Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 51

    Excalibur

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yo, depois de muitos caps sem ter algum atraso... e.e

    Mals pela demoras guys, mas tá ai

    Boa leitura ^^

    Após ter recebido uma parte do ataque, Edward estava com o lado esquerdo do seu corpo ferido, e estava ofegante. Lúcifer se gabava por Edward ter sido tão previsível. O selo da Morte olhou diretamente para o anjo caído e disse:

    – Eu sei que fui previsível.

    Ao termino de sua frase, Edward ergueu seu dedo indicador e médio. Lúcifer pensou que era provocação, entretanto, quando olhou para baixo, vários pássaros com um azul-transparente estavam indo em sua direção. Ante que o anjo pudesse fazer algo, todos os pássaros começaram a explodir.

    Por causa da explosão, a fumaça atrapalhou a visão de Lúcifer, que por sua vez balançou a espada para dissipar a fumaça. Ele não sofreu nenhum dano grave, mas, quando olhou para frente, o seu discípulo não estava mais lá. Com isso, Lúcifer começou a olhar ao seu redor.

    – Está com medo? – provocou Lúcifer.

    – De você? Nem – vociferou Ed de algum lugar onde Lúcifer não conseguia encontrá-lo. – Mas eu sei que para derrotar você é necessário uma estratégia.

    – Ora, ora... parece-me que o passarinho está começando a querer voar.

    – Esse é problema, mentor...

    Edward, com velocidade, atirou sua foice em direção ao anjo. Lúcifer percebeu a foice vindo, então brandiu sua espada contra ela, assim aparando o ataque. Porém, Edward apareceu atrás dele.

    – ... eu já levantei voo há muito tempo.

     No momento que o anjo caído estava girando para trás, Edward girou mais rápido, deixando seu corpo envolto de suas chamas azuis, e acertou-o com um chute no rosto. Lúcifer foi arremessado contra o chão, fazendo ele ser arrastado em meio aos destroços até o rio que cortava a cidade.

    – Nós, os selos, já levantamos voo – reforçou Edward.

    Encharcado, Lúcifer levantou da água, cuspiu sangue e balançou seu cabelo. Então, ele voltou a sorrir.

    – Ah... eles crescem tão rápido. Mas, “levantar voo”, não será o suficiente para nos parar.

    – Porque você acha isso?

    – Dei um pouco do meu sangue para aqueles demônios. Fora que selecionei cada um que tinha uma habilidade que seria bom contra suas respectivas chamas.

    – E contra mim? Acabou os demônios?

    – Você acha que eu não percebi que o medo imposto por suas chamas só funciona uma vez no mesmo ser?

    Edward deu de ombros.

    – Não se preocupe, com certeza ganharemos.

    A energia negra começou a tomar o corpo de Lúcifer, e, ao mesmo tempo, as chamas azuis do Edward fizeram o mesmo. Após se entreolharem por um tempo, Lúcifer avançou para um ataque de frente. As lâminas se chocaram, fazendo um grande estrondo, os dois sentiram um pouco da vibração do impacto, as chamas azuis e a energia negra se espalharam pela cidade.

    – Até que essa espada é resistente – observou Ed.

    – Os humanos chamam ela de Excalibur.

    As lâminas deslizaram uma sobre a outra criando faíscas, então eles começaram a chocar uma contra a outra em uma grande velocidade e poderosos impactos. A cada impacto, eles podiam sentir a vibração intensa das lâminas, as chamas e a energia se espalhavam cada vez mais. Depois de um tempo com a trocas de golpes, Lúcifer finalmente achou uma brecha, aproveitando-se dela, ele abriu um talho no peito do selo. Edward quase ñoa sentiu o corte, mantendo a destreza para abrir um corte no seu mentor do ombro até o peito como resposta. Os dois se afastaram, não muito longe, e pegaram impulso usando suas respectivas asas para o impacto. As lâminas se encontraram novamente, fazendo as chamas e a energia dele explodirem, entretanto, dessa vez Edward não aguentou o impacto e foi arremessado. Ainda no ar, Edward tentou se recuperar, mas Lúcifer agarrou a cabeça dele e jogou-o no chão, criando uma grande cratera por causa do impacto.

    Edward estava se levantando um pouco desnorteado, até que Lúcifer agarrou o pescoço dele e começou a arrastá-lo pelos escombros da cidade. Depois de um tempo, ele arremessou o selo da Morte em uma casa, recaindo sobre seu corpo. Lúcifer concentrou sua energia negra na espada e atirou em direção ao selo. Não tendo como desviar, Edward recebeu o ataque diretamente, causando uma explosão.

     Lúcifer voou até o Edward, que estava caído com muitos ferimentos pelo corpo, e pousou com o pé em cima da ferida dele, pressionando-a.

    – Até que eu gostei desta espada – disse Lúcifer manejando a espada. –E você? O que achou?

    Lúcifer fincou a espada no ombro direito do Edward. Como resposta, ele teve o som de dor vindo de Edward.

    – Hã? Não deu  para te escutar, discípulo idiota...

    – Vá... se foder – Edward sorriu.

    Lúcifer ignorou e suspirou.

    – Arrogante como sempre, não é mesmo?

    – Aprendi com você.

    – Pelo menos isso.

    Lúcifer retirou sua espada, agarrou Edward pelo pescoço e ergueu-o.

    – Sabe...qual é...o seu problema? – perguntou Ed.

    – Adoraria saber.

    – É muito cheio de si.

    Dois abraços saíram do chão, com unhas extremamente afiadas, ficando-as na perna do Lúcifer. Ao sentir essa fisgada, ele desviou o olhar do Edward, que, por sua vez, deu uma cabeça no Lúcifer, conseguindo se livrar, desarmou-o e começou uma serie de socos revestidos com suas chamas azuis. Mas Lúcifer deu uma palmada no peito do seu discípulo, fazendo-o ser arremessado não muito longe, e parando perto da sua foice. Edward voltou a estar ofegante e tentou se manter de pé usando a foice para se apoiar. Lúcifer veio caminhado lentamente, dando a impressão que os socos do Edward não foram nada efetivos. De fato, não foram.

    Agora, Lúcifer estava com o olhar que demostrava superioridade, e Edward sempre odiara esse olhar.

    – Você é um monstro – admitiu Ed. – Vai me dizer que ainda não usou toda a sua força?

    Lúcifer suspirou.

    – Não queria admitir isso, mas eu estou usando toda minha força. Orgulhe-se disso, discípulo idiota.

    Edward começou a rir.

    – Você não sabe, né?

    – Não sei sobre o que?

    – Ah... como isso é bom! – exclamou Ed em meio aos risos.

    – Desembuche.

    – Um pouco antes de enfrentar Bahamut, nós aprendemos algo interessante...

    – Vai ficar falando asneiras?

    – Não me interrompa! – vociferou Ed.

    Lúcifer ficou irritado.

    – Graças a essa descoberta e sua admissão de estar usando cem por cento do seu poder, eu tenho certeza da minha vitória.

    – Do que você está falando?! – berrou Lúcifer.

    Edward levantou a cabeça, olhou diretamente para Lúcifer e abriu um sorriso sádico de orelha a orelha.

    – Despertar: Deus da Morte.

    Continua <3 :p

    (Capítulo Remake)


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!