Amor Inesquecível

  • Aelita
  • Capitulos 15
  • Gêneros Romance e Novela

Tempo estimado de leitura: 3 horas

    12
    Capítulos:

    Capítulo 5

    Capítulo 5 - Você nunca.........

    Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo

    Boa leitura

    No amanhã seguinte minha mãe começo me encara eu vazia almoço, aquilo realmente começo me irritar.

    —_ Mãe! Para de me encara. – Reclamarei.

    —_ O que a senhorita ando aprontado? Posso saber? - Ela continuou me encara, cruzou os braços esperando por minha resposta.

    —_ Eu não fiz nada. É isso a senhora quer saber. – Reclamei indignada.

    —_ Então posso saber o que aconteceu? Ontem para hoje a senhorita está cantando sem mais sem menos. Acordou hoje sem reclamar.

    Eu fiz uma carata aquela do tipo “está louca? ” E claro não diria isso a minha mãe. Comecei a rir sem motivo.

    —_ Não aconteceu nada mãe. Só porque eu acordei sem reclamar ou porque estou cantado não significa eu aprontei algo, o que eu vou apronta algo.

    Ela continuou me olhar desconfiada

    —_ Mãe para! - Pedi ela novamente que parasse de me encara.

    —_ Humm.. Estou te olhou na senhorita.

    Mal ela sabia motivação da minha felicidade, acredito ela soubesse me mataria. Parei de cortar os legumes comecei chama-la com aquela vozinha de manhã.

    —_ Mãezinha!!! Mãezinha!!

    —_ I.... Lá vem ? Tu ta querendo? Em .

    Eu dei grande sorriso aproximei da minha mãe continuei chama-la de Mãezinha. Ela me olhou torto e fazendo aquela cara “Tu ta querendo garota? ” Comecei a rir com expressão ela fazia e quando em encarava. Me aproximei da minha mãe a beijei no rosto e disse.

    —_ sabia te amo muito mãe? Você é melhor mãe do mundo. Pode ouvi-la reclamando desconfiada.

    —_ eee..... ai tem .

    —_ Ne ne mãezinha me empresta um dinheirinho.

    —_ Eu já sabia! Para que tu quer dinheiro?

    —_ Eu to brincando mãe. Tenho dinheiro, era só mesmo incomodar pouco a senhora.

    —_ Ae mãe não se esquece hoje vou chegar pouco tarde. A senhora não precisa ficar me esperando.

    —_ Posso saber onde a senhorita vai com sua prima com David ?

    —_ Vamos ficar mesmo lugar de sempre mãe. No bar a frente à praça do correio.

    —_ Não vai beber de mais ouviu?

    —_ Eu sei mãe, a senhora pode ficar tranquila eu não passo da conta, nunca passei.

    Terminei de fazer o almoço, hoje era sexta-feira eu minha prima por sinal era melhor amiga e companheira combinamos de sair hoje passar um tempo em um barzinho comendo besteira e bebendo, só mudar pouco rotina. Minha mãe nunca me proibiu de beber ela sempre soube eu bebei-a, ela sempre me dizer melhor beber na minha frente com família do que sair por ai beber escondido.

    Minha mãe as vezes ela pode ser mantona ou brava, nunca me proibiu de sair com as amigas ir a bailes ou show de rock eu amava ir.

    Depois da escola eu iria encontra com minha prima e um amigo no bar no horário combinado. Um piscar de olhos a tarde se passou rápido peguei minha mochila verifique estava tudo em ordem coloquei uma blusa extra dentro da mochila, caço ocorra pequeno imprevisto igual da última vez. Um bêbado por completo acabou derrubando cerveja em mi, ai que raiva deu.

    Tomo um banho arrumo meu cabeço passa uma maquiagem não muito forte, me despeço da minha mãe e vou para escola. Eu chego na escola me encontro com Karina conversamos antes de cada uma ir para sua sala, as eram tediosos, mas o professor de física não para de fala sobre Trabalho realizado sobre cargas e D.D.P.

    —_”Onde WAB é o trabalho realizado pela força elétrica e q é a quantidade de carga elétrica da carga de prova.

    A unidade de diferença de potencial no sistema internacional é o Volt e sua abreviatura é V. Essa grandeza é muito útil em nossa vida diária, ainda mais em atividades que envolvem a eletricidade. Tensões de 110V, 220V ou 12V são comuns, e seu significado é justamente a relação entre energia “trabalho” e carga elétrica. Assim, se uma determinada carga elétrica circula por uma lâmpada ligada a...”

    Serio chegou uma hora literalmente meu celebro desligou, não consegui, mas manter o foco na explicação estava com sono de tanto lenga lenga. Bom pelo menos minha situação não era a pior olho para traz vejo uma aluna com mochila em cima da mesa encostada na parede, praticamente ela dormia sobre a mesa, está quase babando. Eu rir aquela situação “ ainda bem não era eu, se eu acorda-se acabaria fazendo maior escanda-lo acorda assustada saber eu havia dormindo na sala de aula”.

    Apenas copio matéria olho para corredor vejo o professor Felipe passando, por um momento ele para entre a porta da nossa sala, parecia nós observava. Ele ver estou olhando para ele eu rapidamente desvio para meu fichário. –“ Ele vai achar vou uma louca “. Eu posso fazer? Eu acabei ficando tão nervosa com sua presença acabei ficando sem graça.

    Eu volto olhar direção porta não vejo mais e nosso professor , e o professor de física continuava explicando matéria, por fim estava agradecendo a deus estamos quase na última aula antes de bater o final troca de professor , eu peço ao professora eu possa descer beber água .

    Eu desço bebo água escuto alguém me chamar, acabo me assustado acabo engasgando água estava tomando.

    —_ Desculpa se eu te assustado.

    Começo tossir me viro vejo o professor Felipe meu lado. Eu disse entre tossidas.

    —_ Tudo bem professor.

    —_ Aelita daqui 3 minutos sua turma terá última aula comigo, você poderia me ajudar levar alguns livros para cima? Por favor.

    —_ E claro que sim. É claro eu não pode recusar essa oferta de ajudar o professor, afina eu adorava passar o tempo com ele. Me isso fosse apenas 2 minutos a sóis com ele.

    —_ Mesmo obrigado. – Ele disse começo caminhar eu fui trais dele.

    —_ Aelita pode me dizer quantos alunos vieram hoje?

    —_ Bom como senhor sabe hoje é sexta-feira quase ninguém costuma vir. Acredito hoje teve ter apenas 13 alunos na minha sala.

    Ele deu risada .__ Como sempre ninguém vem. Acredito ser eu ter prova supressa hoje metade da sala vai perde ponto extra. – Ele disse entre risos.

    Eu gelei engoli seco. __ O senhor vai mesmo da hoje prova supressa?

    —_ Não estava brincando. Você sabe eu não tenho costume da prova supressa.

    —_ Não seria justo outros alunos não vieram hoje.

    Suspirei aliviada. __ por favor não assuste assim professor. Eu iria me dar muito mal.

    Ele começo rir novamente entramos na sala dele . __ Você tem mania de estudar para prova, na última horas?

    —_ Não. Eu odeio prova surpresa nunca me dou bem. Eu tenho que pelo menos estudar três dias antes da prova. – Digo fazendo bico.

    Entramos na sala, havido alguns livros em cima da mesa a mutuado. __ Professor são aquele livros ?

    —_ Sim. Peguei apenas conseguir carregar. Eu levarei o restante.

    Pego alguns livros os arrumo antes de pega-los .

    —_ Cadê seu namorado? Ele não venho hoje?.

    Por um momento fiquei em dúvida, o professor estava falado comigo?

    —_ Namorado ? . – Perguntei envergonhada

    —_ Sim . O Stevan, vocês vivem grudados.

    —_ Ah...! Ele não é meu namorado. – “O que ele faz pensar o Stevan é meu namorado? ” Pensei comigo mesma olha para meu professor.

    —_ Eu nunca namorei – Eu acabei soltando e na mesma hora eu fiquei vermelha.

    Eu queria muito conhecer ele, mas eu também queria que ele me conhecesse, se nó não fossemos ter nada do que almejava, que era o mais provável, eu pelo menos queria ter uma aproximação diferente dos outros, queria saber coisas dele que as outras pessoas não sabiam, queria ser algo em especial.

    Ele tirou os olhos da caderneta me olhou de canto, eu abaixei a cabeça.

    —_ Você é uma péssima mentirosa – ele falou.

    —_ Não, é sério, nunca namorei ninguém, nem beijei .... – Eu olhei rápido pra ele e depois voltou a minha posição de cabeça abaixada. Por sorte estamos só na sala, não havia nem professor.

    Passaram-se segundos, talvez minutos ou até mesmo horas, eu não sei, eu estava nervosa.

    —_ Mentira, você já tem idade suficiente fazer qualquer coisa igual outros adolescentes.

    —_ Então você nunca....., com menino nenhum? – Ele falou não parecendo acreditar no que eu estava falando.

    Eu só balancei a minha cabeça de um lado pro outro confirmando que não.

    —_ Mas os adolescentes hoje em dia não saem por ai beijando boca sem compromissos e fazendo várias outras coisas?

    —_ É, eu acho que sou um pouco atrasada mesmo. – Eu falei brincando com os meus dedos.

    —_ Aelita – Ele chamou baixinho.

    Eu pensei que meu coração fosse me deixar na mão, ele se aproximou de mim.

    —_ Sim ? – Eu respondi erguendo a cabeça e olhando para ele.

    —_ Olha só para você é garota bonita. Deveria ter confiança em si mesma.

    Eu senti meu professor coloca dedo dele indicador sobre minha testa .

    —_ Antes de sair fazendo uma posposta dessas para alguém. Como eu me tornaria sua esposa. Você deveria experimentar aproveitar sua juventude .

    —_ Mais euuu...

    Ele não deixou falar. Tirou dedo sobre minha testa me encarou depois sorriu.

    —_ Vamos subir . Ele falou. Eu apenas acenei com cabeça

    Ele pega alguns livros passa por mi, eu faço mesmo eu dou um passo sinto algo segura minha saia, eu olho para trais vejo minha saia havia ficado pressa dobradura da mesa, se eu andasse provavelmente minha saia rascaria. Entre em pânico não sabia o que fazer se eu deixava os livros de lado, ou se eu fingisse nada tivesse acontecido continuasse andado. Se eu passe maior vergonha na frente meu professor ter ficado saia pressa no dobra da mesa , ai.... eu faço?

    Então entre em pânico escuto o professor me chamar .

    —_ É ... que ... – eu realmente não conseguir dizer nada! Fiquei ali igual uma boba gaguejando.

    O professor se aproximou de mim percebi minha saia estava pouco levantada devido estra pressa na mesa, tento abaixar a saia desesperadamente acabo esquecendo do livro os deixando por completo cair no chão .

    —_ O que ouve Aelita? .- ele perguntou se aproximando de mim deixando os livros ele havia pegado em cima de uma cadeira.

    Eu coro, ele havia percebido estava acontecendo. O professor se abaixou pega os livros, eu tento retira minha saia da dobra. Estava tanta vergonha por cima tentado manter saia abaixada eu entre quase desespero de morre de vergonha.

    —_ deixa te ajudar. – Disse o professor terminado de coloca os livros eu havia derrubado em cima mesa, ele fica meu lado com facilidade retira ponta da minha saia está pressa. Pode ver seu rosto ele havia ficado embaraçado. Eu me dou conta por momento ele poderia ter visto minha calcinha, eu coro.

    —_ O...o ... senhor vi-o não foi ?

    Ele começo massagear seu pescoço. __ Bom ... juro não contar a ninguém. E segredo ouve aqui.

    —_ Obrigado... .- escuto o sinal tocar pego os livros novamente saio da sala completamente envergonhada , aiiii como isso foi acontecer ? Por cima na frente do professor. A minha saia tinha de ter ficado pressa? Justamente agora estamos tento uma conversa decente?


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!