Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 39

    Objetivo

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yo, finalmente conseguimos atingir mil views em outro site (Only animes) /o/.

    Agora vai demorar para chegarmos nessa marca nos outros sites :/

    Obrigado por estarem acompanhando!

    Boa leitura ^^

    – O Guerra é mesmo incrível! – dizia Mika. – Ele está conseguindo lutar quase que de igual contra Ed.

    – Não é para menos. Digamos que na posição hierárquica do grupo, ele está logo abaixo do Ed – disse Pietra ainda olhando para a luta.

    – Quais são as outras posições?

    – É seguida por Dante, eu, Lizzie e Aiken.

    – Por que a Lizzie tem mais direitos que eu?! – vociferou Aiken.

    – Porque todo mundo confia mais nas ordens dela do que na sua –respondeu Pietra e Dante.

    – Colé, isso magoa, tá? – lamentou Aiken.

    – “Colé”? Por usar essas palavras que quase ninguém entende, você fica em último.

    – Vai se ferrar!

    Guerra estava escorado em sua espada, enquanto Edward acabara de pousar. Edward ainda não conseguia usar sua perna, o corte em sua perna é mais grave do que pensava. Por outro lado, o ferimento nas costas do Guerra havia piorado, agora estaria complicado para ele movimentar sua espada tão livremente quanto antes. Mas, apesar desses fatores, nenhum dos dois estavam pensando sobre isso. Apesar das circunstâncias, os dois estavam se divertindo.

    Guerra puxou sua espada e, com a menor intenção de demonstrar o movimento, disparou o mesmo corte que tinha usado contra os macacos do Edward, porém com menos força. Aquele ataque surpreendeu Edward, que desviou por muito pouco, mas, mesmo assim, teve um diagonal do centro de seu peito até o ombro esquerdo. Guerra não parou por aí, aproveitando do desequilíbrio do Edward, continuo avançando até que, com o braço esquerdo, atingiu um soco em sua costela, fazendo-o ser arremessado. Edward se reposicionou usando suas asas. Então, Edward, esticou seu braço esquerdo e fez uma bola de chamas azuis gigantesca. O capitão dos selos jogou a sua bola de chamas azuis em direção a Guerra. Sem perder tempo, o selo da Guerra também criou uma bola de chamas amarelas, como meio para anular o ataque. O que deu certo, logo após uma grande mistura entre chamas azuis e amarelas, elas se extinguiram.

    No momento que Guerra voltou seu olhar para Edward, a foice estava vindo em sua direção. Ele moveu seu copo para trás, fazendo com que a foice cravasse no chão a pouco centímetros dele, e quando voltou a olhar para Edward, não estava mais lá. Edward estava acima do Guerra, que por sua vez agarrou a cabeça dele e afundou no chão com uma grande força. Em seguida, Edward o levantou e jogou Guerra na direção em que Asmodeus estava. Agora, Guerra estava caído ao lado dele.

    – Está difícil esta luta né, Guerra? – perguntou Asmodeus tentando esconder sua satisfação por vê-lo apanhar.

    Asmodeus foi ignorado.

    – Tsc, os boatos de você ser inexpressivo e de pouca conversa eram verdadeiros.

    – Só falo quando é necessário, Asmodeus. E você é desnecessário.

    – Ora seu...

    – GUERRA! – gritou Ed interrompendo o demônio. – Que tal pararmos de enrolar e acabarmos logo com isso?

    – Se é o que você quer, Morte.

    Edward levantou sua foice acima de sua cabeça e começou a girar ela. Conforme ia girando a foice, mais envolto de suas chamas azuis ela ficava, até que chegou em um ponto que não dava mais para ver a foice, apenas as chamas girando. Guerra se levantou, e Edward atirou a foice em direção a ele. Guerra, vendo a foice vindo em sua direção, pegou a sua espada e perfurou Asmodeus. A foice começou a fazer curva, mudando sua direção para atingir Asmodeus. Com a aproximação da foice, aconteceu uma explosão. Da fumaça da explosão, saiu a foice do Edward e o Guerra, que parou ao lado do dele.

    – Porra, não acredito que você errou! – disse Guerra.

    – Não teria errado se você tivesse imobilizado ele direito!

    – Agora a culpa é minha?!

    – Sempre a culpa é sua!

    Os selos e Mikaela estavam completamente confusos. Até que, Pietra, confusa e irritada, foi até os dois e deu um soco forte na cabeça deles.

    – Mas que desgraça está acontecendo aqui?! Expliquem logo! – vocifero ela.

    – Eu estava fingindo, seus idiotas! – explicou Guerra.

    – Mas parecia que vocês dois estavam tentando matar um ao outro!

    – Porque nós estávamos! – disseram Guerra e Edward.

    – Por que você fez isso tudo só para matar Asmodeus?

    – O objetivo era matar Bahamut, mas ele sumiu.

    – Então por que não voltou para o nosso lado? Seria mais fácil matar Asmodeus assim.

    Guerra pareceu um pouco pensativo.

    – Verdade. Eu poderia ter feito isso.

    – ISSO NÃO PASSOU PELA SUA CABEÇA?! – gritaram os cinco.

    – Deixe essa discussão para outra hora. Asmodeus ainda está vivo –interrompeu Dante.

    Todos assentiram com a cabeça.

    Asmodeus levantou dos escombros, com muita raiva. O ferimento que Guerra fez nele estava sagrando muito, fora que aparentava que estava sentindo muita dor.

    – Desgraçados! – vociferou Asmodeus. – Queriam matar meu rei de uma forma tão baixa?

    – Nós iriamos conseguir viver com a culpa – responderam eles.

    – Eu vou matá-los!

    – Matar a gente? São cinco contra um. Tem certeza, Asmodeus? – desafiou Edward em um tom de intimidação.

    Asmodeus pareceu um pouco preocupado, mas ele sorriu. Sua pele começou a virar escamas de cor avermelhada, seus olhos ficaram negros, as unhas do pé e da mão ficaram maiores e, por fim, seus chifres cresceram apontado para os lados.

    Asmodeus encarou os selos, que estavam com uma cara de nojo, por mais tempo. Então, ele virou e saiu correndo em direção ao mar. Os selos, não esperando aquela reação, saíram correndo atrás dele o mais rápido que puderam. Asmodeus escalou a montanha que fazia divisa com o mar rapidamente, e os selos também subiram. Quando Asmodeus chegou ao topo, ele se jogou e gritou:

    – LEVIATÃ!

    Quase que de imediato, o mar começou a ficar agitado e a borbulhar. Depois de um tempo, parecia estar saindo algo da água. E estava, as costas de um bicho enorme começou a emergir, pouco a pouco, até ele sair de vez.

    O bicho que acabara de sair da água era idêntico a um dragão, porém, ao invés de asas, ele tinha seis grandes tentáculos. Asmodeus pouso bem em cima da cabeça do Leviatã. Agora, era Asmodeus que estava se deleitando do momento com os rostos surpresos dos selos parados em cima da montanha.

    – Vamos nos divertir, selos?! – gabou-se Asmodeus em um tom de superioridade.

    Continua <3 :p

    (Capítulo Remake)


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!