Você Pertence a Mim

Tempo estimado de leitura: 2 horas

    10
    Capítulos:

    Capítulo 4

    Escolhas

    Linguagem Imprópria

    Boa Leitura.

    S A S U K E

    - E aí, cara, está preparado para o jogo de amanhã? - meu melhor amigo idiota me perguntou.

    Estávamos no intervalo, de pé, pouco afastados dos outros. Eu estava encostado numa parede enquanto dava goles de minha Coca Cola, e Naruto estava ao meu lado mexendo em seu celular.

    - Eu sempre estou preparado, dobe. - minha voz saía tediosa e cansada.

    Era terça-feira e eu queria que chegasse logo o final de semana para dormir o dia inteiro. Esses últimos dias estavam sendo bem puxados, final de ano, final da intercolegial, e sem contar o vestibular, tudo de uma vez. Eu não via a hora de tudo isso acabar, para ajuntar as minhas coisas e morar em Tóquio, onde pretendo cursar a faculdade.

    Observei Ino com suas amigas líderes de torcida, metros de distância de onde eu estava. Seus longos cabelos loiros estavam amarrados em seu costumeiro rabo de cavalo. Ela estava de costas para mim, mas ainda podia visualizar suas curvas perfeitas e desejosas. Sentia Ino diferente esses dias comigo, ela estava mais histérica do que o normal e mais distante em alguns assuntos. Não sei o que estava acontecendo, mas iria descobrir.

    Depois daquele dia que estava com a Sakura no parque, ela estava melosa comigo, como antes. Tínhamos nos entendido da última briga que tivemos, mas voltamos a discutir novamente depois que cheguei a sua casa. Ela gritava, dizendo que havia odiado me ver com a Sakura. Tentei mais uma vez convencê-la de que eu não tinha nada com a Sakura.

    Já estava de saco cheio daquilo tudo, não estava mais suportando aquela situação repetitiva. Não iria acabar a minha amizade com Sakura por causa dela. Conheço Sakura há muito mais tempo. Ela era uma garota legal que me compreende, que me escuta e me dar conselhos. Sakura era muito importante para mim, acho que ela era mais importante do que meu próprio pai, que não estava nem aí para nada.

    - Caralho, a Perola está online. - a voz espalhafantosa de Naruto me tirou de meus devaneios.

    Olhei para meu amigo que clicava todo alegre no celular. Não acreditava que Naruto ainda estava nessa, de namoro pela internet. Ele era um doido.

    - Que Perola? - perguntei desinteressado.

    Naruto me fitou por um breve momento e franziu o cenho, voltando sua atenção para o celular.

    - Você presta atenção mesmo no que eu digo, né?

    Limitei-me a revirar os olhos, e voltei a olhar o movimento do pátio. Naruto continuou:

    - É aquela garota que te falei naquele dia. Ela se chama Perola.

    - Você não estava com aquela... - tentei me lembrar do nome. - Qual era o nome mesmo?

    - Branquinha. - ele respondeu.

    - Que nome. - murmurei.

    - É claro que não é o nome verdadeiro dela. O meu nome de identificação é Kyubi.

    - Você é um idiota.

    Naruto bufou, guardando o celular.

    - Eu terminei com ela. Ela estava com muito nhenhenhém. Agora estou com a Perola. - ele sorriu. - Ela é incrível, cara, e mora em Tóquio.

    - Você sabe que namoro pela internet é roubada, né? - questionei, vendo o quanto idiota era Naruto. - Essa garota pode ser um travesti disfarçado, ou até mesmo uma velha desdentada.

    - Vira essa boca para lá. A Perola é meiga, e carinhosa. - ele sorriu. - Nós marcamos de nos encontrar quando eu for para Tóquio.

    Balancei a cabeça para os lados.

    - Olha a sua vizinha caindo no chão!?

    Meus olhos seguiam para aonde Naruto apontava, vendo minha amiga e vizinha tropeçando em algo invisível, derrubando sua pilha de livros no chão. Pela quantidade de livros em seus braços, ela tinha acabado de sair da biblioteca.

    Alguns alunos a sua volta ria, enquanto ela, desengonçadamente, tentava pegar seus livros caídos no chão.

    Não gostei de ver aqueles abutres rirem dela assim, odiava quando alguém a maltratava. Sakura era uma flor delicada que merecia todo o zelo possível. Ao mesmo tempo em que ela era forte, ela era frágil como uma pétala de rosa.

    Automaticamente fui até ela, em passos longos e rápidos. Peguei o livro mais afastado dela, percebendo que era aquele que ela sempre lia, cheguei mais perto. Ela estava de joelhos catando os livros e algumas folhas caídas no chão.

    - Você está bem? - perguntei me sentindo pouco preocupado, me agachando para ficar na mesma altura que ela.

    - Estou. - sua voz saiu em um sussurro arrastado, tão baixo que mal escutei.

    Ela empilhou os livros, e entreguei o seu livro favorito. Seus olhos arregalaram quando percebeu o livro em minha mão e o pegou rapidamente, suas mãos estavam trêmulas. Estranho.

    Fiquei de pé, e a ajudei se levantar. Ela olhou para mim, seus olhos tão verdes como esmeraldas estavam marejados pela vergonha que tinha passado ao cair no meio do pátio.

    - Obrigada.

    - Hm.

    - Eu sou mesmo uma desastrada. - ela disse baixinho, fitando o chão, envergonhada.

    - Você se machucou? Quer ir para enfermaria?

    Ela riu baixinho, balançando a cabeça para os lados, negando.

    - Não.

    Meu coração acelerou enquanto eu a olhava com mais atenção, fitando cada traço delicado de seu rosto corado e tímido. Alguns fios róseos de seu coque, caíam em seu rosto, deixando-a mais delicada. Ela parecia um anjo. Um anjo puro e intocado.

    Como eu não havia percebido antes que essa garota era assim tão... linda? Seu rosto era improvido de maquiagem, totalmente natural, e aquilo era fascinante. Ela não era que nem essas garotas do colégio, toda maquiada com decotes e roupas curtas para chamar a atenção. Sakura era simples e prática, tão delicada como um cristal. Ela não era só uma garota linda, ela era mais do que linda. Ela era perfeita.

    - O que está acontecendo aqui? - tanto eu quanto Sakura olhamos rapidamente para Ino, parada ao nosso lado com uma cara de poucos amigos.

    - Ino?

    - Sim, Ino. - sua voz havia soado irônica. - O que está fazendo com essa garota?

    - Ino, não começa com seus chiliques. - estava começando a ficar irritado com ela.

    - Chiliques?

    - Eu já estou indo. - disse Sakura, saindo de lá rapidamente.

    - Sakura! - chamei, dando um passo para ir atrás dela, mas Ino me agarrou pelo braço, me fazendo olhar rapidamente para ela. - Me larga!

    - Sabe o que as pessoas estão falando? - a voz de Ino saiu tão fina e estridente que doeu em meu ouvido. - Que você está me traindo com a garota mais patética e idiota da cidade. Eu não admito que você tenha algum caso com aquele estrupício.

    - Mede suas palavras para falar assim da Sakura. - ralhei, puxando meu braço de seu aperto. Já tinha chegado ao meu limite por hoje. Não iria admitir que Ino falasse aquilo de Sakura. - Ela não é nenhuma vagabunda para você sair falando dela assim.

    Ela deu uma risada irônica, abrindo os braços.

    - Você... - ela me olhou descrente. - Você está apaixonado por ela? Aquela sonsa sempre está no meu caminho.

    - Você está falando coisa com coisa. - senti meu sangue correr mais rápido com a declaração de Ino. - Você está louca!

    - Louco está você, que fica de amizade com aquela esquisita.

    - Eu não sou obrigado a ficar ouvindo isso. - virei meus calcanhares, mas antes de sair escutei Ino dizer:

    - Escolhe. Eu ou ela?

    Virei minha cabeça para trás e olhei sua cara vermelha e retorcida pela raiva.

    - Você sabe a resposta.

    Virei-me para frente e saí de lá, sem olhar para trás.


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!