Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 103

    Armadura Berserk

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yoo, sorry não postar semana passada, meu tempo realmente apertou

    Está um pouco difícil achar tempo para fazer capítulo, então não se surpreendem se eu ficar um tempo sumido

    É isto

    Boa leitura ^^

    – Primeiro, eu preciso liberar todo meu poder – sussurrou Dante.

    Dante esticou os quatro braços, inspirou e expirou, seguidamente, suas chamas vermelhas se espalharam exuberantemente pelo local, obrigado até mesmo o serafim dar alguns passos para trás para não se queimar.

    – Despertar segundo estágio: Personificação da Fúria – disse Dante em um tom suave em meio as chamas.

    Subitamente, as chamas vermelhas começaram a ser absorvidas pelo corpo do Dante. Ao termino da absorção das chamas, toda a pele escamada de Dante escureceu, tonando-se negra. Ainda mais fissuras foram abertas pelo corpo de Dante, que, por causa de sua pele negra, a chamas que parece lavas ficaram ainda mais incandescentes. Os brilhos em seus olhos ficaram tão intensos que pareciam arder em chamas. Seu corpo ficara tão aquecido que exalava vapor extremamente quente. Um nimbo vermelho, com outros círculos vermelhos dentro, estendia-se do meio das costas até um pouco acima da cabeça.

    – Tenho que ser rápido, ou se não me corpo explode – sussurro Dante para si, fazendo o vapor exalar pela sua boca.

    Impaciente, Ira avançou em direção ao selo com o chão estremecendo a cada passo. Com o punho direito encoberto pela energia negra, o serafim desferiu um soco em direção Dante. Utilizando seus dois braços esquerdos, Dante segurou o pesado soco do Ira, sendo arrastado apenas alguns centímetros.

    – Vai precisar mais do que isso – disso Dante seriamente.

    Dante levou seus dois braços direitos para trás e, ao invés de ficar envolto em suas chamas vermelhas, os antebraços começaram a ser aquecidos, deixando-os parecendo que estavam revestidos com lava. Dante acertou o torso do serafim com seus dois braços direitos. Após ter sido arrastado alguns metros, Ira sentia dor pelo soco e pela queimadura que causara, as marcas dos punhos quentes ficaram marcados no torso enquanto exalava vapor. Com um urro de dor e de raiva, Ira acertou um tapa com as costas da mão em Dante, lançando-o no ar.

    Recuperando-se ainda mesmo no ar, Dante posou e freou com pés. Ele olhou para seu corpo, e não havia causado nenhum outro ferimento, sua armadura negra havia aguentado todo impacto recebido pelo serafim.

    – Ótimo – pensou ele. – Não posso me dar ao luxo de receber mais ataques dele, a armadura não vai resistir tanto. Acho que agora é uma boa hora para pensar – suspirou. – O corpo dele é pesado e lento, então velocidade é seu ponto fraco. Com essa transformação, eu tenho velocidade de sobra. Mas vou precisar mais do que velocidade para dar o golpe final. – Dante olhou fixamente para o serafim que caminhava em sua direção. Então sorrio, fazendo o vapor sair de sua boca. – Um mostro desse tamanho e peso deve ter dificuldades em se levantar.

    Os quatros braços do Dante exalaram ainda mais vapor, então foram revestidos pela camada semelhante a lava. Em uma grande velocidade, Dante apareceu a frente do serafim. Entretanto, Ira havia previsto isso, e desferiu em direção selo. Graças a sua velocidade e a lentidão do inimigo, Dante fora rápido suficiente para ir atrás do serafim e acertá-lo em suas pernas com os braços direitos. Ira tentou afastar Dante com seu braço esquerdo, mas o selo já estava alguns centímetros acima dele. Juntando as mãos superiores, Dante acertou o ombro direito do serafim, desequilibrando-o para direita. Ira tentou agarrar o selo, mas ele já estava em sua frente. Com os braços esquerdos, Dante acertou o serafim tão forte na perna que estilhaçou os ossos. Sendo sua perna direita o único ponto de equilíbrio, com ela quebrada, Ira começou a cair. Dante pisou no centro do peito do serafim e impulsionou-se para cima, e Ira foi obrigado cair no chão antes que devia.

    Ira tentava se levantar do chão, mas sua perna quebrada não ajudava, fora a dor e sensação de sua carne estar queimando após os vários socos e seu peso.

    No ar, Dante havia concentrado tanto calor em seus quatro braços que o vapor o cobria. Então, começou a cair. Dante parecia um meteoro incandescente caindo do céu. Ira tentou parar o selo com seu braço direito, mas Dante caia com tanta força e pesar que o braço fora obliterado por completo. Com o impacto no peito do serafim, o lugar estremeceu, o vapor subiu e o corpo do serafim começou a brilhar. Dante, graças a força e temperatura elevada de seu braço, transpassou a grossa camada de carne do serafim facilmente, chegando até o coração e explodindo-o. Depois de um tempo com o imenso corpo brilhando, o serafim desapareceu, estava morto.

    Dante, segundos depois, sentiu uma pontada tão forte em seu coração que fez todo seu corpo estremecer. Ele saiu de sua Personificação e caiu no chão de barriga para cima com sua mão direita em seu peito, e riu. Seu corpo ainda exalava vapor.

    – Quase meu coração explode – disse com ânimo em sua voz.

    Dante estava sentindo dor por todo seu corpo, com alguns ossos fraturados e algumas feridas onde escorriam sangue. Ele tentou se levantar, mas sentiu seu corpo pesado demais para conseguir sair do chão. Dante deu um longo suspiro.

    O selo olhava o céu, sem ter o que fazer, então começou a escutar barulho de passos. Ele olhou para o lado e viu Uriel se aproximando. Uriel ainda estava com uma pequena parte de seu torso congelada e sua bochecha, e andava levemente cansada.

    – Parece que você enfrentou o Ira – disse Uriel observando toda a cena de destruição.

    – É. Foi divertido.

    – Não me surpreenda que tenha achado. – Uriel se aproximou de Dante. – Eu e Tyrael enfrentamos Orgulho e Gula. – Uriel estendeu a mão para Dante. – Tyrael morreu.

    Dante, em silêncio, segurou a mão da Uriel e ergueu-se. Ao contado das mãos, ao vapor subiu. Dante não havia dito mais nada, e não precisava. Os dois começaram a ir em direção a extensa escadaria, mas pararam ao perceber que alguém gritava atrás deles. Quando viraram suas cabeças, avistaram Pietra correndo, dando tropeços em cada passo e extremamente ofegante.

    – Vocês estão bem, que bom – disse Pietra ofegante. Ao se apoiar em Dante, ela sentiu sua mão ferver. – Você está muito quente! – Pietra encostou na Uriel e sentiu sua mão congelar. – E você muito fria!

    – Não estou – disseram os dois.

    – Encostem-se.

    Dante encostou um dedo na testa da Uriel, e a Uriel um dedo na bochecha do Dante, então vapor foi exalado.

    – Um muito quente e a outra muito fria, então se anulam. Que fofinhos – observou Pietra tomando a frente.

    Uriel e Dante se entreolharam sem entender e deram de ombros.

    Continua <3 :p

    Curiosidades:

    Personificação da Fúria: em sua personificação, Dante tem um nimbo vermelho com vários outros círculos dentro. Suas chamas vermelhas são absorvidas para o interior de seu corpo, fazendo-a se fundir com seus músculos, ossos, sangue e etc... Por conta dessa junção, sua pele escurece. Quando suas chamas se fundem com os músculos, deixa-o ainda mais resistente. Ao se fundir com o sangue, obviamente, o sangue irá ferver e seus batimentos ficará mais acelerado, por conta disso, sua velocidade aumenta drasticamente. Qualquer outro ser teria seu coração imediatamente explodido com o ferver do sangue e aumento do batimento, então por que com Dante não é assim? Simples: porque ele é o Dante. Além de liberar todo seu poder, a junção das chamas com seu corpo seria a outra ignição para a Personificação.


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!