Os Cinco Selos

Tempo estimado de leitura: 24 horas

    14
    Capítulos:

    Capítulo 10

    Transformação

    Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência

    Yo, era para eu ter postado ontem, mas teve coisas que me atrasaram, então só pude postar hj.

    Boa leitura ^^

    – Medo? – questionou Belzebu

    – Sim, o doce medo. As minhas chamas entram em seu corpo por meio de um corte e vão direto para o seu cérebro, assim, ativa o medo. Mas, você deve estar se perguntando: "quando o corte aconteceu?", ou algo do tipo. – Ed fez uma pausa. – Então, lembra do corte que eu fiz na sua bochecha no início da luta? Essa merda demorou a fazer efeito por causa do corte ser pequeno e enviar poucas chamas, mas, graças a surpresa de ter descoberto sua habilidade, agilizou o processo.

    – Desgraçado – praguejou Belzebu com uma cara de medo, porém com raiva.

    – Olha a língua! Não vá ficar com medo e se arrepender depois – caçoou Ed rindo.

    – Não vou sucumbir ao medo tão fácil assim!

    Belzebu fechou os olhos e começou a emanar um grande poder, sua pele começou a descascar e ficou vermelha; sua perna se transformou em pernas de bode, cresceu grande chifres, seus olhos ficaram negros, apareceu duas asas negras e um pentagrama invertido se formou na barriga. Ele havia se transformado em meio humano e meio bode.

    – Ai está! O bicho escroto que realmente é! Você é meio humano e meio animal? Vai se tratar rapaz – disse Ed com uma cara de reprovação.

    – Acabou a brincadeira, Morte.

    – Se você diz. Então vamos acabar logo com isso.

    Edward deixou seu corpo envolto em chamas azuis e Belzebu começou a emanar poder. Belzebu começou a ataque pela direita, mas Edward conseguiu defender com a foice, logo Belzebu apareceu na frente e Edward conseguiu defender de novo. Graças a sua transformação, Belzebu estava mais rápido, porém, Edward conseguiu agarrar ele pelo braço e lançou Belzebu para cima e o atacou com a sua foice, conseguindo abrir um corte no peito dele, mas Belzebu girou o corpo e desferiu um soco na cara do Edward.

    Os dois ficaram se encarando por um tempo no ar, Edward começou a girar sua foice, fazendo ela ficar envolto em chamas e começou a disparar as chamas azuis em direção ao Belzebu, mas o demônio conseguiu desviar de alguns e apareceu atrás do Edward. Já antecipando esse movimento, Edward quase cortou a cabeça dele.

    Agora a batalha era com Edward usando a foice e Belzebu os punhos, até que Belzebu deu uma brecha e Edward o atingiu fortemente com o lado cego da foice, fazendo ele cair e bater com grande impacto no chão.

    – Para quem está com medo, até que está se saindo bem, Belzebuzinho. Mas cuidado para não perder a sanidade, ou melhor, morrer de medo – caçoou novamente Ed, rindo.

    – MORRER?! – dizia Belzebu erguendo a cabeça – Eu não vou morrer! Nunca vou morrer! Não tenho medo da morte! – vociferava ele com uma cara agoniada e emanando mais poder.

    – Parece que sua sanidade já foi embora, né?

    – NÃO FALE MERDA!

    Belzebu se teletransportou na frente do Edward e desferiu um soco, por reflexo Edward consegui defender, mas o soco foi tão forte que fez ele recuar alguns metros. Belzebu começou uma sequência de teletransportes, Edward foi capaz de se defender no início, mas logo Belzebu foi conseguindo achar brechas e acertar os ataques no Edward.

    Depois de um tempo acertando Edward com socos e chutes, Edward desviou de um soco se movendo para direita e conseguiu cortar o braço esquerdo do Belzebu, em seguida, Belzebu puxou um soco de direta, mas Edward deu um passo para trás desviando do golpe e cortou o braço direito do demônio, em reposta, Belzebu tentou dar um chute com sua perna esquerda, mas Edward a cortou e empurrou Belzebu fazendo se desequilibrar e cair. Belzebu tentou voar, mas Edward cortou as asas dele.

    Belzebu continuou ofegante no chão, sem seus dois braços, uma perna e asas.

    – Você perdeu sua sanidade e, assim, precipitou-se demais. É o fim, Belzebu.

    – EU NÃO IREI MORRER PARA UM VERME QUE NEM VOCÊ!

    – Verme? Olha só o seu estado! Você sabe qual foi seu erro? Achar que sou que nem um humano, que não iria descobrir sua habilidade, mas esqueceu que sou o capitão dos Cinco Selos. Sou eu que irei cortar a cabeça de quem vocês chamam de "pai" – dizia Ed colocando a foice na garganta de Belzebu – E também, quem irá cortar a cabeça de vocês demônios. Eu irei ceifar cada um de vocês.

    – VOCÊ NÃO VAI CONSEGUIR MATAR O NOSSO P-

    Belzebu foi interrompido por Edward que havia cortado a cabeça dele.

    Edward limpou a lâmina da foice que estava toda ensanguentada, em seguida, a Lizzie voltou a sua forma humana e subiu nas costas do Edward.

    – Bom trabalho, Liz – disse Ed sorrindo.

    – Obrigada, Ed – agradeceu Liz apertando a bochecha do Ed.

    – Parece que a luta do Fúria acabou também.

    Edward percebeu que estava sendo observado e logo olhou para direção do indivíduo. Ele estava longe, não dava para ver ele direito por estar em um local um pouco escuro. Edward ficou encarando o indivíduo de olhos vermelhos, até que que foi embora.

    – Quem era aquele maldito? – pensou Ed.

    Um pouco antes do termino da luta do Edward e Fúria, Mika estava tendo um grande trabalho para retirar os habitantes que estavam na cidade, pois, além do Edward estar destruindo a cidade na luta dele, na floresta, era o Fúria que estava acabando e destruindo com tudo. Mika teve que usar diversas vezes a magia de escudo dela.

    – Esses dois são uns monstros, olha só quanta destruição, e quem paga o pato sou eu que tenho gastar minha mana para proteger todo mundo... Estou exausta!

    – Ei, moça – dizia uma criança se aproximando – O que está acontecendo na cidade?

    – Uma luta contra demônios. Mas não se preocupe, tem dois grande guerreiros acabando com eles! – respondeu ela sorrindo.

    – Que legal! – exclamou a criança com um brilho no olhar. – Mas esses guerreiros não irão acabar com a gente depois?

    – Claro que não! Lembre-se desse momento garoto, porque eles são as nossas esperanças! Os nomes deles são Morte e Fúria.

    Quando o barulho sessou, Mika saiu correndo em direção ao Edward. A cidade estava praticamente toda destruída, não tinha sobrado quase nenhuma casa em pé.

    Depois de alguns minutos ela chegou onde Edward estava.

    – Ed!

    – Yo, Mika

    – Você está bem? – perguntou ela preocupada.

    – Claro que estou! Só foram alguns arranhões! 

    – Então por que está cheio de sangue?

    – É sangue do demônio – respondeu ele desviando o olhar.

    – ATÉ PARECE!

    Um tempo depois, Fúria chegou ao local onde eles estavam.

    – Você está um caco, capitão!

    – Eu? Pfff, só arranhões. Você que está um caco, está até com um olho roxo!

    – Foram apenas petelecos... e o roxo foi uma fruta que ele jogou em mim!

    – Que discussão mais idiota – observou Mika.

    – Acostume-se, é sempre assim – disse Liz sorrindo.

    – A é? – falou Mika com uma voz desanimada. – Temos que sair logo daqui, não queremos que façam muitas pergunta sobre o que aconteceu.

    – Verdade. Para aonde vamos, capitão?

    – Liz, aonde?

    – O mais próximo está ao norte daqui.

    – É a cidade de Caluna – disse Mika.

    – Então, vamos!

    Então os quatro idiotas seguiram para a cidade de Caluna...

    Continua <3 :p

    (Capítulo Remake)


    Somente usuários cadastrados podem comentar! Clique aqui para cadastrar-se agora mesmo!