você.

    - Já era esperado. Arrependimento agora não ajuda, sabia?

    - Já disse que não quero falar com você!

    - Vai me proibir de falar agora? Você nem ao menos sabe se defender, humano...

    Ethan, irritado com a provocação de Anuon, a olha bem nos olhos.

    - Agora escute... não sei quem é você ou o que é você... mas digo logo a você que o esforço que meu pai teve pra te ajudar em nada valeu a pena, pois você não passa de uma aproveitadora traiçoeira.

    Ela, incomodada com o tom das palavras de Ethan, diz:

    - Veja como fala comigo! Se esqueceu de sua família? Posso acabar com todos eles agora.

    - Imagino que do mesmo jeito que comigo: a traição.

    Ela, agora mais irritada, diz:

    - Traição... Traição... Você não sabe o que é traição, humano. Vocês que são os traidores, ACIMA DE TUDO!

    - E fica ainda me difamando... Eu gostaria de saber: QUE EU LHE FIZ?

    - Sua espécie já diz tudo. Vocêss não deveriam mais existir!

    - E PORQUE?

    Ela, voltando ao cercado, vira-se de costas e, como que ignorando-o, diz:

    - Idiota...

    - Assassina!

    Anuon, ao ouvir Ethan falar daquela maneira, executa um pulo, investindo contra o jovem, ele, com o pouco de reflexo que tinha, consegue evitar o ataque. Ela, bastante irritada, diz:

    - COMO OUSA EM ME CHAMAR DE ASSASSINA?

    - VOCÊ ME ENVENENOU, E TEM MESMO INTENSÃO DE ME MATAR!

    - QUER QUE ACABE COM SUA FAMÍLIA ANTES?

    - Quer saber? DANE-SE! Você vai acabar com eles assim que eu morrer. Quero mais agora é fazer barulho mesmo. Que todos saibam!

    Anuon, mudando briscamente seu humor, começa a rir de Ethan. Tentando se controlar, ela diz:

    - Patético! Nada pode fazer contra mim! Você não me conhece.

    - E nem você me conhece. Irei fazer de tudo pra acabar com você! Minha família é tudo que eu tenho e você não vai tirá-la de mim tão facilmente como fez comigo.

    Ela, andando em direção a Ethan, diz:

    - Você é exatamente como todos os humanos que existem: idiotas, prepotentes, orgulhosos e medíocres!

    - Porque tanto ódio de humanos? Porque tudo isso?

    - Não está pronto para ouvir isso, humano patético...

    Ethan, já cansado de tanta conversa, diz:

    - E ainda continuo não sabendo o porquê de tanto ódio! Tá escondendo algo?

    - Humano insolente!

    - Tá legal, gata... Agora sou insolente por querer respostas? Estamos aqui a tanto tempo, e eu prestes a morrer, e você é incapaz de responder uma simples pergunta... e isso porque você é uma forma mais inteligente que os... eh.. "humanos"... muito bem...

    Ethan havia percebido que a gata odiava ser dsafiada, e não demorou para que Anuon expressasse sua ira.

    - HUMANO DESGRAÇADO! VOCÊ NÃO TEM DIGNIDADE MESMO! ACEITE SEU DESTINO, QUE É A MORTE! Você não precisa ficar sabendo de nada! Não interessa a você.

    - CLARO QUE INTERESSA! TRATA-SE DE MINHA VIDA, TÃO IMPORTANTE QUANTO A SUA!

    - NÃO GRITE COMIGO! NÃO TEM ESTA AUTORIDADE!

    - TENHO SIM. VOCÊ ESTÁ NA MINHA CASA E EU IREI DEFENDÊ-LA!

    - HUMANO INFELIZ!

    - ASSASSINA MISERÁVEL!

    Continua...


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!