Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 112

    Ouroboros

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yoo, hoje o capítulo é maior que o normal porque ficará com melhor posicionamento, digamos assim.

    Boa leitura ^^

    Mikaela se teletransportou junto com Usura para os longos, altos e espaçosos corredores dentro do castelo. Antes, estes corredores, assim como todo o castelo e o céu, detinham iluminação e brilhos bem vivos, como se a luz do sol fizesse parte das construções. Mas agora era tudo cinzento, sem brilho algum com algumas partes tomada pelo breu.

    Rolando pelo chão, Mikaela se pôs de pé, e, alguns metros dela, Usura fizera o mesmo. Sem enrolação, Usura transformou seus dois braços em lâminas douradas e avançou em direção a demônio.

    – Sem nem mesmo uma conversinha antes? – disse Mikaela juntando as palmas de suas mãos, entre elas, um círculo mágico verde se formou em cada palma. Ela tocou o chão com as duas mãos e o corredor começou a tremer. Emergindo chão, gigantes raízes começaram a se mover focando a Usura.

    Usura, movendo-se de uma maneira leve e rápida, cortava todas as pontas das grossas raízes com facilidade, porém ela fora obrigada a parar seu avanço, pois a quantidade de raízes não parava de aumentar. De trás das raízes. Mikaela saiu mirando em Usura com um círculo mágico branco na palma de sua mão, atirando um pedaço de gelo afiado em seguida. No último instante, Usura girou, fazendo o pedaço de gelo passar cortando apenas sua bochecha de maneira superficial. Aproveitando a abertura, Usura avançou em direção a Mikaela. Para amenizar os danos, Mikaela se moveu de forma com que a lâmina conseguisse apenas transpassar seu ombro direito. Ela apontou seu dedo indicador e médio em Usura, e grossas raízes a atingiram, prensando-a contra a parede mais próxima.

    – Fazia tempo que não recebia um ferimento assim. – Mikaela olhou para seu ombro perfurado e que escorria sangue. – Não dói tanto quanto ter sua alma arrancada do corpo.

    Mikaela escutou o som da lâmina cortando suas raízes. Usura as cortou com facilidade, e demostrava não ter ferimentos graves. A lâmina direita estava revestida por uma energia roxa. Usura movimentou a espada em direção a demônio. Por extinto, Mikaela se jogou para o lado, e um corte invisível rasgou o chão.

    – Isso foi perigoso – pensou Mika enquanto estava espantada.

    – Você está me atrapalhando a chegar ao meu rei. Vou lhe matar – ameaçou Usura com as lâminas de seus braços envolto da energia roxa.

    Ela movimentou suas lâminas em direção a Mikaela, que começou a desviar por extinto, pois não conseguia enxergar os cortes. Sem opção, Mikaela usou uma magia que fez todo o salão ser coberto por um brilho branco e ofuscante, cegando Usura. Quando Usura recuperou sua visão, Mikaela havia entrado em sua forma demoníaca.

    Mikaela estava com seus olhos negros e sua pele vermelha com uma listra negra que era desenhada ondulando em seu corpo. Em sua cabeça, estava seu par de chifres encaracolados com a ponta para cima.

    – Para o céu precisar de um demônio para lutar contra seu rei, boa coisa ele não é – Mika sorriu.

    Enfurecida, Usura disparou mais de seus cortes invisíveis. Erguendo a mão esquerda, um muro de pedra foi facilmente criado a partir do chão, bloqueando os cortes invisíveis. Com a mão direita, envolto de um círculo azul, Mika começou a disparar pedaços de gelo afiados. Graças a sua habilidade de refletir magia, Usura conseguia com facilidade ricochetear os pedaços de volta para a demônio, obrigando-a voltar para a defensiva.

    – Ela tem bons ataques a distância e a curto alcance, fora sua defesa contra minhas magias. Só entrar na minha forma demoníaca vai dar em nada – pensava Mikaela enquanto se movia pelo salão para desviar dos cortes invisíveis. – Vou ter que recorrer a um pacto. – Subitamente, Mikaela parou, e sofreu corte em seu braço direito e na perna esquerda. Ela agarrou seu cotovelo esquerdo com a mão direita e o cotovelo direito com a mão esquerda. – A Deusa do inverno me deu sua benção – recitou enquanto deslizava suas mãos pelos braços até uma palma deslizar sobre a outra, criando um brilho branco. Quando esticou os braços, dez selos médios a rodearam. – Nevasca – sussurrou. Nevascas começaram a partir dos círculos mágicos, incorporando uma forte nevasca, impendido a Usura de fazer qualquer movimento.

    Mikaela mordeu seu polegar direito até sair sangue. Ela deslizou o polegar ensanguentado pela extensão de seu braço esquerdo.

    – Eu ofereço meu sangue – recitou. Ela mordeu seu polegar esquerdo até sair sangue, e repetiu o deslizar em seu braço direito. – Eu ofereço meu corpo. – Sua mana azul começou a dançar em seu corpo. – Eu ofereço minha energia. – Em meio a nevasca, um círculo magico gigante azul cheio de runas e outros pequenos círculos dentro se formou atrás da Mikaela. Um ser relativamente grande formado apenas da cintura para cima, assemelhando-se a uma alma, enrolados em faixas com duas grandes espadas também enroladas pelas faixas, pairou sobre dela.

    – Você sabe meu preço, Lilith – disse o ser com uma voz tenebrosa. – Toda sua mana atual.

    – Só posso te oferecer metade dela – contrapôs Mika.

    – Nada feito.

    – Preste mais atenção, Ouroboros – Mikaela apontou para a Usura, que lutava contra nevasca. – Ofereço metade de minha mana e ela. O poder de um serafim.

    Ouroboros riu. Uma risada que dava medo, por sinal. Dava para sentir que ele parecia gostar da ideia de deleitar-se do poder de um anjo.

    – Contrato feito. – As faixas enroladas nas grandes espadas do Ouroboros se enrolou nos braços e torso de Mikaela. Ele sacou suas espadas. A mana da Mikaela começou a ser extraída e sugado pelo Ouroboros por meios das faixas. Apenas suas espadas de dois gumes foram materializadas, detendo uma prateado cintilante.

    Quando a nevasca parou, Usura se mantinha em pé. Ela e Ouroboros se encaravam. Repentinamente, Ouroboros atacou com suas espadas de cima para baixo. Cruzando suas lâminas, Usura bloqueou as espadas do Ouroboros, afundando-se levemente no chão. Os dois começaram a trocar golpes rápidos e fortes com as lâminas. A cada impacto, o corredor estremecia. Mikaela se mantinha parada fornecendo sua mana ao Ouroboros, já começara a se acostumar com a dor.

    Percebendo que ia perder a troca de golpes, Usura se afastou do alcance do Ouroboros. Antes que Mikaela pudesse se locomover para o Ouroboros conseguisse alcance novamente, Usura liberou grande quantidade de energia laranja e roxa, disparando cortes invisíveis. Ouroboros conseguia bloquear a maioria dos cortes, mas alguns ainda cortavam o corpo da Mikaela.

    – Se não nos aproximarmos dela, iremos perder – advertiu Ouroboros.

    – Jura?! – disse Mika com escarnio, tendo sua bochecha cortada em seguida. Na palma de sua mão direita, um grande círculo magico se formou. – A rainha da pólvora me abençoou – recitou. Mais um círculo se formou na frente do primeiro, depois outro, e mais, até seis círculos serem formados um na frente do outro, cada vez menor.

    – Tem certeza? Sua mana vai acabar – lembrou Ouroboros concentrado em bloquear os cortes.

    – Você só precisa de metade mesmo – ela abriu um sorriso sádico, e Ouroboros riu. – Explosão.

    A explosão fora desencadeada. A escala da explosão foi tão grande que equivaleu ao amplo corredor. Usura manteve sua postura e apontou as lâminas em direção a grande explosão. Ao entrar em contato com a ponta lâmina, a explosão foi devolvida em direção da Mikaela e Ouroboros, ainda mais forte e rápida. Todo o lugar estremeceu com tamanha explosão. Com a extinção da fumaça, demostrou o corredor com as paredes rachadas, quebradas e o chão completamente destruído. Se fosse uma construção qualquer, teria explodido junto, pois fora força o suficiente para dizimar uma cidade.

    Mas não havia sinal nem Mikaela e nem de Ouroboros.

    Usura começou a procurar pelos dois, olhando para um lado e para o outro. Ao olhar para a parede em sua esquerda, Usura viu o brilho da lâmina... e sentiu seu corpo sendo transpassado.

    Após a explosão ter atrapalhado completamente a visão da Usura, Mikaela, junto com Ouroboros, teletransportaram-se para uma sala ao lado que ela percebeu que tinha. Após isto, só precisou de Ouroboros perfurar a parede e matar Usura.

    Ouroboros ergueu Usura que estava varada com sua espada. Ela não sangrava, mas gemia de dor. Pela espada, a energia da Usura começou a ser sugada para Ouroboros, até murchar e morrer.

    – Agradeço pela refeição deliciosa, Lilith – agradeceu Ouroboros. – Lembro de você ser mais cruel.

    – Um certo alguém me mudou de vez – ela sorriu, mas estava exausta.

    Ele riu, as faixas desenrolaram do corpo da Mikaela e Ouroboros sumiu em seguida. Mika voltou a sua forma humana, havia se acostumado a ela, tanto que seu corpo já não exigia energia para manter a forma.

    Mikaela estava com vários cortes pelos corpos, levemente sangrando. As faixas deixaram marcas de queimaduras em seu braço e torso. Estava com o mínimo de mana e exausta.

    – Foi divertido. – Ela percebeu que estava com um sorriso sádico no rosto, e logo desfez. Suspirou. – Parece que finalmente estou me tornando um dos selos, pelo jeito.

    Ela olhou para a entrada do castelo, e lá estavam Pietra, Dante, Kleist, Aiken e Uriel. Os seis ficaram por um tempo se encarando.

    – Oi, gen...

    – MIKAELA?! – Vociferaram eles a interrompendo.

    Pietra se jogou em cima dela a abraçando, as duas caíram no chão. Em seguida, Aiken também se jogou. Dante, Kleist e Uriel se aproximaram.

    – Você não deveria estar morta? – perguntaram eles.

    Mika suspirou. Levantaram-se do chão.

    – Vocês são todos insensíveis – reclamou ela. – Deus me reviveu.

    – Deus...? – estavam incrédulos.

    – Sim, é uma long... – Mikaela sentiu um aperto no coração, e apertou seu peito com a mão.  Ela olhou em direção a sala do trono. – Edward! – ela começou a correr, cambaleando, exausta e com dor, em direção a sala.

    Os selos e Uriel se entreolharam, e logo correram atrás dela.

    Mikaela se aproximou da gigantesca porta e a empurrou, mas não conseguia abri-la. Preocupados, os selos não pensaram duas vezes a não ser explodir a porta com força bruta, então adentraram...

    Continua <3 :p


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!