Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 53

    Lembranças

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yo, dessa vez eu consegui postar o cap sem atraso e.e

    Só eu acho cebola ruim? Não faz falta nenhuma na comida

    Boa leitura ^^

    Incontáveis anos antes...

    Os selos estavam treinando com Lúcifer na mesma sala que eles se encontraram pela primeira vez. Porém, antes a sala era impecável, agora estava com vários locais destruídos por causa do treinamento intenso que eles estavam sendo submetidos.

    Lúcifer estava parado no centro da sala, os selos estavam o rodeando. Os selos sacaram suas respectivas armas, então Aiken e Kleist liberaram suas chamas e avançaram para atacar Lúcifer dos dois lados. O anjo sorriu e sacou sua espada reluzente. Ele aparou as duas katanas negras do Aiken com sua espada, e conseguiu desferir um golpe certeiro no estômago do Kleist, fazendo-o sangrar pela boca e ser arremessado longe. Lúcifer disparou com sua espada uma energia laranja, fazendo que Aiken sofresse danos consideráveis e que fosse arremessado também.

    Dante e Pietra partiram para o ataque, eles pularam e visaram atacar Lúcifer ao mesmo tempo. O anjo começou a ser movimentar, mas sentiu seu corpo pesar. Era as chamas do Aiken. Porém, Lúcifer liberou sua energia, ofuscando Dante e Pietra, que acabaram sendo cortados no ar por ele.  Mas, um pouco antes do Dante cair no chão, Edward surgiu atrás dele com uma espada em punhos. O arcanjo não esperava por um ataque daquele, e iria acabar tomando o ataque diretamente, mas a espada que Edward empunhava se despedaçou, deixando uma abertura grave. Aproveitando-se da abertura, Lúcifer acertou um poderoso golpe.

    Lúcifer havia derrotado os cinco sem nem mesmo eles terem conseguido tirá-lo do centro da sala.

    – Bom, o trabalho em equipe de vocês está progredindo, mas continuam uns inúteis. – Lúcifer olhou para Pietra. – Peste...

    – O que foi? – perguntou ela com a mão no corte.

    – Você tem uma grande força e uma velocidade muito boa, combine esses dois sem medo. – O anjo olhou para Kleist. –Suas expressões atrapalham demais na hora de fazer algum movimento, ou após de receber um ataque. Te deixa muito previsível.

    – Minhas expressões...? – sussurrou Kleist para si.

    – Fome, você consegue ter uma grande percepção, então sempre esteja um passo a frente do inimigo.

    – Tô ligado.

    – E para de usar essas coisas que você denomina de gírias. – Lúcifer olhou para o Dante. – Não pense só com os músculos. Eu sei que você consegue enxergar o que deixa uma pessoa com raiva. Provoque seus inimigos.

    – Eu não penso só com os músculos... – resmungou Dante.

    Lúcifer olhou para Edward.

    – Do que adianta empunhar uma arma se ela vai desfarelar? Se continuar assim você vai ser um idiota inútil para sempre.

    – Eu não sou idiota!

    – Então quer dizer que é inútil?

    – Também não! – vociferou. –A penas não consegui achar nenhuma arma que suporte minha força.

    Lúcifer suspirou.

    – Talvez eu tenho uma solução. – Fez uma pausa. – E é arriscada. Você pode morrer.

    – Melhor ainda! – vociferaram os selos.

    – É assim que vocês valorizam a vida do seu capitão?!

    – Vamos logo com isso, vai ser divertido – Edward sorriu.

    – Nem você valoriza a própria vida!

    Lúcifer chamou Edward e Dante para o centro da sala. Ele pediu para Dante que sempre ficasse próximo ao Edward, ao lado dele. Para o Edward, ele pediu para imaginar o máximo de detalhes o possível de sua arma.

    – Bem, vou mostrar um pouco do que meu poder junto com o poder da minha espada pode fazer.

    Uma energia laranja, parecendo raios, começou a emanar no corpo e na espada do Samael. Ele começou a correm em direção ao Edward, então cravou a espada no centro do peito dele. A energia laranja começou a tomar a corpo do Edward, e ele começou a sentir muita dor.

    Lúcifer assentiu com a cabeça, então Dante puxou Edward até a espada sair do seu peito. Algo parecido com uma alma continuou transpassada na lâmina. Edward caiu de joelhos por exaustão, então essa alma caiu em seus braços.

    – O que é isso? – perguntou Edward ofegante.

    – Sua arma – respondeu o arcanjo.

    A alma começou a tomar forma de uma garotinha com cabelos negros e curto e com uma pele bem pálida.

    – Sua arma é uma garotinha?! – vociferou eles. – Seu tarado!

    – Não! Não era isso que eu estava imaginando! Era uma foi...

    – Morte? – chamou a garotinha de forma sonolenta.

    A atenção foi voltada para a garota, que agora estava com seus olhos azuis abertos, fintando Edward.

    – Sim... sou eu – respondeu.

    – Quem eu sou...?

    Edward pareceu um pouco pensativo. Então, ele sorriu e disse:

    – Você é a Lizzie.

    A garotinha devolveu o sorriso.

    – Que nome bosta – disseram eles.

    – Fiquem quietos! – vociferou Ed.

    Lizzie começou a esticar seu braço até o rosto de Edward, mas o braço se transformou em uma lâmina azul que cortou a bochecha dele.

    – AAAAAAAH, VOCÊ ESTÁ LOUCA? – berrou Edward.

    – FOI SEM QUERER! DESCULPA! DESCULPA! – choramingou.

    -----------                              ***                               -----------

    Atualmente...

    Anoiteceu, e a chuva já havia parado. Eles estavam perto da única casa em pé da cidade. Estavam descansando, pois estavam completamente exaustos.

    – O que aconteceu com vocês? Estão estranhos – perguntou Mika.

    – Efoeitos coratleis dlu drespretlar – respondeu Pietra.

    – Hã?

    – Ela disse: efeitos colaterais do despertar – explicou Aiken. – Estamos desacostumados com aquela forma. A Pietra não consegue falar direito.

    – E você fica cego temporariamente?

    – Oloco, como cê descobriu?

    – Porque você está conversando com uma parede.

    – Ah... ta – ele se virou para direção correta.

    Mikaela observou Dante que estava caído de cara no chão.

    – E o dele?

    – A maioria DOS MUSCULOS dele TRAVA – respondeu Kleist tentando pegar a sua espada, que estava cravada no chão.

    – E você?

    – Eu PERCO a noção de PROFUNDIDADE.

    Pietra foi até o Kleist, pegou o braço dele e colocou na espada dele. Então ele retirou a espada do chão.

    – Finalmente! – comemorou.

    – E você, Ed?

    Edward estava em cima da casa, sentado no telhado, olhando para as estrelas. Mas ele não respondeu a Mikaela.

    – Edward!

    – QUE FOI?! – berrou.

    Edward berrou tão alto que eles ficaram escutando zunidos.

    – NÃO PRECISA GRITAR! – gritou Mika.

    – EU NÃO ESTOU GRITANTO!

    – Ere frlica slurdro – tentou dizer Pietra.

    Mikaela olhou com uma cara estranha para Pietra.

    – Ele fica SURDO – explicou Kleist.

    – Entendi.  –Mika olhou para o Edward. – O QUE FAREMOS AGORA?!

    Edward olhou para o céu novamente, e voltou a olhar para eles e berrou:

    – NÃO É OBVIO? IREMOS PARA ZESTRIA MATAR O DESGRAÇADO DO BAHAMUT! MAS SÓ DEPOIS DO EFEITO COLATERAL PASSAR... VOCÊ SABE DOS EFEITOS COLATERAIS?!

    – É, EU PERCEBI SOBRE ELES, ED –respondeu Mika.

    Continua <3 :p

    (Capítulo Remake)


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!