Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 30

    Cinzas

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yo, não deu para postar cap terça porque tinha provas e trabalhos para fazer... essas merda chata ai que é necessária para que você não seja um bosta que escreve fanfic. Deveriam fazer essas coisas, é um aviso.

    Não por experiência própria, é claro.

    Longe disso.

    Boa leitura ^^

    Após o disparo poderoso de Tats, sem que demônio percebesse, Aiken se preparava para ataca-lo pelas costas.

    – Nunca subestimo meus inimigos – disse Aiken seriamente.

    Ao escutar a voz do Aiken, o sorriso de orelha a orelha do Tats logo se fechou. Ele tentou virar para trás, mas Aiken, que estava com seu corpo coberto pelas suas chamas prateadas, com a sua katana esquerda, desferiu um corte nas costas de Tats. Quando Aiken percebeu que ainda assim o demônio continuava a se virar, deixou o corpo de Tats pesado, assim Aiken conseguiu se afastar. Tats disparou outro tiro azul, mas inutilmente, a bala era lenta demais, o que facilitou que Aiken desviasse.

    Quando a batalha acalmou um pouco, deu para perceber que a parte esquerda do corpo de Aiken estava levemente queimado, demostrando que ele escapou por pouco.

    – Como ele escapou? – perguntou Mika.

    – No último instante, os poderes dele voltaram. Então, ele deixou o corpo dele envolto em chamas, ficou mais leve e impulsionou para lado, tendo uma grande velocidade – respondeu Ed.

    – Você é lerda, hein... – caçoou Liz.

    – Fique quieta, Liz!

    – Ah, quase que esqueço. –Edward olhou para o Aiken. – O despertar não está liberado.

    – Sério, véi? Que saco.

    Instantes depois, a pele do lado direito do corpo do Tats começou a descascar, começou a demonstrar uma cor negra, e, como no braço esquerdo, o seu braço direito também se transformou em um cano de uma arma. Os seus chifres eram bem pequenos, que mal saiam de sua cabeça, seus olhos ficaram negros com um fino círculo vermelho neles. Tats ficou meio vermelho e meio preto, entretanto seu porte físico continuou o mesmo.

    – Certo, esse maluco já usou quatro balas – pensava Aiken –, aposto que a última tem um grande dano. Provavelmente ele só vai usar como golpe final.

    – Seu poder tem uma falha muita engraçada. Você só consegue manter ele ativado por um tempo, né? Se não, poderia deixar meu corpo pesado e me matar facilmente.

    – Talvez – disse Aiken desviando o olhar.

    – Você mente muito mal.

    Tats pulou e, no ar, começou uma saraivada de balas laranjas. Depois que se transformou, suas balas eram mais semelhantes a pequenas bolas de energia. Quando as balas tocaram o chão, as explosões causadas foram bem maiores do que as outras. Sem opção, Aiken apenas correu para desviar das balas, mas não rápido o suficiente. O chão em que ele estava pisando explodiu, fazendo ele voar. Então, Tats acertou o selo da Fome com uma bala roxa e disparou várias vermelhas em sequência, mas Aiken lançou um corte em forma de “x” com suas chamas, anulando todas as balas vermelhas e acertando o braço do Tats.

    Aiken rapidamente pesou o corpo de Tats, fazendo-o cair, mas não demorou para a bala roxa fazer efeito no Aiken tirando seus poderes, assim o peso em Tats desapareceu. Com isso, os dois se reposicionaram.

    – Se continuarmos assim, iremos ficar aqui para sempre, Fome – disse Tats.

    – Ué, agora cê tá falando? –Aiken fez uma pausa. – Mas eu concordo.

    – Vamos acabar com isso.

    A sola do pé do Tats ficou verde, então ele começou a flutuar. Quando ele chegou em uma boa altura, parou, e sua expressão ficou séria. Tats juntou seus braços, e, na ponta do cano, uma energia verde começou a brilhar. Em questão de segundos, criou uma enorme bola verde de pura energia.

    – Como eu imaginei, cinco balas diferentes, e a última seria em um ataque final. Tava cotando com isso – pensou Aiken.

     Aiken colocou suas duas katanas negras na bainha, e aguardou o momento que Tats atacasse. A bola de energia verde de Tats estava gigantesca, nem Aiken aguentaria se ele fosse atingido por aquela bola de energia. Então, com uma grande gargalhada, Tats lançou a bola, porém Aiken ainda continuou tranquilo esperando a energia aproximar. Quando a bola de energia se aproximou o suficiente, as katanas começaram a brilhar com a coloração prateada, e Aiken disse:

    – Minhas lâminas negras cortam até o inimaginável.

    Aiken saltou no meio da bola de energia, e várias cortes com suas chamas prateadas foram lançados para todos os lados, assim dissipando toda a energia.  Aiken deixou sua katana negra mais leve e arremessou no demônio, acertando o seu peito. Tats sentiu o seu corpo pesar, não aguentando se manter no ar e caindo em seguida. Enquanto o demônio caia, um dragão de chamas prateadas ficou envolto de Aiken.

    – Minhas lâminas negras podem abalar até os céus.

    Com o rugido de um dragão, Tats foi engolido pelas chamas. Ao entrar em contato com o solo, continuou descendo até formar uma grande cratera. Quando as chamas prateadas se extinguiram, não havia sobrado nada do Tats. Virou apenas cinzas.

    – Cê deu um trabalhão – admitiu Aiken olhando para cratera.

    – Poderia ter acabado essa luta antes, Aiken – reclamou Ed.

    – Cê sabe que eu gosto de fazer especulações contra quem eu luto, capitão.

    – Lutou bem.

    – Valeu. Agora é sua vez – disse Aiken tocando no ombro do Edward.

    – Vamos, Liz.

    – Ed... – começou Mika.

    – Relaxa... – Edward transformou a Lizzie em foice. – Eu não vou morrer aqui.

    Edward caminhou em direção ao centro da arena, ou o que sobrou dela, pois estava completamente destruída, fora a floresta devastada por causa dos ataques de Tats. Ao ver que Edward estava indo para a arena, Belphegor, sem perder tempo, também foi.

    Chegando na arena, ele retirou o seu manto, demostrando seus braços musculosos e partes do corpo cheia de cicatrizes. Belphegor estava com um leve sorriso em seu rosto. Edward retirou seu sobretudo e sua graveta, depois jogou para a Mikaela segurar.

    – Não vai fugir, Belphegor? – perguntou Ed.

    – Por que eu fugiria?

    – Bom, todos os seus subordinados morreram. Então, mesmo se você ganhar, os meus irão te matar.

    Belphegor riu.

    – Não faço isso aqui porque quero parar vocês. Faço só porque almejo uma boa luta.

    – Este “campeonato” só foi porque você quer diversão, sem nem mesmo ter algo relacionado a Bahamut?

    – Exato.

    Dessa vez foi Edward que riu.

    – Gostei de você – admitiu Ed.

    – Por que o capitão dos selos iria gostar de um demônio? – perguntou o demônio em um tom indignado.

    – Você queria lutar com a gente, mas você não precisou destruir boa parte de uma cidade ou se tornar rei de alguma. Simplesmente você esperou. –  Ed sorriu. – E se é uma boa luta é o que você quer...é uma boa luta que você terá.

    Continua <3 :p

    (Capítulo Remake)


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!