Dança celeste

Tempo estimado de leitura: 2 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 8

    Interlúdio - Para os Campos Flamejantes, ritornello

    Linguagem Imprópria, Violência

    Olá pessoas que ainda estão lendo (porque eu sei que vocês ainda estão aí e que eu sou enrolada pra atualizar essa história), aqui está o último interlúdio da história, que só existe porque se eu jogasse isso grudado ou no capítulo 6 ou no capítulo 7 ia ficar ruim.

    Espero que eu consiga terminar de escrever tudo antes da história completar 4 anos de idade e.e

    Sem mais enrolação, boa leitura para todos!

    Ana/Chibi~

    Reino Phyron, capital Fyamor

    As cortinas do salão principal do castelo de Phyron estavam fechadas. Em frente ao trono, o monarca Acnologia I exalava uma aura hostil e furiosa, enquanto um mensageiro apavorado tentava entregar as notícias que o esquadrão cruel havia mandado.

    E num canto da sala, Sorano apenas observava calada e de braços cruzados, sem sequer dar um passo para fora das sombras.

    — COMO ASSIM A STAR DANCER FOI VISTA NO IMPÉRIO?! — Urrou furioso o usurpador.

    — Mi-mi-mi-milorde! Eu sou apenas o mensageiro que encontrou a mensagem do esquadrão despachado! — Gaguejou o pobre mensageiro — E-e-e-ela foi vista no império, aparentemente indo para as terras místicas.

    — Saia da minha frente. — Ordenou Acnologia.

    E temendo por sua vida, o mensageiro deixou a sala o mais rápido que podia. O silêncio se instalou ali, sendo quebrado apenas pelo som das portas do salão batendo ao fechar.

    — Porque todos meus subordinados são um bando de incompetentes? — Acnologia resmungou enquanto lidava com a dor de cabeça que era a Star Dancer continuar a escapar de suas mãos. — Angel.

    Sorano congelou por um momento, antes de respirar fundo e deixar as sombras, se aproximando do monarca. Acnologia virou-se com o sorriso maligno que sempre transparecia quando ele queria continuar com seus planos de dominar o continente e aproximou uma de suas mãos do rosto de Sorano.

    A Star Dancer resistiu o impulso de se encolher e se afastar da mão do rei, pois sabia que seria pior se o fizesse. O monarca a encarou fixamente e brincando com alguns dos fios do cabelo dela, continuou falando.

    — Ah minha querida Angel, aparentemente você é a única dos meus subordinados que não é um completo idiota. — Ele se movimentou para sussurrar no ouvido dela — Então, diga-me, o que as estrelas dizem sobre a Star Dancer?

    — É um par. — Ela respondeu automaticamente, sem medir a informação antes.

    — Um par? Do que está falando, minha querida Angel?

    — A Star Dancer é parte de um par. Talvez ela esteja viajando com alguém.

    — Ah sim, na mensagem o esquadrão parece ter mencionado algo sobre um garoto junto de...

    Acnologia parou no meio de seu pensamento, realizando o que estava acontecendo naquele momento.

    — Maldito seja você, IGNEEL! — Se afastando furioso, ele deu uma ordem à Sorano. — Convoque todos os generais do exército! Está na hora de marcharmos para o local onde se consolidam todos os reis de Phyron!

    — Para onde vamos exatamente?

    — Para o primeiro local que eu deveria ter ido após conquistar o trono! Os campos flamejantes.

    ------DC------

    Império Faërie, capital Alfër

    O Imperador Silfo olhava a mensagem que um espião exceed havia enviado com preocupação. A movimentação repentina das tropas do usurpador era um fator preocupante, já que até aquele momento o único movimento do (falso) monarca havia sido mandar pequenos grupos de esquadrões para caçar Star Dancers pelo continente.

    Makarov respirou fundo enquanto olhava de maneira ausente para o relatório do espião. Agora ele tinha quase certeza que Acnologia estava atrás da dupla que a essa altura já devia estar no Templo das Estrelas.

    O Imperador abriu uma gaveta em seu escritório e começou a escrever uma ordem urgente. Ele, como um dos responsáveis por proteger a harmonia faria o possível para ganhar tempo para os dois que foram ao Templo.

    Foi quando um certo cristal que era passado desde a época da primeira Imperatriz se acendeu e Makarov escutou uma voz familiar.

    — Oi, oi. Tem alguém me ouvindo?

    — Garoto, é você? — o Imperador perguntou enquanto chegava mais perto do cristal.

    — Eu disse que ia dar certo Luce! — Natsu comentou animado.

    — É claro que ia dar! Os altos sacerdotes garantiram que funcionaria! — Lucy comentou, afirmando a realidade óbvia.

    — Caham.

    Aquele som finalmente tirou a dupla de sua discussão, fazendo com que eles focassem novamente no imperador.

    — Acredito que tem algo que vocês queiram me informar, já que entraram em contato? — Makarov perguntou, já com certa expectativa.

    — Ah sim, nós vamos voltar para Phyron, agora que já terminamos o que tínhamos que fazer aqui. — Comentou Lucy.

    — E os sacerdotes disseram que tinham uma magia de transporte ou algo assim? — Continuou Natsu.

    — Teleporte, Natsu. Teleporte. — Lucy o corrigiu.

    — Então vocês vão retornar a Phyron... Tem algo que vocês precisam saber. — O imperador respirou fundo antes de dar as notícias — Acnologia começou a preparar uma grande quantidade de tropas e parece que ele pretende ir aos campos flamejantes.

    — Aquele maldito! — Natsu praguejou enquanto rangia os dentes — Ele pretende se tornar o rei legítimo de Phyron à força!

    — E garoto, eu queria poder ajudar vocês com tropas, mas não posso. Se o império for visto interferindo em o que aparenta ser uma questão interna de Phyron, a própria ordem no continente pode ruir.

    — Eu sei disso. E como o reino acha que Igneel está morto, eu não posso simplesmente escrever um pedido diplomático de ajuda com esse tipo de questão. — Natsu falou enquanto apertava os punhos — Afinal, qual a chance de uma carta do príncipe desaparecido, dado como morto, ter algum efeito real?

    — E se em vez de tropas em massa, fossem poucas pessoas com treinamento e habilidade suficiente para nos ajudar? — Lucy interrompeu — Assim poderíamos dizer que eles são nossos companheiros e não seria um problema do Império interferindo em questões internas do reino.

    — Vocês dois sempre com suas ideias... — Makarov abriu um sorriso — Mas é algo viável. Vou providenciar para que vocês tenham o apoio do grupo de elite do império, afinal, eles são o grupo que mais se aproxima da ideia de “companheiros”.

    — Muito obrigado Imperador! — Os dois falaram ao mesmo tempo, totalmente animados com a perspectiva de ter aliados.

    — Mas antes de vocês irem, eu tenho um último presente para vocês. — Ele estendeu a mão e começou a recitar uma bênção que datava da fundação do Império — Que assim como as fadas guerreiras ancestrais, sua coragem não falhe e que a batalha termine em seu favor, caso seja sua causa justa.

    E com a bênção do imperador, a conexão terminou. Makarov se levantou e saiu de seu escritório para cumprir sua promessa com o príncipe e a Star Dancer, sabendo que o momento decisivo se aproximava.

    E com uma prece silenciosa para as estrelas, o Imperador Silfo enviou os guerreiros que ele mesmo havia escolhido a dedo e treinado. Aquela era a hora que tanto havia esperado.

    — Que as estrelas os conduzam nessa última batalha...

    E com essa última prece do Imperador, as últimas peças necessárias para o grande confronto que decidiria o futuro do continente estavam postas.

    ------DC------

    E com o fim da conexão com o Imperador, Natsu e Lucy sinalizaram para os altos sacerdotes que estavam prontos. A magia que os transportaria estava pronta, bastava que fosse ativada para que os dois fossem levados para Phyron.

    — ...Lembrando que vocês precisam visualizar em suas mentes o local que pretendem ir. — Explicou Zeref.

    — Natsu, você já esteve nos Campos Flamejantes antes, certo?

    — Sim, apesar que tem tanto tempo que isso aconteceu que talvez eu não me lembre tão bem assim, Lucy.

    — Só espero que essa memória do lugar seja o suficiente... — Ela comentou meio preocupada.

    — Estão prontos? — Perguntou Mavis — É aqui que nos despedimos. Que as estrelas guiem seu caminho.

    — Que as estrelas os levem à vitória. — Completou Zeref.

    E com um rápido aceno de cabeça, Natsu e Lucy entraram no círculo mágico, sendo teleportados para Phyron.

    ------DC------

    E no local que um dia foi uma próspera vila durante o reinado de Igneel V, um flash branco surgiu, quebrando o silêncio que tomava as ruínas.

    E desse flash saíram duas pessoas. Os cabelos róseos e rebeldes, a pele bronzeada, o corpo definido e especialmente as espadas mágicas que carregava marcava um deles como o príncipe desaparecido, dado como morto, de Phyron. Já a outra figura, de cabelos loiros cintilantes, pele clara e corpo feminino, junto com os braceletes que refletiam a luz da lua e brilhavam com magia só podia ser uma Star Dancer.

    — Natsu, onde estamos?

    — Em uma vila. Ou melhor, nas ruínas de uma vila.

    — E viemos parar aqui porque?

    — Essa era a vila mais próxima dos Campos Flamejantes. Mas agora são apenas ruínas.

    — Parece que a noite está quase no fim...

    — Isso é um bom sinal. — Natsu comentou com um sorriso de entusiasmo — Afinal Lucy, todos os grandes reis de Phyron foram reconhecidos nos Campos Flamejantes ao alvorecer.

    Com olhares confiantes e determinados e pequenos sinais que haviam criado durante a sua jornada, a dupla começou a correr em direção aos campos.

    E no momento que seus pés tocaram os Campos pela primeira vez, um grito surgiu lá no fundo e o príncipe deixou que ele ecoasse por toda a planície irrigada pelo fogo de vulcões.

    — Pode vir Acnologia! Vamos resolver isso de uma vez por todas! Afinal, EU TÔ EMPOLGADO!


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!