Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 17

    Magia

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yo o/

    Mais um cap para vcs!!

    Boa leitura ^^

    Edward não demorou muito para subir as escadas, que eram poucos degraus. Quando ele chegou ao último degrau, deu de cara com uma outra porta, que, sem pensar duas vezes, quebrou ela com uma voadora, fazendo ela ficar em pedacinhos.

    A sala que ele entrou era a sala do trono. Havia um grande trono ao final do grande tapete vermelho, a sala era muito bem iluminada, sem deixar um único breu. Ao lado do trono, estava Joffrey com a sua espada na mão. O cabelo dele era longo e negros, e, quando virou, tinha um grande sorriso de orelha a orelha em sua cara. E a trás dele, sendo torturada, estava a Peste. Ela estava nua e cheia de cortes pelo corpo, ela tinha um grande cabelo ruivo e olhos verdes, que, quando direcionado para Edward, deu para perceber que estava cheio de dor e sofrimento. Desesperadamente pedindo por socorro, fazendo com que Edward ficasse extremamente furioso.

    – Morte! Chegou em uma péssima hora, estou ocupado, poder esperar alguns segundinhos?

    – Ajude-me – disse Peste em um tom rouco e desesperador.

    – Cale a boca!

    Depois de dizer isso, como punição, o demônio foi abrir um corte na barriga dela, mas ele sentiu o Edward se aproximando, e logo rolou para o lado. Mas, quando ele olhou para o Edward, ele ainda estava parado no mesmo lugar, não tinha mexido um dedo se quer.

    – Só pode ser brincadeira – pensava Joffrey assustado – Por um instante senti que minha cabeça ia ser cortada fora, mas ele nem se moveu. Ele transmitiu essa sensação apenas com o olhar... sendo que eu nem estava olhando para ele!

    – Fique tranquila... – dizia Ed para Peste –, seu sofrimento já acabou. Apenas descanse enquanto eu acabo com ele.

    – Es... está bem – disse ela mais aliviada. – Por que sinto que já conheço esse homem? –pensou ela.

    – Você, Joffrey, irei te matar sem dó.

    – Joffrey? – Ele riu – Meu nome é Mammon. Não pense que eu sou patético que nem o Belzebu.

    – Não pensei.

    Edward retirou o seu sobretudo e a gravata, e jogou em um canto qualquer. Com uma grande velocidade, apareceu em cima do Mammon, visou a cabeça dele com a ponta da foice, mas o demônio se defendeu com a sua espada, logo em seguida, Edward rapidamente foi para o lado esquerdo dele, dessa vez, ele tentou cortar Mammon ao meio, mas o demônio salto e deu um contra-ataque com sua espada, que acertou a bochecha do Edward abrindo um pequeno corte.

    Edward se afastou e jogou a sua foice em direção a Mammon, porém o mesmo bloqueou com sua espada. Com a sua foice girando sem parar e Mammon não tendo outra escolha a não ser ficar parado ali, Edward correu para as costas do Mammon, concentrou suas chamas no braço e tentou um soco. Mammon, por sua vez, com uma extrema velocidade, apareceu atrás dele, deixando que a foice fosse em direção a Edward, mas já tinha previsto o que Mammon iria fazer, então pegou a foice e cortou o peito de Mammon. Mesmo levando o corte, conseguiu dar um chute forte no Edward, fazendo-o afundar na parede.

    – Ah! Que surpreendente a força do capitão dos selos! Eu vou te cortar pouco a pouco, arrancar um pouco dos seus órgãos e depois te esquartejar bem d...devagar – disse Mammon quase que delirando de felicidade.

    – Pare de ter essa fantasias...eróticas? Ou seja lá o que for. Que nojo –comentou Ed com cara de desprezo

    – São quase que eróticas.

    – Ah, cara, não precisa saber disso, sério – disse Ed com a cara ainda mais com desprezo.

    ***

     

    Fora do castelo, Mikaela estava escondida pensando em que fazer em relação ao porrete do demônio gordo. O tempo dela estava se esgotando, pois o demônio estava indo no lugar onde estava escondida.

    – Bom, ele já está aqui, vai ser agora ou nunca.

    Mikaela saiu de trás do muro usando uma magia com um brilho intenso, fazendo com que o demônio ficasse temporariamente cego. Ela passou correndo por ele, usou a magia de corrente no porrete e tentou puxar, mas sem sucesso, o demônio segurava o porrete com muita força.

    – Ah, droga, esqueci que o demônio tem mais foça física que eu – disse ela com um suspiro. –Eu realmente sou muito desaten...

    Mikaela foi interrompida pelo demônio que a puxou pela corrente. Ele girou a Mikaela e jogou-a contra uma casa, fazendo com que os destroços caíssem em cima dela também.

    Ele foi andando em direção aonde arremessou a Mikaela, tirou os destroços e pegou-a. Quando o demônio começou a apertar, Mikaela usou de novo sua magia com o brilho intenso, então o demônio a soltou. Dois círculos mágicos foram criados em cima do demônio.

    – A deusa da pólvora me abençoou com o dom da explosão... explosão!

    O demônio foi pego na magia de explosão da Mikaela. Por causa da explosão, ela foi arremessada alguns metros dali. Ela já estava contando com a vitória, mas, quando a poeira abaixou, o demônio ainda estava de pé, com a pele queimada e com ossos expostos, porém ele ainda estava vivo, e seu corpo começou a regeneração de pouco a pouco.

    – Só pode ser brincadeira –praguejou Mika. –Eu realmente não queria usar isso, mas estou quase sem mana e estou toda ferrada – dizia ela se levantando – Então, foda-se.

    O demônio, ainda com os ossos expostos, começou a correr em direção a ela, concentrou o seu poder no porrete e tentou acertá-la. Com o grande impacto, ele começou a rir, mas ele percebeu um brilho saindo de baixo do porrete. Uma grande força empurrou o porrete do demônio para longe, revelando a Mikaela.

    Ela estava flutuando, emanado uma energia verde e a pele tinha algumas listras pretas que rodeavam o corpo. Mikaela empurrou seu cajado para frente, causando uma onda no corpo do demônio, fazendo-o cuspir sangue. Em seguida, ele juntou a mãos e acertou-a, mesmo usando o escudo ela sofreu danos significativos. O demônio foi usar o mesmo ataque, porém Mikaela girou o cajado e levantou-o, logo em seguida, várias raízes saíram do chão, enroscaram-se no demônio até que ele ficasse imobilizado. Com um outro movimento do cajado, outras raízes saíram do chão. As raízes em direção ao coração dele, arrancando-o e, seguidamente, esmagou o coração, fazendo com que o demônio morresse.

    Mikaela voltou ao seu estado normal e caiu no chão. Ela estava sangrando pela boca e pelo nariz e o corpo estava todo machucado.

    – Essa minha forma realmente não aguenta isso – pensava – Eu vou descansar agora, os outros dois cuidam do resto e depois acabo com eles.

    Essas foram as últimas palavras da Mikaela antes dela começar a dormir.

    Continua <3 :p

    (Capítulo Remake)


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!