Amor Inesquecível

  • Aelita
  • Capitulos 15
  • Gêneros Romance e Novela

Tempo estimado de leitura: 3 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 6

    Capítulo 6 - Passeio

    Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo

    Boa leitura

    beijos

    FELIPE POV 

    Passei quase toda aula tentando não pensar muito sobre o assunto, algo praticamente impossível. Ela estava lá sentada fazendo matéria eu havia passado. 

    Merda! Um milhão de vezes, merda! 

    Ela estava linda...apenas quatro anos havia se tornado linda mulher.....gostosa. Exatamente o que não deveria ser. Até a porcaria da inocência dela era saborosa para mim. O que fazia eu me sentir cada vez mais um merda. Não era para ser daquele jeito. Vê-la corar envergonhada eu ajudei tira sua estava presa na mesa. 

    Tento não pensar nela era algo impossível de ser fazer. Bastava eu olhar lado lá estava ela seu jeito inocente concentrado no que estava fazendo. 

    Os restantes dos alunos faziam os exercícios outro apenas dormia nada tivesse acontecendo seu redor, não quis chamar atenção de ninguém, já tivesse o bastante hoje de amanhã com turma da manhã, apenas não queria esquentar cabeça. 

    Por fim aula está preste acabar recolho os livros deixando sobre a mesa, percebo Aelita se levantado vindo direção a minha mesa jeito dela tímida. Eu a perguntei. 

    _ Aelita o que gostaria? – Percebi ela estava tímida, ela não havia perdido o costume mexer no cabelo estava com vergonha de pergunta algo. 

    _ Professor será eu poderia descer? Já daqui a cinco minutos o sinal já vai bater? 

    Difícil ela pedir algo, mas se tratava sair da aula. _ Posso saber senhorita querendo fugir da minha aula? Restam apenas cinco minutos. – Disse tão brincadeira pude ver ela ficou vergonha com a minha perguntava. 

    _ Eu vou outro lugar depois da escola gostaria descer me arrumar. 

    _ Tudo bem. Pode ir. Pode ver sorriso se formando seus lábios. 

    _Obrigado professor. 

    E claro eu cedi ,Aelita era uma aluna comportada eu nunca tive problema, confiava nela eu autorizei a saída dela. Ela me agradeceu pegou suas coisas saio da sala. Por fim o sinal tocou pedi um dos meninos me ajudarem descer os livros escuto meu toque meu celular avisado havia recebido mensagem. Escuto o aluno me dando tchau um boa noite eu retribuo. Depois pego meu celular ver quem tratava mensagem, era um amigo meu me convidado irmos beber, já era sexta-feira por deus eu não trabalhava nos sinais de semanas nem nos feriados. Essa uma das vantagens de ser professor. 

    Saio da sala dos professores vejo Aelita passando por mim toda arrumava usado roupa completamente diferente do uniforme escolar. Ela saltava seus cabelos os arrumava. Eu assobiei chama-la atenção dela, ela se virou me olhar eu disse. 

    _Na onde senhorita pensa que vai? Toda produzida assim? Ela apenas sorri-o então disse. 

    __ Professor vou sair amigos. 

    Me dei conta havia me aproximado dela. Por deus estava me segurando, para que ela não percebesse eu havia segundas intenções com . A observo discretamente pode ver seios fardos se gloriando dando grande volume sua ela vestia. 

    _Tome cuidado tenha bom sinal de semana. 

    _ Tchau professor nós vemos semana que vem.- Ela disse sorrindo e saindo . 

    Quando pensei que a vida não tinha mais nada para me oferecer, aos 26 anos recebo de presente uma bomba atômica disfarçada de aluna. Deus só podia estar de sacanagem comigo. 

    Dei algumas voltas de carro sem procurar por nada específico. Apenas queria espairecer, embora acreditasse que não voltaria a ter paz tão cedo. Para piorar a situação, meu pau não parava de latejar implorando por uma foda bem dada. Só que ele não estava interessado em qualquer foda. 

    Que castigo! 

    AELITA POV

     

    Sai da escola, estava contente comigo mesmo por ter sito elogiada pelo professor. Começo caminha tranquilamente meu destino onde eu paço posso perceber alguns homens elogiando as vezes mandado suas cantadas nojentas apenas os ignoro sigo meu caminho. Ao chegar no bar pode ver a grande movimentação, começo olhar por todos os lados algum sinal da minha prima eu a vejo sentada bebendo uma cerveja e conversando com David uma garota, me aproximo da mesa me anunciando. 

    _Olá cheguei! Sentiram minha falta ? 

    _Finamente pensei não viria. – Disse minha prima 

    _ Eu vim mais rápido possível, eu tive todas as aulas hoje. – Fiz bico demostrado estra pouco triste. 

    _ Você venho mesmo da escola? tá gostosa de mais . – Disse David 

    Eu apenas referi o olho. _ Eu não posso sair por ai usando blusa da escola. Se os policias me para vão pensar eu sou menor de idade. 

    _ Me dei sua mochila vou deixa-la no carro. Dei de ombro, antes entrega minha mochila retiro meus documentos e o dinheiro me sento ao lado da minha prima. 

    __ Aelita essa é Carol ela amiga de trabalho do David. 

    __ Olá prazer. 

    O David voltou pedimos torre de cerveja começamos conversa a beber. _ Em falando em namorado! – Disse minha prima animada. 

    _ Quando você Aelita vai arruma um namorado? 

    _ De novo essa história? Eu não sei. E não, pense me empurra para primeiro cara que aparecer ou tentar dar em cima de mim. 

    David começo a rir . __ Por isso tu não arruma ninguém, não dá oportunidade ninguém chegar perto de você. Depois fica aí reclamando estar segurando vela. 

    Minha prima me cutucada se aproxima de mim e sussurra. _ Vamos lá! Se solta um pouco é única noite. E só um beijo um amasso. Depois um pé na bunda e tchau depois cada um seu canto. 

    _ Não . E não Julian, eu não sair por aí beijando qualquer cara eu mal conheço. E também tenho vergonha demais. – Com música alta que tocava no bar dava graças adeus amiga do Davíd não podia ouvir eu é minha prima conversamos. 

    _ É esse o problema eu te ajudo. Ela disse e voltou a tomar a cerveja. A noite estava agradável pode ver casais dançando ou se pegando pelo salão. Um grupo de homens chegou sentado lado da nossa mesa pode ver sorriso se formando lábios da minha prima da Julian. –“Fude-o”. 

    _ Ei Julian que tão convidamos os rapazes sentar conosco? Já estamos todas solteiras. 

    Julian olhou para lado vi-o grupo de homens sentado conversando animados. _ Eles são bonitinhos eu topo . As duas se levantaram fora direção mesa dos homens, David retirou os olhos. 

    _ To vendo é minha deixa eu ir embora. 

    _ Não vai não David. Não em deixa aqui sozinha com elas. 

    _ Amanha tenho que ir trabalhar, além do mais tenho que dirigir. Ele se levantou. 

    _ Suas coisas domingo eu levo. Tenho mesmo fazer uma visita sua mãe, antes ela arranque minha cabeça fora. Já pegou tudo? 

    _ Já . Estou meu documento meu dinheiro. 

    _ Bom se cuida. Vou indo. Não beber demais. 

    Nós dois rimos . __ Tá pode deixa. Juro que na terceira torre eu vou para. 

    Ele saio se despediu sua amiga e da nossa prima. As duas vieram sentaram meu lado estavam grande sorriso no rosto. Logo seguida o grupo de homens pujaram duas mesas se ajuntar com nossa eles começa me complementarem. 

    _ Olá boa noite. Digo sorriso no rosto. Eu simplesmente eu congelei bem na minha frente meu professor puxava uma cadeira sentar conosco, ele vem me complementa pude ver seu sorriso desaparecendo do rosto. 

    __ Então garotas querem pedir? – Perguntou um deles abraçando Julian. 

    _ Estamos no chopp . – Disse minha prima sentando meu lado. 

    _ Então garota todas solteiras? 

    _ Samos . Sabe como é viemos curti a noite. Muda pouco rotina. 

    Eu me levantei da mesa disse e ele iria até o balcão pedir algo. Não queria estar no meio de tantos homens por cima meu professor juntos com eles. Eu vi ele me olhou, parecia estava bravo comigo ou me reprovando minhas maneiras. Pedi uma caipirinha fiquei ali esperando está pronta paguei a parte pedi leva-se outra torre de chopp nossa mesa. Me virei voltar nossa mesa ninguém mais estava sentado além do meu professor. Eu me aproximei me sentei decidir perguntar algo . 

    _Cadê os outros? 

    _ Foram dá um perdido. Ele se levantou venho sentar meu lado. 

    _ Não esperava encontra um lugar como esse. 

    _ Bom as vezes eu vejo acompanhar a minha prima. Só pelo menos sair pouco de casa ver pelo menos movimento. Volto toma pouco da minha caipirinha. 

    _ Por isso me pediu descer, se arrumar, vejo não era apenas um passeio entre amigas. 

    _bom... eu não posso sair por aí usada blusa escola. Vão pensar sou menor de idade. 

    _ Você Aelita não carrega com você os documentos? 

    _ Sim . Eu carrego. 

    _ Sua mãe sabe? – Ele me olhou desconfiando. 

    _ Sim ela sabe. É único lugar as vezes costume vim. Já estou indo embora não quero ficar de vela. Começo olhar por todos os lados não vejo nem um sinal da minha prima ou da Julian. Não acredito minha prima saio de fininho novamente me deixando um estranho, sorte dessa vez era, meu professor. 

    _ Por favor fique pouco mais me fazer companhia. – Fiquei pouco supressa meu professor havia me perguntado. 

    _ Mas o Senhor não tem planos? 

    _ Não. Se você está referindo eu arrume companhia. Não estou a fim. 

    Presto atenção no seu braço vejo é primeira vez eu vejo tatuagem meu professor por completa. Geralmente na escola ele usava blusa, mas sociais. 

    _ Não imaginava era um dragão. Ele olhou para braço havia tatuagem depois olhou para mim, ele iria dizer algo torre de cerveja eu havia pedido chegou, o garçom deixo copo cheio de gelo na mesa e quadro copos gelados. 

    FELIPE POV 

    Aelita estava linda, deliciosa, principalmente pela sua inocência. Não podia acreditar ela estava bem meu lado sentada me fazendo companhia 

    Porra, Felipe! Foco, cara! 

    Ela era uma tentação. Qual homem não se aventuraria com uma garotinha tão cheia de hormônios prontinhos para explodir? E o melhor de tudo era que ela era maior de idade, ou seja, eu não estaria cometendo nenhum crime. Ou melhor, não estaria, se ela não fosse minha aluna. E pior, se não fosse virgem. 

    Puta que pariu! Virgem! 

    Ela me confessou dizendo nunca havia namorado ou beijando algum. Me pergunto ponte essa menina passar o tempo dela todo? Nunca ter aproveitado a juventude. 

    Ela se referiu sobre minha tatuagem, eu iria pergunta ela achava o que era minha tatuagem, o garçom apareceu trazendo torre de Chopp me interrompendo. Eu a visitei meus amigos voltados para mesa dois deles estava ruiva se chamava Julian outra Carol as duas se aproximaram da mesa sentado lado meus dois amigos. 

    _ Então garotas essa é segunda torre de vocês? – Pode ouvir meu amigo perguntado logo seguida pouco ouvir risos das três. 

    _ Não essa é nossa terceira. Vou louco avisado se não beberem logo a Aelita vai fazer grande favor de toma metade da torre sozinha. – Disse Carol a pontando direção da Aelita a deixando constrangida. 

    Foi minha vez de ficar surpreso. _está brincado? Consegui mesmo beber metade dessa torre sozinha? Sem passar mal? 

    Eu pode ver ela começo mexer no cabelo, apenas acenou com cabeça confirmando. 

    _ É Gray acho temos competidora ao seu nível. 

    Pode ouvir risada do Matheus se aproximando da mesa acompanhando linda morena seu lado. 

    _ A noite vai ser longa. - Comentou Matheus sentado puxando cadeira moça. 

    Depois tosses de Chopp e algumas caipirinha ou vodka com energético, acredito em todos joga seu suíço. Todos estão suas parceiras se pegando na mesa ou trocando amasso e caricias. Me mantive em silêncio observando Aelita meu lado bebendo em silencio. 

    Um dos meus motivos ter aceitado essa saída, foi exatamente pelo motivo encontra alguma companhia ter boa trepada, só assim esqueceria minha aluna saber sua deliciosa inocência. Como eu poderia arruma companhia ela estava meu lado? Tentando não olha-la belíssimo corpo cheio de curvas é...... eu daria grande chance estar entre seu belos par de coxas. Pode sentir pau crescer. Me levanto da mesa tentando não focar na ideia. Ninguém parece notar minha presença ou da Aelita no local. 

    Eu convido dar uma volta. _ vamos andar pouco? Ela aceita se levanta vem trais de mim. Começa a tocar música de samba “Sergio Mendez-Mas que Nada”, apego em sua mão. 

    __ Que tão dançamos um pouco? 

    Ela aceita parece feliz. Começamos danças juntos aproveito chance conversa com ela em partícula longe dos olhares curiosos. 

    _ Se senti bem? Se quiser posso leva-la para casa. 

    _ Sim . Estou bem. 

    _ Eu só não sei dançar. – Ela confeiçoou. 

    _ É grande oportunidade de aprender . Ela riu . 

    Aproveitei chance a trazendo mais perto de mim. Pousando umas suas mãos meu ombro a outra segurava, os poucos ela se soltava tentando acompanhar meus passos alguns vesses acabando pisando meu pé. Não liguei pode ver ela estava se divertindo dançando comigo, pode perceber as vezes ela trocava gesto entre ela a Carol estava acompanhada meus amigos. 

    _ Posso saber tanto vocês duas tentam conversa trocando gestos? 

    _ Bom... e que...minha prima está achando nós dois estamos... 

    Antes pode-se completa fraze eu disse a deixando envergonhada. _ ficando? 

    _ Sim. Eu estou tentado dizer a ela que não. 

    _Acredito o segundo plano da sua prima é daqui pouco dá o sumiço. 

    _Eu nem sei estou fazendo aqui, na verdade era estar em casa. 

    _Quer dizer senhorita aguenta passar a noite fora bebendo, não consegui passar restante da noite se divertindo? 

    _ Beber e passar o tempo conversando é completamente diferente ficar alguém. – Ela disse corando 

    _ Qual foi a maior loucura você já vez sem pensar? 

    _Hum...acho foi aceitar ser sua companheira está noite. 

    _ Tenta outra Senhorita Aelita. 

    _ É sério. Geralmente eu não aceito convide de ninguém, acabo deixando minha prima e me vou embora. 

    Tentei não rir, Aelita era inocente demais entender meus joguinhos, agirei trouxe de volta para mim segurando pela cintura. 

    _ Vamos fazer assim fingimos que nada aconteceu sobre essa noite. Não quero pense eu sou aproveitador. 

    _Eu... eu nunca dirigia o senhor é aproveitador. Não cheguei nem a mencionar para minha prima o senhor é, meu professor. 

    _Por favor não me chame de professor. Aqui não. 

    _ Como deveria chama-lo o senhor? 

    _ Apenas pelo meu nome. Você é sempre assim falando formal todas as pessoas você conhece? Acho deveria estar fazendo quaisquer outras coisas adolescentes por aí. 

    Ela parecia analisar minha perguntas . Eu gostaria de saber o que se passa na cabeça dela. 

    _ Eu falo assim por educação, com quem não tenho intimidade. Coisas de adolescentes? O que seria. 

    _ Você sabe saído por ai indo as festas, dançando beijando…e. – Era melhor ficar de boca fechada. Efeito do álcool começo fazer efeito. 

    _ Mais não é isso eu estou fazendo com o senhor? Dançando. 

    _ Não Aelita outras formas de dançar. Pense em uma loucura gostaria de fazer sem pensar duas vesses ? 

    AELITA PO'V

    Não podia acreditar estava dançando meu professor, o melhor ainda estávamos conversando tendo conversa natural. As vesses olhava minha prima pode ver ela fazendo um sinal de positivo, para minha tristeza não passava relação civilizada entre aluna e professor. 

    Ele me pergunta algo eu gostaria de fazer sem pensar duas vesses. Era beijar ele. A boca dele era tão atraente, será que ela barbar faz cocegas na hora de beijar? 

    Eu dei risada meus próprios pensamentos. Tomei coragem fiquei da ponta dos pés segurei forte seus ombros o beijei. Eu não sei onde eu tinha conseguido tirar coragem para fazer isso, talvez tenha sido a bebida. 

    A barba dele fazia pouco de cócegas. Eu me afastei encarei saber qual seria sua reação.


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!