Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 126

    Viagem

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yoo,

    Estamos chegando a mais um fim de ano, e está fic ainda sobrevive!

    Eu mesmo estou surpreso que eu ainda esteja postando, e olha que nem sou desocupado...

    A cada capítulo minha mente fica mais perturbarda!

    Boa leitura ^^

    Um ano após o declínio dos serafins...

    Edward, Lizzie e Mikaela estavam em cima de uma montanha. Edward estava sentado na beirada com Mikaela em seu colo e Lizzie em suas costas. Lizzie vestia um vestido vermelho com adornos negros e uma tiara de cartola preta; e ela estava cantarolando. Mikaela trajava um vestido roxo que descia até o meio de suas coxas, meias de coxa preta, uma bota de cano curto e, em seu olho esquerdo, estava um tapa-olho; estava lendo um dos livros dos Mephistos. Edward, como de praxe, usava seu sobretudo negro e seu all star, a blusa era uma branca qualquer e a calça de couro; ele fazia nada.

    Mikaela e Edward agora tinham o colar de cristal azul. Os dois voltaram para a mesma Dungeon, e ela decidiu que os colares seriam suas alianças. E também Mikaela fez uma tatuagem de uma lua em seu pulso esquerdo e Edward fez um sol em seu pulso direito.

    Ele iluminava ela, afastando qualquer escuridão dentro de si, protegendo-a.

    Ela iluminava ele, dando-lhe uma luz em meio a escuridão para mostrar-lhe o caminho.

    Corvo crocitou. A ave voava trazendo um jornal em suas garras, e deixou-o cair nas mãos do Edward. Mikaela fechou o livro e observou o Corvo.

    – Amor, Corvo tem quantos anos? – perguntou ela.

    – Hmmm... – ele abriu o jornal. – Desde quando conhecemos ele até agora, passaram-se sessenta e um anos.

    – Então ele tem mais de sessenta e um?! Um corvo não deveria viver tanto tempo!

    – Não? – perguntaram Liz e Ed pendendo a cabeça para o lado.

    – Claro que não!

    Mikaela chamou o Corvo enquanto estava com o braço e o dedo indicador esticado, e ele pousou no dedo. Ela acariciou as costas da ave negra, e fez uma careta em seguida.

    – Agora que reparei... ele tem muito de sua energia dentro de si, Ed. O que houve?

    – Teve uma vez em que um demônio pegou ele. Nós dois pensávamos que ele tinha morrido, mas eu tentei curá-lo mesmo assim. E deu certo – respondeu Liz.

    Mikaela refletiu um pouco. Ela olhou para Edward.

    – Sua magia envolve necromancia, certo?

    Ele assentiu.

    – Suponhamos que, sem querer, a Liz usou a necromancia ao curá-lo... então, ele está morto, mas não está, certo?

    – Onde você está querendo chegar? – perguntou Ed.

    – Enquanto você estiver vivo, ele não irá desaparecer.

    Houve um silêncio.

    – Corvo é imortal?! – vociferam os três aos mesmo tempo.

    Corvo crocitou.

    – Um passarinho é imortal?! – repetiu Ed.

    – De certa forma, sim... talvez – concluiu Mika.

    – Que foda – disse Liz.

    Mikaela se levantou e jogou o livro para Edward. Corvo saiu voando.

     – Quero testar uma magia nova – ela disse.

    – E qual seria?

    – De voar. Qualquer coisa, você me salva.

    Ela se jogou da montanha. Edward mergulhou no ar com Lizzie em suas costas. Corvo também começou a mergulhar ao lado deles.

    Mikaela abriu os braços com os dedos abertos.

    – Suplico para que eu tenha tamanha liberdade igual aos pássaros. – Círculos mágicos coloridos brilharam na palma de sua mão, conectando linhas de mana em suas costas. – Voar.

    Asas semelhantes à de gavião foram invocadas nas gosta dela. Eram praticamente transparentes e seu contorno era colorido (verde, azul, vermelho, prata e amarelo). Desajeitadamente, Mikaela voava de um lado para o outro.

     – Eu sou muito foda! – As asas foram desfeitas. – Eita porra.

    Ela começou a cair em queda livre.

    – EDWARD, SOCORRO!

    Quando estava prestes a chocar-se contra uma árvore, sentiu Edward agarrá-la e começou a subir. Ela suspirou.

    – Pensei que fosse morrer – ela disse.

    – Você lutou contra um ser que tinha poderes próximos a de um serafim e sobreviveu, mas iria morrer por uma simples quedinha? – observou Liz.

    – Verdade – concordaram Ed e Mika.

    Alguns minutos depois, enfim chegaram na casa da Anne e do Alfonso. Kleist, Pietra e Diana estavam lá também, e ela segurava um bebê nos braços. Pietra, como de costume, usava um short curto, blusa simples e botas. Kleist vestia um casaco cinzento, braçadeiras de ferro em seu braço esquerdo, calça de couro e botas de ferro.

    Edward posou no chão.

    – Pietra, Kleist, Diana, que bom ver vocês – disse Mika. – Esse bebê é seu?

    – Sim – respondeu Diana colocando ele nos braços da Mika. – É o Yuri.

    Yuri estava dormindo. Ele era bochechudo e bem gordinho. Tinha apenas alguns meses.

    – Oh, então Kleist é vovô? – Mika cutucou as bochechas dele. – É lindo.

    – Você e o Ed não pensam em ter um?

    Mikaela teve uma crise de tosse.

    – Você está bem? – perguntaram eles.

    – Estou... ótima – sorriu desajeitadamente.

    – Por que está usando um tapa-olho, Mika? – perguntou Pietra.

    – Nada demais. Depois eu conto para você.

    Edward brincou um pouco com Yuri e voltou sua atenção para Pietra e Kleist.

    – Então, o que traz vocês aqui? – perguntou ele.

    – Como assim, capitão? O Vash pediu.

    – Vash pediu...?

    – Ele não falou com vocês? – questionou Kleist.

    Edward, Lizzie e Mikaela fizeram que não com a cabeça.

    – Parece que os outros também foram chamados – apontou Anne.

    Um pouco distantes, Dante e Aiken corriam em direção a casa, ambos segurando uma caneca. Dante usava uma blusa vermelha que, como qualquer outra, ficava apertada nele, calça de couro e uma bota. Aiken não era muito diferente: camisa preta sem manga com estampa de caveira, calça de couro e botas.

    – Vash nos chamou aqui... – disse Dante levemente ofegante.

    – Pensamos que iriamos chegar atrasado, tá ligado? – completou Aiken também levemente ofegante.

    – Pelo jeito, não chegaram – disse Ed. – O que Vash...

    Um brilho e o barulho de estalar de raios silenciou Edward, e, no centro do brilho, lá estava Vash com um sorriso.

    – O que eu quero, capitão, é ajuda de vocês – respondeu ele.

    – Geralmente é você que nos ajuda. O que houve?

    – Rudemente falando, uma linha temporal está com equilíbrio completamente comprometido e, com ajuda de vocês, poderá ter o equilíbrio novamente.

    – Mas não é arriscado irmos para outra linha temporal? – perguntou Aiken.

    – A situação está tão crítica que, provavelmente, não traria risco nenhum vocês estarem lá.

    – “Provavelmente”? – repetiram eles.

    Vash deu de ombros.

    – Vamos logo, não posso ficar muito tempo parado. Cada um encosta no outro.

    Dante e Aiken beberam suas canecas cheio de rum em um gole.

    Pietra segurou a mão de Kleist, Dante encostou seu dedo indicador na bochecha de Kleist – que agora se controlava para não cortar aquele dedo –, Aiken encostou sua mão no braço de Dante, Edward encostou em Aiken, Mikaela abraçou o braço do Edward e Lizzie estava nas costas dele, como sempre. Vash colocou a mão no ombro de seu capitão.

    – Devolvo eles daqui alguns segundos – disse Vash para Diana, Alfonso e Anne.

    O brilho e o estalar de raios aconteceu novamente, e todos os oito sumiram em seguida.

    Eles estavam em um lugar onde a energia azul ondulava e girava ao redor deles. Cada um sentia que estavam flutuando.

    – Prestem atenção – pediu Vash. – Apesar de ter dito que o equilíbrio não se importaria com vocês lá, ainda é arriscado. Juntos, vocês causam muito destruição. Por isso que irei separá-los e tirar suas memórias.

    – Como se o mundo se acostumasse com nossa presença... – disse Aiken.

    – Exato. Mas não se preocupem, eu vou enviá-los para locais apropriados para que, um dia, vocês estarão juntos novamente. Neste momento, ao se entreolharem, suas memórias serão recuperadas. Com a informação obtida de cada um no tempo separado, saberão melhor o que fazer no próximo passo. Entendido?

    Os sete assentiram.

    – Ótimo. Espero que estejam preparados, pois essa merda toda começa em três. Dois. Um...

    Continua <3 :p


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!